Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Agência Mural de Jornalismo das Periferias

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki
Agência Mural de Jornalismo das Periferias
Logomural.png
Slogan Apoie, compartilhe a notícia, participe, envolva-se: a Agência Mural é nossa!
Gênero Portal
Idioma(s) Português
Lançamento 2010
Posição no Alexa Erro Lua em package.lua na linha 80: module 'Módulo:Wikidata/i18n/Testes' not found.
Endereço eletrónico agênciamural

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias é um veículo de jornalismo eletrônico brasileiro, e uma organização de jornalismo independente [1] com foco na produção de notícias, informação e análises sobre as periferias da cidade de São Paulo e Grande São Paulo. A agência conta hoje com uma extensa rede de colaboradores, formada por correspondentes locais que produzem conteúdo sobre as regiões onde vivem. [2]

História[editar]

Criado em 2010 pelo jornalista Bruno Garcez, na época correspondente da BBC Brasil, o Mural nasceu como um esforço coletivo para minimizar as lacunas entre as notícias veiculadas pela grande mídia e a realidade diversa das periferias da capital paulista e da Região Metropolitana de São Paulo. Bruno Garcez se licenciou durante um ano de seu trabalho para formar jornalistas-cidadãos em São Paulo, por meio de uma bolsa da Fundação Knight, oferecida pelo International Center for Journalists (ICFJ), uma entidade que promove iniciativas pioneiras de jornalismo em diferentes partes do mundo. [3]

O projeto teve início em 2010, durante oficinas de jornalismo cidadão que aconteceram em junho, agosto e em outubro, durante quatro fins de semana, na sede da Folha de São Paulo. As aulas iniciavam com leitura e análise dos jornais, questões sobre como a comunidade estava retratada, por exemplo, a cobertura de uma ocupação da comunidade de Paraisópolis. Os alunos concluíram que alguns jornais e revistas mostravam somente a visão da polícia. E, por meio de um perfil no WordPress, foi criada a “agência da periferia”, um “Projeto multimídia de Jornalismo Cidadão”, o Mural Brasil.

Nestas oficinas, formaram-se três turmas de jornalistas cidadãos e, do total dos participantes, 20 decidiram escrever regularmente para o blog Mural [4], voluntariamente. Em 24 de novembro de 2010 ele foi transferido para ser hospedado no site do jornal Folha de São Paulo como o primeiro blog de notícias das periferias de São Paulo, coordenado pela jornalista Izabela Moi.

O blog reunia e ainda reúne textos produzidos por jornalistas residentes nas periferias de São Paulo, em comunidades como Capão Redondo, Jardim Ângela, Itaim Paulista, Pirituba, Jardim Brasília, entre outros, com a intenção de oferecer um olhar novo, uma visão de dentro de uma área que não é contemplada pela grande mídia. [5] Nasce o conceito de "correspondente local", que os "muralistas" assumem desde o início.

Desde 2014, a o Mural ganhou também espaço com uma coluna semanal no Guia Folha com dicas de cultura e de lazer em bairros das periferias da capital e da Grande São Paulo. [6]

Em 5 de novembro de 2015, como parte do desenvolvimento e ampliação do trabalho do blog e seus jornalistas, tornou-se uma agência de jornalismo e inteligência sob o nome de Agência Mural de Jornalismo das Periferias. [7]

Já em 2016, fruto da parceria entre a Agência Mural e a Rede Nossa São Paulo, com apoio da Fundação Ford, foi lançado o site 32xSP. [8] Nele são publicadas reportagens diárias sobre as 32 subprefeituras do município de São Paulo.[9] E desde novembro de 2017, o 32xSP conta com um espaço no site da revista CartaCapital, na sessão “Parceiros”.

Neste mesmo ano o Mural passou a fazer parte da recém criada ""Rede Jornalistas das Periferias"", junto com outras iniciativas de mídia livre (Núcleo de Comunicação da Uneafro, Escola de Notícias, Alma Preta, Desenrola e Não Me Enrola, Do Lado De Cá, Imargem, Nós Mulheres da Periferia, Periferia em Movimento e Periferia Invisível.) Em 2017 foi realizada pela Rede a primeira Virada Comunicação, da qual o Mural fez parte.[10]

Outro canal da Agência Mural, o Rolê Na Quebrada, estreou em 14 de junho de 2017 [11], um programa de agenda cultural ao vivo que acontece todas às quartas, à noite, na página da agência no Facebook. Uma parceria com o Catraca Livre, também disponibiliza um espaço de agenda com uma seleção semanal dos melhores eventos das periferias.[12]

Em 2017, após uma campanha de financiamento coletivo[13], a Agência Mural foi finalmente formalizada, após mais de 7 anos de existência como coletivo, e tornou-se a Associação Mural Agência de Jornalismo das Periferias a partir de 16 de abril de 2018, uma organização sem fins lucrativos. Em maio de 2018, a Agência Mural passou a fazer parte do Projeto Credibilidade[14], ao lado de outros 18 veículos da imprensa brasileira.

Em 2018 sua cobertura jornalística consistia em 36 distritos da cidade de São Paulo e 17 municípios da Grande São Paulo. Os conteúdo produzidos pelos 80 "muralistas", como são chamados os correspondentes locais, são publicados no site da Agência Mural, Blog Mural (na Folha.com), Catraca Livre, Guia Folha, Rolê na Quebrada e 32xSP.

