Welcome to EverybodyWiki ! Nuvola apps kgpg.png Sign in or create an account to improve, watchlist or create an article like a company page or a bio (yours ?)...

Alexandra Illarionovna Shuvalova

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Alexandra Illarionovna
Condessa Vorontsova-Dashkova

Condessa Shuvalova

Alexandra Illarionovna.
Marido Paulo Pavlovich Shuvalov
Descendência Paulo Pavlovich Shuvalov (1891-1919)
Elizabeth Pavlovna Shuvalova
Alexandra Pavlovna Shuvalova
Maria Pavlovna Shuvalova
Nicolau Pavlovich Shuvalov
Olga Pavlovna Shuvalova
Ivan Pavlovich Shuvalov
PedroPavlovich Shuvalov
Casa Vorontsov-Dashkov (por nascimento)
Shuvalov (por casamento)
Nome completo
Alexandra Illarionovna
Nascimento 6 de setembro de 1869
  Rússia
Morte 11 de julho de 1959 (89 anos)
  França
Enterro Cemitério de Sainte-Geneviève-des-Bois
1959
Pai Illarion Ivanovich Vorontsov-Dashkov(1837-1916)]]
Mãe Elizabeth Andreevna Shuvalova(1845-1924)

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

Condessa Alexandra Illarionovna Shuvalova (6 de setembro de 1869 - 11 de julho de 1959) era esposa  do Conde Paulo Pavlovich Shuvalov, filho do Conde Paulo Andreyevich Shuvalov e da Princesa Olga Esperovna Beloselsk-Belozerskaya. Era conhecida por Sandra pela família e amigos. Seu esposo fazia parte do círculo de amigos do Grão Duque Sergei Alexandrovich e assim como a esposa deste,Alexandra se envolveu intensamente com caridade.

Infância[editar | editar código-fonte]

O pai de Alexandra, com quem ela manteve sempre um relacionamento muito próximo.
Elizabeth Andreevna, mãe de Alexandra, a personalidade dominante na família.

Alexandra, chamada de Sandra entre a família e amigos, nasceu em 6 de setembro de 1869, no luxuoso Palácio de Rumyantsev-Paskevich (na província Mogilev, agora o território da Bielorrússia), que pertencia a sua tia, Princesa Irina Ivanovna Paskevich-Erivansky, sendo a segunda criança e primeira filha do Conde Illarion Ivanovich Vorontsov-Dashkov(1837-1916) e da Condessa Elizabeth Andreevna Shuvalova(1845-1924). Os pais de Alexandra eram muito ricos e eram uns dos maiores proprietários de terras da Rússia. O seu pai desempenhou um papel muito importante em sua vida e os 2 foram muito ligados por toda a vida ao passo que sua relação com a mãe era mais rígida, uma vez que ela era muito autoritária. Elizabeth Andreevna permaneceu uma autoridade indiscutível para sua filha em todas as questões da vida. Seus avós paternos faleceram antes do casamento de seu pai e seu avô materno Shuvalov (que também era seu padrinho), morreu em 1875, e Sandra não tinha lembranças dele, mas de sua avó materna Shuvalov (a filha do Príncipe Miguel Semyonovich Vorontsov, governador do Cáucaso) Alexandra se lembrava bem . Ela morreu no outono de 1880. Ela era pequena, de pele escura, com uma grande marca de nascença na bochecha. Ela estava sempre vestida de preto, com uma renda preta na cabeça. Ela não gostava de Sandra, e certa vez a colocou em um canto por algo que ela não fez, apesar das garantias de seus filhos mais novos e da professora de Sandra de que ela não tinha culpa, e disse que a liberaria apenas quando ela pedisse perdão. Alexandra tinha 6 anos de idade, mas se recusei a pedir desculpas por algo que não fez e ficou em silêncio por várias horas no canto, até que os irmãos da sua mãe foram dizer à sua avó que pediram a Sandra para pedir perdão em seu nome. Já da família e dos amigos de seu pai, Alexandra gostava de todos, sua irmã, Princesa Irina Ivanovna Paskevich-Erivansky, seu primo, Vasily Lvovich Naryshkin, e tio Emmanuel Dmitrievich Naryshkin. Este último deixou para Alexandra um legado de 34.000 acres de terra no distrito de Shatsky da província de Tambov e uma casa e um moinho na cidade de Morshansk, sua esposa, Alexandra Nikolaevna Chicherina , morreu quando os bolcheviques a carregaram (ela não podia andar de velhice e doença) em Tambov para o local de execução. Na infância, Alexandra costumava passar longos períodos na propriedade Novotomnikovo junto de sua família ,onde costumavam pescar, nadar, caçar, estudavam no mínimo 4h por dia, andavam a cavalo e podiam viver uma vida mais tranquila e sossegada longe da rígida sociedade de São Petersburgo. Em Novotomnikovo Sandra assim como suas irmãs costurava roupas para crianças camponesas. Em sua vida, o pai desempenhou o papel mais importante. Ela recebeu uma maravilhosa educação em casa, falava fluentemente francês, inglês e alemão.

Alexandra Illarionovna nos primeiros anos de vida
Alexandra Illarionovna nos primeiros anos de vida

Seu pai escolheu professores e tutores das melhores instituições de ensino superior da capital para ensinar seus filhos. Assim, os professores de Sandra foram : A.D Mokhnachev, sobre o qual os ex-alunos descreveram "um professor muito talentoso" de literatura, I.V Meshchersky de matemática, um cientista proeminente, um grande especialista no campo da mecânica teórica e aplicada. Com a ajuda deles, ela estava se preparando para o exame do curso de ginásio completo e recebeu um diploma com honras de um professor da casa em aritmética e geografia. Alexandra Illarionovna lia muito e estava interessada na história. Quando em 1897 o historiador e arqueólogo P.I Bartenev terminou a edição de múltiplos volumes dos Arquivos do Príncipe Vorontsov, cuja publicação começou em 1870, adições e edições ao índice alfabético do último volume, assim como a genealogia do livro, foram especialmente compilados para ele por Alexandra Illarionovna.

Vida no Exterior[editar | editar código-fonte]

O irmão mais velho de Alexandra, Ivan (Vanya), tinha a saúde fraca quando era criança, e os médicos o proibiram de morar na Rússia, e para que ele não ficasse entediado, Sandra e sua irmã Sofia (Sofka) foram viver no exterior também. Com eles também moravam o senhor e a senhora Feder : ele era o tutor do pai de Sandra, um alemão de Wiesbaden, e ela era uma inglesa, professora da tia de Sandra, Princesa Irina Ivanovna Paskevich, após concluída a educação de seus alunos, eles se casaram. Vava (Alexandra Ivanovna Shpilmans) foi a primeira babá das crianças Vorontsov-Dashkov, depois uma professora, e depois Maria Antonovna Isayeva (Mami), que foi contratada pelo avô materno de Sandra e começou a cuidar das crianças Shuvalov quando a mãe de Sandra tinha um ano de idade. As crianças passavam o inverno em Menton ou Nice, e depois na Suíça (em Vevey, Montreux ou em Merano ).

Quando seu irmão teve permissão para passar o verão na Rússia, seu pai comprou uma propriedade em Courland Berghof, que mais tarde, para tristeza das crianças, foi vendida.

Alexandra Illarionovna na década de 1870.

Quando moravam em Meran, Sandra e os irmãos bebiam Kumis, cuma vez que seu pai acreditava em seus poderes de cura. Para isso veio da Rússia um tártaro, um koumissiano, em Meran, a seu critério, comprou duas éguas e alugou um prado. Uma vez duas senhoras foram até as as crianças Vorontsov-Dashkov, uma alta, bonita, com o cabelo até o chão, trançadaoem pequenas tranças, cada uma amarrada com uma lã vermelha, com um leque na mão, que cobria o rosto, e outra dama que lhes disse que a primeira-dama se tratava da Imperatriz Elizabeth da Áustria, que queria experimentar a bebida estranha que bebiam. A Imperatriz gostou do Kumis e foi beber todas as manhãs enquanto estava em Meran. Pouco tempo depois, Sandra e os irmãos foram a Viena para consultar um pediatra , a Imperatriz da Áustria aparentemente descobriu sobre isso, e eles foram convidados para o Palácio de Schönbrunn para brincar com a Arquiduquesa Maria Valéria, a filha mais nova do imperador da Áustria.

Em 1896, o imperador Nicolau II, com uma jovem imperatriz, percorreu algumas capitais estrangeiras (Berlim, Londres, Paris, Viena e Copenhague). O pai de Alexandra, como chefe do Ministério da Coroa Imperial, acompanhou-os. A imperatriz da Áustria naquela época não participava mais das cerimônias da corte, mas dessa vez ela abriu uma exceção. Depois de um jantar formal no palácio, ela se lembrou das três crianças russas com as quais ela foi beber koumiss, e perguntou ao conde Vorontsov-Dashkov sobre seus filhos e deu-lhe um doce para todos.

Alexandra com seu irmão Ivan e sua irmã Sofia. Década de 1880.

Certa vez quando Alexandra vivia em Menton com os irmãos, a Imperatriz Maria Alexandrovna, que vivia em Nice, convidou as crianças para uma visita. Dessa vez, Alexandra, Ivan e Sofia estavam com suas outras irmãs, Maria (Mai) e Irina (Ira), que mais tarde se casaram com o conde V.V. Musin-Pushkin e o Conde D.S. Sheremetev. Após a visita a Imperatriz deu a Sandra uma boneca e uma cesta de madrepérola com uma alça dourada, na qual estavam pendurados fúcsia, pintada de roxo. Em 1877 Sandra e seus irmãos voltaram para a Rússia para sempre.