Em junho foi selecionada como uma das organizações apoiadas pelo Programa de Jornalismo Independente, da "Open Society Foundations". [15] No mesmo mês o Mural foi convidado para a websérie “Cartas na Mesa”, produção conjunta do Observatório da Imprensa e do curso de Jornalismo da ESPM, sobre jornalismo investigativo.[16]

Em julho o codiretor da agência Anderson Meneses participou do "Causando em SP", programa da TV Câmara do município de São Paulo.[17]

Em agosto o jornalista Vagner de Alencar ministrou um curso de extensão na FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) chamado "Cobertura Jornalística das Periferias".[18]

Ainda em 2018 a agência lançou seu pŕoprio portal de notícias, unificando os conteúdos já existentes em outros canais[19] e participou do 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação da Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação).[20]


Artigos e trabalhos acadêmicos

Durante sua história a atuação da Agência Mural foi tema de trabalhos acadêmicos e publicações em diversos momentos:

Em 2016, um livro digital chamado "Educomunicação e Diversidade: Integrando Práticas" organizado por Claudemir Edson Viana, Rosane Rosa e Sátira Machado tem um capítulo dedicado ao Mural chamado "A voz da e na periferia. As experiências do Blog Mural e Nós Mulheres da Periferia".[21]

Também em 2016, as então estudantes de graduação em jornalismo da universidade FIAM-FAAM, Diliane Gomes Silva, Janaina Santana Alberto e Cláudia Nonato, participaram do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação em São Paulo com um artigo sobre a cobertura do jornalismo periférico e alternativo no Brasil. O artigo intitulado "Periférico e contra hegemônico: o jornalismo alternativo no Brasil e na América Latina do século XXI" cita a a Agência Mural como precursora do movimento que busca dar voz e noticiar o que acontece nas periferias.[22]

Em 2017 Keli Rocha e Silva Mota, em artigo publicado na Revista Extraprensa[23], parte do portal de revistas da USP citam a Agência Mural e a jornalista Regiany Silva de Freitas, uma das responsáveis pela criação do movimento Nós, mulheres da Periferia[24], que surgiu a partir de um grupo de mulheres integrantes do Mural.

Ainda em 2017 a Professora emérita de Sociologia Angelina Peralva, o Doutor em Sociologia Julien Figeac e a Doutora em Sociologia Nathalie Paton, todos da universidade de Toulouse, na França, citam o trabalho do Mural em artigo intitulado "Resta algo de 2013?", sobre o surgimento e crescimento de mídias alternativas no Brasil. Além de explicar o trabalho da agência, o artigo conta ainda com trechos de entrevistas. [25]

Em 2018 ainda repercutiu internacionalmente, sendo tema de matérias da Revista Pueblos [26] e da Revista Argia[27] ambas da Espanha.

Projetos[editar]

Além da produção de notícias, a Agência Mural realiza alguns projetos de relacionamento e engajamento com sua audiência, além de levar a sério seu papel de promotor do debate da visão crítica da imprensa e do papel relevante do jornalismo para o fortalecimento da democracia.

São eles:

  • Mural nas Universidades: realiza palestras e oficinas em faculdades sobre a cobertura hiperlocal e as experiências dos correspondentes no fazer jornalístico, com o objetivo de ampliar a visão jornalística que se tem sobre os grandes centros urbanos e discutir como melhorar a qualidade do jornalismo que se faz.[28]
  • Mural nas Escolas: promove palestras e oficinas em turmas de ensino médio de escolas públicas da Grande SP, com o objetivo de chamar a atenção dos estudantes para a leitura crítica da imprensa e seu papel relevante nas possibilidades de participação cidadã na democracia local.[29]
  • Acontece na Escola: parte do Mural nas Escolas, foi lançado em 2018 como um projeto que oferece bolsas para alunos matriculados no ensino médio de escolas públicas de São Paulo para produzirem reportagem sobre suas escolas, em parceria com um jornalista correspondente da agência.[30]
  • Guia de Emprego das Periferias: é um classificado de empregos geolocalizados nas periferias, com foco em oferecer oportunidades de trabalho para jovens sem experiência que busca o primeiro emprego e para egressos do sistema prisional.[31] No ano de seu lançamento foi destaque em diversas mídias de grande circulação, sendo tema de uma matéria realizada pela Rede Globo de Televisão.[32]
  • Expo Mural: é um projeto de engajamento com as audiências que moram nos bairros que a agência cobre prioritariamente. Nele, os correspondentes locais, ou "muralistas", participam de eventos e montam uma “exposição” para mostrar as reportagens já publicadas e fortalecer vínculos com a comunidade. Trata-se do encontro entre os jornalistas e suas fontes e leitores.[33]

Prêmios[editar]

Dois apoios institucionais valem ser marcados como “prêmios” de reconhecimento: o do Escritório Zonal do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em São Paulo, e a parceria com a UNESCO-América Latina, ambos estabelecidos com o lançamento da agência, em 2015.[34]

Prêmio TOP BLOG

  • 2011- categoria Cotidiano e Notícias, escolhido pelo júri acadêmico (formado por profissionais) [35]
  • 2012- categoria Cotidiano e Notícias, escolhido pelo júri acadêmico (formado por profissionais) [36]
  • 2015 - categoria Cotidiano e Notícias, escolhido pelo júri popular [37]

Prêmio Cidadão São Paulo

  • 2017 - categoria comunicação, que reconhece personalidades responsáveis por ações transformadoras na cidade. [38]

Referências

Ver também[editar]

  • Jornalismo alternativo
  • Mídia independente
  • Novas tecnologias de informação e comunicação

Ligações externas[editar]


Este artigo "Agência Mural de Jornalismo das Periferias" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Agência Mural de Jornalismo das Periferias.