Retorno a Rússia[editar | editar código-fonte]

Em 1877, de volta a Rússia, Sandra, suas irmãs e seu irmão Roman, visitaram Tsarskoye Selo. No grande berçário havia quatro camas, a cama de Sandra era a mais próxima da porta de entrada. As crianças haviam acabado de se acalmar, quando sua mãe chegou com uma vela e atrás da jovem com olhos estranhos, que disse: "Não os apresente pelo nome, quero reconhecê-los eu mesma" e aproximando-se de Alexandra disse: "Eu te conheço, você é Sandra". Sandra respondeu: "Claro,e eu não sei quem você é?" A senhora me disse que ela era "tia". Ela falou com Sandra por um longo tempo, desde que ela não a deixou ir. A Condessa Vorontsova-Dashkova disse que sandra falava francês, e a senhora lhe fez algumas perguntas nessa língua. Finalmente, ela disse: "Deixe-me ir, quero falar com suas irmãs", e Sandra a fez prometer que, quando ela for embora, iria se despedir dela, e assim ela fez, a colocando na cama antes de sair com a condessa. No dia seguinte disseram a Alexandra que não se comporta assim quando a Tsarevna (Maria Feodorovna) fala com você. Quando a Tsarevna foi novamente com a mãe de Sandra ver as crianças para dizer adeus, Alexandra ficou quieta e a tsarevna perguntou: "Por que você está tão infeliz hoje?" e Alexandra respondeu: "Você é a tsarevna", no que Maria Feodorovna respondeu "Não, eu sou a tia, tia Anichkov" (em homenagem ao seu palácio em São Petersburgo).Já adulta, enquanto agradecia sua gentileza com ela, Maria Feodorovna disse: "Afinal, você sabe que eu olho por você como para meus próprios filhos". Quando, em 1914, na Páscoa, Maria Feodorovna a chamou para para Anichkov com seus filhos, ela a cumprimentou com as palavras: "Convidei todos os filhos dos meus filhos". Ainda em 1877, Alexandra estava em Tsarskoye Selo na sacada do vestiário de sua mãe, quando o soberano Alexandre II passou cavalgando e a avistou, parou e perguntou: "Você é uma pequena

A Mansão Vorontsov-Dashkov no cais inglês de São Petersburgo.

Vorontsov?" Depois de sua afirmação, ele disse: "Diga à mamãe que Petty Orlov-Denisov teve gêmeos. A menina morreu e o menino está vivo." Elizabeth Andreevna ouviu a voz do czar, foi até a varanda e levou Sandra embora, pois o czar disse que Stasya Orlova-Denisova, a mãe dos gêmeos, estava morrendo e que o nascimento era muito difícil. Este menino, cujo nascimento Sandra soube pelo imperador, cresceria e se casaria com uma sobrinha do marido de Sandra, a Baronesa Olga Meyendorff . Foi morto a tiros em 1919 em Novocherkassk pelos bolcheviques, e dos seus três filhos, um morreu de tifo e o outro, depois de febre tifóide, por fraqueza, não pôde ir embora. Alexandra e o Imperador Alexandre II se encontraram várias vezes, caminhando ao longo do cais inglês, onde ficava a Mansão Vorontsov-Dashkov, em São Petersburgo. À sua frente corria uma setter irlandesa preta e amarelada. Certa vez quando Alexandre II passou em frente a mansão da família, Sandra e suas irmãs se inclinaram nas janelas e ele disse: "Olá, pequenas Vorontsovs". No ano de 1881, no inverno, Vanya e Sandra estavam em aula (Sandra estava estudando com seu irmão mais velho), e Andrei Yuzefovich, o oficial viajante deles, disse que um navio trouxe um convite para o Palácio de Inverno ao soberano, mas como a mãe das crianças não estava em casa, tiveram que esperar. As crianças então pediram a Yuzefovich que contasse quando sua mãe chegasse. Na próxima pausa entre as aulas, após o retorno de sua mãe, ela correu para descobrir em que dia o convite era e para quem era. A mãe de Sandra disse que ainda não sabia se íamos, que ela havia escrito para a Tsarevna e estava esperando por sua resposta. Logo, Sandra ficou sabendo que, como no Palácio de Inverno eles teriam que encontrar a família da Princesa Yurievskaya (esposa morganática do Imperador), os pais de Sandra não queriam deixar eles irem, e Elizabeth Andreevna escreveu para a Tsarevna Maria Feodorovna, pedindo que ela dissesse as crianças como se comportar. A Tsesarevna respondeu que seus filhos também foram chamados, que ela não poderia recusar por razões familiares e pediu para deixar seus filhos encontrarem seus amigos entre os convidados. Assim, Sandra e os irmãos foram para a visita, onde no grande salão do Palácio de Inverno, avistaram entre os convidados, o Tsarevich (mais tarde o Imperador Alexandre III) e seus três filhos mais velhos, os Grão-Duques Nicolau Alexandrovich (Nicolau II), Jorge Alexandrovich e a Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna. Havia também o Grão-Duque Miguel Nikolaevich, o governador do Cáucaso, com seus cinco filhos. Sandra subiu as escadas com uma perna e ouvi atrás dela seu pai dizer : "Sandra, dê licença", o que ela fez, pois o Grão Duque Miguel Nikolaevich iria passar com seus filhos. Ao passar o grão duque parou e perguntou: "Qual é o seu nome?" , Alexandra respondeu : "Sandra Vorontsova". Então ele mostrou um de seus filhos e disse: "E este é Sandro, se apresentem". Desde então, Sandra conheceu o Grão-Duque Alexandre Mikhailovich.

O Grande Salão do Palácio de Inverno, onde em 1881 Alexandra Illarionovna conheceu a família morganática do Imperador Alexandre II.

Quando todos os convidados se reuniram, a porta da sala ao lado se abriu, dois árabes, pararam na porta, e Alexandre II entrou, levando a dama pelo braço, seguido

Alexandre II, sua esposa morganática e 2 de seus filhos.

por duas meninas e um menino. Nesse momento houve uma distribuição de presentes que o próprio soberano distribuiu. Alexandra ganhou uma boneca que manteve até a revolução. No caminho de volta , Alexandra perguntou aos seus pais quem era a senhora que veio com o soberano, eles responderam que era sua esposa, Sandra indagou se era a nova imperatriz e eles disseram disseram que não e explicaram por quê. Além disso os pais de Alexandra, após um momento de silêncio, disseram que o imperador se casou com uma viúva e que crianças que estvam com eles eram frutos do primeiro casamento da viúva. Só depois ela descobriu que se tratavam dos filhos de Catarina Dolgorukov, Princesa Yurievskaya, com o Imperador Alexandre II. Entre os dias 24 e 27 de fevereiro de 1881, as crianças foram novamente ao Palácio de Inverno, para um Chá da tarde", e foi dito que Sua Majestade havia preparado trajes para todos. Para os convidados haviam duas salas de vestir, em uma se vestiu a Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna, Vera Naryshkina (Ccondessa Tatishcheva por casamento), Nelly Meshcherskaya ( Fedorova do primeiro casamento e Gernet após o segundo casamento ), Alexandra Illarionovna e suas irmãs, Sofia, Maria e Irina Illarionovna, enquanto na outra sala de vestir, vestiram-se os Grão-Duques Nicolau Alexandrovich, Jorge Alexandrovich, Alexandre e Sergei Mikhailovich, Kira Naryshkin, e os irmãos de Sandra, Ivan e Roman Illarionovich e todos foram convidados a usar roupas de teatro. O terno destinado a Irina Illarionovna, estava tão sujo que ela se recusou a usá-lo, e se vestiu como um menino.


Quando os convidados estavam prontos, foram chamados até a princesa Yuryevskaya, e a encontramos em uma sala onde havia no chão uma grande cesta com máscaras. As crianças riram e cada um pegou uma máscara. Um tempo depois a porta se abriu e Tsarevich Alexandre Alexandrovich apareceu na porta chamando sua filha, depois de um tempo, na mesma porta, apareceu Elizabeth Andreevna que chamou Sandra e suas irmãs. Quando saíram para o corredor, Elizabeth começou a repreender suas filhas, mas a Tsarevich apareceu e disse que elas não tinham culpa.

Em 1881 Alexandra estava em casa com Nelly Meshcherskaya quando se assustaram com um barulho estrondoso, pedindo para a governanta descobrir que explosão tinha sido aquela. A mãe de Alexandra entrou no quarto e a princípio disse que se tratava de um problema no portão de trás da mansão, que dava para a rua Galernaya , mas depois descobriu-se que se tratava do assassinato do Imperador Alexandre II. A família passou o inverno de 1881 e 1882 no Palácio de Gatchina, pois Illarion Ivanovich Vorontsov-Dashkov acreditava que ele precisava estar perto do soberano

Juventude[editar | editar código-fonte]

Alexandra Illarionvona em trajes da corte imperial.

Devido a proximidade dos pais de Alexandra com o Imperador Alexandre III e a Imperatriz Maria Feodorovna, Alexandra e seus irmãos estavam no circulo íntimo de amigos das crianças imperiais[1]. Alexandra junto com suas 3 irmãs e 2 de seus irmãos integravam um grupo de amigos do tsarevich Nicolau Alexandrovich denominado "Os batatas" devido a um acontecimento engraçado em Novotomnikovo envolvendo uma plantação de batatas e todos os amigos tinham um colar com um pingente de batata. Outros membros dos batatas eram os Grão Duques Jorge Alexandrovich ,Alexandre Mikhailovich e Sergei Mikhailovich , a Grã Duquesa Xenia Alexandrovna, os filhos do Conde Sergei Dmitrievich Sheremetev, Dmitri Sergeievich e Paulo Sergeievich e a Princesa Sofia Alexandrovna Dolgorukaya.

Alexandra, suas irmãs Sofia e Maria, e suas primas Varvara Davidovna Orlova e Sofia Alexandrovna Dolgorukova.

Em 1881, 1882, 1883 e 1884 no verão, a família inteira viveu em Peterhof, e em 1885 somente Alexandra, seu irmão Ivan e seu pais continuaram. Desde o primeiro verão em Peterhof, Alexandra começou a viajar para Alexandria com a Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna. Ivan ficou para trás por causa de sua saúde e por não ir bem nos estudos. Alexandra e Ivan sempre estudaram juntos com exceção das ciências militares. Mais perto dos exames, Alexandra foi liberada das aulas e passou todos os dias em Alexandria. No exame de matemática, Ivan não se saiu bem e o professor Lyalin se recusou a dar seu consentimento para o reexame. Lyalin estava em boas relações com a família Shuvalov, e havia sido professor do Conde Paulo Pavlovich Shuvalov. Os pais de Alexandra decidiram voltar-se para ele e para seu pai, o Conde Paulo Andreyevich Shuvalov para pedir-lhes que organizassem uma reavaliação para Ivan. Durante os exames de Ivan a família telefonou para Paulo Andreyevich Shuvalov mas este estava indo para apropriedade da família Vartemagi, e seu filho, Paulo Pavlovich concordou em conversar com o general Lyalin para providenciar um reexame, e pela primeira vez, Alexandra conheceu aquele com quem se casaria 5 anos mais tarde.

O ano de 1888 foi o ano do debut de Alexandra na sociedade, mas ela não pode ir a nenhum baile antes do baile da corte. Alexandra foi apresentada a Imperatriz entre os outros estreantes, embora na véspera ela tenha patinado no Palácio Anitchkov e visto Sua Majestade. A apresentação ocorreu em Anitchkov e devido a posição de seu pai, Alexandra foi uma das primeiras. Alexandra usava um vestido branco com uma rosa no cabelo. Depois da apresentação, Sandra foi com a Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna beber chá, onde todos os dias os "Batatas" se reuniam. Em 2 de Janeiro de 1888 Alexandra Illarionovna se tornou oficialmente uma das damas de companhia da Imperatriz, por convite de Maria Feodorovna, e entrou na recepção junto das demais damas de companhia e não como debutante, com sua mãe.

Alexandra em 1888.
O Minueto e gavota de 1888, Alexandra é a segunda dama sentada da esquerda para direita.

Depois do Ano Novo, o irmão mais velho de Alexandra adoeceu com tifo leve. Como todos os pacientes com febre tifóide, ele era caprichoso, e só escutava Alexandra, então ela só foi ao primeiro baile apenas no final de janeiro onde dançou a mazurca e jantou com o Tsarevich Nicolau. Todo o inverno de 1888 foi glorioso, houve muitos bailes e Sandra se divertiu muito. Nesse ano Alexandra participou do famoso minueto a fantasia com gavota no Palácio do Grão-Duque Vladimir Alexandrovich. No minueto os homens estavam vestidos com trajes de mosqueteiros do século XVII e as mulheres estavam vestidas com trajes da década de 1770 do século XVIII e também participaram do minueto, o Tsarevich Nicolau Alexandrovich, o Grão Duque Paulo Alexandrovich e seu irmão, o Grão Duque Sergei Alexandrovich, a esposa de Sergei, Grã Duquesa Elizabeth Feodorovna, a Princesa Helena Georgievna de Mecklenburg-Strelitz (filha da Grã Duquesa Catarina Mikhailovna), o casal Yussupov, Príncipe Félix Felixovovich, Conde Sumarokov-Elston e a Princesa Zinaida Nikolaevna (pais do Príncipe Félix Felixovovich Yussupov), o Grão Duque Pedro Nikolaevich e o Príncipe Dmitri Ivanovich Tolstói. O minueto foi feito em honra ao aniversário de 20 anos do Tsarevich Nicolau Alexandrovich, e todos os ensaios foram organizados pela Grã-Duquesa Elizabeth Feodorovna e realizados no seu Palácio Beloselsky-Belozersky. 12 pares dançaram no minueto, com o Tsarevich Nicolau Alexandrovich e a Grã Duquesa Elizabeth Feodorovna sendo os primeiros a dançar, e logo após eles foi a vez do segundo par, que era a Princesa Helena Georgievna de Mecklenburg-Strelitz com V.S. Gadon e o terceiro par, que era a Condessa Alexandra Illarionovna com o Grão Duque Pedro Nikolaevich, mas a Imperatriz Augusta morreu e todos os bailes da corte foram cancelados, e o minueto foi adiado para a primavera, ocorrendo em 6 de maio de 1888. Durante este tempo, o Grão-Duque Pedro Nikolaevich ficou doente e incapacitado, e morreu um parente de Sumarokov-Elston, de modo que o casal Yussupov teve que ficar de fora do minueto, então Alexandra acabou por dançar com o Conde Dmitri Ivanovich Tolstói (o pai do seu futuro genro Tolstói, marido de sua filha Maria ). O minueto foi um sucesso e eles repetiram no final do baile, pois o imperador chegou atrasado. Durante a mazurca, Alexandra conversou com o tsarevich, com quem falou sobre seu futuro e o dele. Alexandra disse a ele aqui que se casaria com o conde Paulo Pavlovich Shuvalov. O tsarevich perguntou a Alexandra se ele queria se casar com ela ao que ela respondeu que tudo dependia agora apenas dela. O tsarevich então disse que ele também se casaria, e Sandra seria amiga de sua esposa, e seu marido estaria com Nicolau.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Alexandra Illarionovna com seu noivo, Conde Paulo Pavlovich Shuvalov em 1890.
Alexandra Illarionovna com seu noivo, Conde Paulo Pavlovich Shuvalov e suas irmãs em 1890.

Em 6 de fevereiro de 1890  o Conde Paulo Pavlovich Shuvalov, que era da mesma família de sua mãe e filho de um dos nobres mais proeminentes da corte, Conde Paulo Andreyevich Shuvalov , propôs Alexandra em casamento e esta por sua vez aceitou prontamente. Quando Paulo propôs Alexandra em casamento, seus pais

Alexandra (2° sentada da esquerda pra direita) com Paulo(em pé atrás de Alexandra), com seus pais, irmãos e amigos, em Novotomnikovo na década de 1890.

depois do café da manhã foram ao Palácio Anitchkov para anunciar seu noivado. A Imperatriz os parabenizou e disse para me parabenizar, e o Imperador disse que antes de parabenizá-los, queria conversar com Alexandra. As irmãs de Alexandra foram patinar em Anitchkov e Sandra foi apenas para o chá com a Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna. Assim que chegou, a Grã-Duquesa enviou uma mensagem a Suas Majestades sobre sua chegada, e ela foi convocada para a sala de visitas da Imperatriz. Ela estava sozinha, a parabenizou e acariciou e disse : "O imperador quer falar com você", e depois de um tempo o imperador abriu a porta do quarto ao lado e a chamou. Ele vestia uma jaqueta azul-acinzentada austríaca (mais tarde soube que todos os anos a Rainha da Dinamarca lhe enviava duas dessas jaquetas no Natal) e lhe perguntou: "Você não esqueceu nada?" Ela respondeu negativamente e perguntou a ele a quem ele se referia e listou aqueles que havia recusado. Mas ele não estava satisfeito com isso, então eu ela perguntou se ele achava que ela aceitou a proposta de Shuvalov só porque sabia como seu pai sempre quis que ela se casasse com ele, ela também disse que embora soubesse há muito tempo o desejo do pai, ela havia se apaixonado por Shuvalov e casaria com ele por vontade própria.

O casal se conhecia desde a infância, Paulo ( apelidado de Palchik) já havia visitado a mansão dos pais de Alexandra em São Petersburgo e a família Shuvalov tinha uma propriedade perto da propriedade dos pais de Alexandra de Novotomnikovo. Além de tudo, as famílais Vorontsov-Dashkov e Shuvalov eram favoráveis ao casamento. A cerimônia de casamento, no qual toda a sociedade estava presente, ocorreu em 8 de abril do mesmo ano na capela da Mansão Vorontsov Dashkov no cais inglês em São Petersburgo com a presença ilustre da família imperial e o Imperador Alexandre III, que respeitava muito Alexandra e a julgava um modelo de educação, a acompanhou até o altar através do hall da capela, que era inspirado nos halls do Palácio de Versalhes[2]. Alexandre Alexandrovich Polovtsov escreveu sobre Alexandra:"Ela não é bonita, mas é doce em todos os aspectos''. As madrinhas de casamento de Alexandra foram suas 3 irmãs, Sofia, Maria e Irina, sua prima Alexandra Nikolaevna Balasheva(que faleceu aos 18 anos em 1896), suas primas de 2° grau, Sofia Alexandrovna Dolgorukova (Fersen por casamento) e Olga Alexandrovna Dolgorukova (Von Dietrichstein por casamento), e sua prima de 2° grau, Varvara Davidovna Orlova (que se casaria com seu irmão Ivan). Depois do casamento, o casal foi a cavalo para Vartemiagi, onde seus pais também foram a cavalo. Lá os camponeses e o pai de Paulo Pavlovich os receberam com pão e sal. Em maio o casal foi para a Mansão Shuvalov em Ryazan e no outono eles foram para a propriedade dos Shuvalov de Vartemiagi em São Peterburgo. No dia de Natal de 1890, o casal se mudou para São Petersburgo para a mansão no número 28 do Cais Francês (atual Cais de Kutuzov), onde em 4 de fevereiro de 1891 nasceu o primeiro filho do casal, Paulo Pavlovich (Pavlik).

O casamento de Alexandra e paulo foi feliz desde o início e o casal teve mais 7 filhos depois de Pavlik,: Elizabeth Pavlovna (11 de março de 1892 na Casa dos Leões em Moscou), Alexandra Pavlovna (8 de outubro de 1893 em Vartemagi), Maria Pavlovna (10 de setembro de 1894 em Berlim, na embaixada russa), Nicolau Pavlovich (18 de maio de 1896, em Moscou, na rua Levshinsky Lane), Olga Pavlovna (25 de abril de 1902 em Odessa, no Palácio Vorontsov), Ivan Pavlovich (15 de setembro de 1903 na cidade de Vartemiagi) e Pedro Pavlovich (28 de agosto de 1905 em Vartemagi) que nasceu dois meses após a morte do marido de Sandra. Alexandra e Paulo criaram seus filhos com uma educação rigorosa , as crianças acordavam as 7:30 da manhã independente de que horas tinham ido dormir na noite anterior, passavam as manhãs nos estudos , ao longo do dia tinham aulas de equitação e falavam além de russo, alemão, inglês e francês.

Condessa Shuvalova[editar | editar código-fonte]

A residência do pai de Paulo em Moscou, onde a família morou por um tempo.

Em 1891 a família foi morar em Moscou devido a nomeação de Paulo para ajudante de campo do Grão Duque Sergei Alexandrovich, A.A. Polovtsov associou isso com o desejo do casal recém casado de "ficar longe da mãe de Alexandra" , que era muito rígida e controladora. Na cidade, a residência da família ficava na rua Bolshaya Levshinsky Lane. Na cidade, a residência da família ficava na rua Bolshaya Levshinsky Lane. Em 1894 Paulo foi nomeado chefe da corte do grão Duque Sergei Alexandrovich e de sua esposa, a Grã Duquesa Elizabeth Feodorovna, o que fez com que a relação dos casais se estreitasse ainda mais. Infelizmente a amizade do casal Shuvalov com o casal Grão-Ducal iria sofrer um forte abalo devido a Tragédia de Khodynka.

Desastre de Khodynka[editar | editar código-fonte]

Em 18 de maio de 1896, 4 dias após a coroação do Czar NIcolau II, o campo de Khodynka, em Moscou, onde se realizariam festividades para a população, tornou-se o local de um massacre que resultou na morte de mais de mil pessoas e deixou de 9000 a 20 000 pessoas feridas. Nesse mesmo dia, às 5 horas e 25 minutos da manhã, Alexandra deu a luz a seu 5° filho, Nicolau Pavlovich e seu esposo foi avisar ao seu sogro Vorontsov-Dashkov do nascimento de seu neto. Nessa época o pai de Alexandra era chefe do Ministério da Corte Imperial e disse a Paulo o que aconteceu no campo de Khodynka. Imediatamente, o marido de Alexandra preparou uma troika , confiante de que o governador-geral, o Grão-Duque Sergei Alexandrovich, iria imediatamente para o local da catástrofe e ele próprio foi à casa do governador-geral. Quando Paulo chegou, o Grão Duque estava recebendo o ministro da Justiça Nicolau Valerianovich Muravyov. Assim que o ministro deixou o grão-duque,Paulo Pavlovich (que era o chefe da corte do grão duque) entrou e o informou sobre a troika, e expressou a opinião de que o grão-duque deveria ir para o campo de Khodynka, mas o grão-duque respondeu que ele iria primeiro para a transfiguração, e então ele iria para o Kremlin até o soberano, e que Paulo iria com ele.Na carruagem, começaram a falar sobre o que havia acontecido, e o grão-duque, baseado no relatório do oficial-chefe militar A.A Vlasovsky , disse que nada de grave havia acontecido e Paulo, conhecendo os detalhes através de seu sogro, disse que a catástrofe era muito séria, e contou como, na véspera o chefe do Ministério da Corte Imperial, Vorontsov-Dashkov, implorou a Vlasovsky que enviasse forças policiais para a noite, já que o povo estava chegando aos milhares, e uma vez que Nicolau Nikolaevich Ber, que chefiava a comissão de construção de cabines de entretenimento no campo de Khodynka, não conseguiu se encontrar com Vlasovsky, pediram ajuda a Paulo

O casal Shuvalov em Vartemiagi, com 2 de seus filho, os Grãos Duques Miguel Nikolaevich e Pedro Nikolaevich e um amigo, na década de 1890.

Shuvalov, pois Paulo já tinha conseguido falar ao telefone com Vlasovsky. Mais tarde ficaram sabendo que Vlasovsky estava em uma roda cigana, e que não queria ser incomodado. No Kremlin, Paulo estava esperando o grão-duque na sala de espera, quando, depois de muito tempo conversando com o czar, o Grão-Duque Sergei o chamou para ir para casa, nesse momento Paulo viu os grão-duques, os irmãos do Imperador Alexandre III e, consequentemente, os tios do czar reinante, e todos eles estavam ao mesmo tempo com o soberano. Na carruagem, o Grão-Duque Sergei Alexandrovich disse a Paulo: "Nós ganhamos", e na conversa foi revelado que seu sogro, o Ministro da Corte Vorontsov-Dashkov, tinha avisado ao imperador e a imperatriz que não precisavam ir ao baile para o embaixador francês e que eles deveriam ordenar um serviço memorial na Catedral de Cristo Salvador e passar em todos os hospitais. Apenas a última sugestão foi cumprida. Os grão-duques se opuseram às duas primeiras propostas de seu sogro, acreditando que não era necessário exagerar o que havia acontecido, que sempre poderia haver acidentes na multidão, e disseram ao czar que, se seguissem o conselho do ministro da corte, todos eles renunciariam. Paulo Pavlovich defendeu a opinião de seu sogro, e o grão-duque Sergei Alexandrovich acreditou no relatório de Vlasovsky. que não há necessidade de exagerar o que aconteceu, que sempre pode haver acidentes na multidão, e disse ao czar que, se agissem sob o conselho do ministro da Corte, todos eles renunciariam. Meu marido defendeu a opinião de meu pai, e o grão-duque Sergei Alexandrovich acreditou no relatório de Vlasovsky.

Como ministro da Corte, o Conde Illarion Ivanovich Vorontsov-Dashkov estabeleceu durante a coroação um escritório para correspondentes de todos os países do mundo que vieram ao festival e receberam informações para seus jornais. O Grão Duque Sergei Alexandrovich em poucos dias pediu ao marido de Sandra que fosse ao seu pai para o acusar de ter propagado informações contra ele, o governador-geral. Paulo recusou-se a ir, dizendo que compartilhava plenamente da opinião de seu sogro e que, conhecendo seu sogro, ele tinha certeza de que o escritório em questão não fez propaganda falsa, mas apenas dos fatos reais, já que seu sogro nunca conduziu intrigas, e por fim disse que permaneceria como chefe da corte do Grão-Duque até o final da coroação, e depois pediria demissão, pois seus pontos de vista eram completamente diferentes. Após a coroação, o Imperador e a jovem Imperatriz foram à propriedade do Grão-Duque Sergei Alexandrovich de Ilinskoye e, somente quando voltaram para sua casa em Peterhof, o marido de Alexandra pôde ir a Vartemiagi, onde ela já estava com seus filhos. Com toda a situação, Alexandra Illarionovna reagiu com indignação à injustiça cometida em relação ao pai e por algum tempo, seu relacionamento com o casal Grão-Ducal, foi tenso. A situação do casal Shuvalov com o casal Grão-Ducal melhoraria mais tarde depois que incidente se dissipou, e todos se reconciliaram pouco antes do assassinato do Grão Duque. Em São Petersburgo, Alexandra foi chamada pela Grã-Duquesa Alexandra Iosifovna (esposa do Grão-Duque Konstantino Nikolaevich). Quando foi até ela no Palácio de Mármore, ela foi ao seu encontro com as palavras: " Espero que você esteja orgulhosa de seu marido, meu sogro, o Imperador Nicolau I teria aprovado seu comportamento e teria enviado Sergei para a Sibéria ".

Grão Duque Sergei e Grã Duquesa Ella[editar | editar código-fonte]

Em 1885, pela primeira vez, Alexandra conheceu a Grã-Duquesa Elizabeth Feodorovna, que um ano antes se casara com o Grão-Duque Sergei Alexandrovich. Alexandra escreveu que a grã duquesa era incrivelmente linda, se vestia de maneira muito simples, quase sempre usando um vestido branco de cambraia com firmware e uma faixa colorida. Quando Sandra caminhava sozinha com a Grã Duquesa Xenia Alexandrovna, muitas vezes elas iam à propriedade onde grã-duquesa vivia e ela as acompanhava. no passeio. Durante os anos que o casal Shuvalov passou em Moscou, de 1891 a 1896, eles desenvolveram uma estreita relação com o Grão-Duque Sergei e a Grã-Duquesa Ella. Alexandra recebeu uma ordem para ligar para a Grã-Duquesa e perguntar se poderia tomar o café da manhã em qualquer dia. O casal grão ducal visitavam os Shuvalov facilmente, mas quando o marido de Alexandra foi ao Grão-Duque para dizer adeus e pediu para ser recebido pela Grã-

Alexandra com seu pai, final da década de 1890.

Duquesa, ela não o recebeu. Desde então Alexandra não procurou mais a Grã-Duquesa a partir deste dia, pois além disso, em uma grande recepção no Palácio de Inverno, a Grã-Duquesa fingiu não notar sua mãe, a Condessa Vorotnsova-Dashkova e não a cumprimentou. Um dia Sandra foi visitada por Catherine Nikolaevna Kozlyaninova ( Kitty ), que era dama de honra da Grã-Duquesa Elizabeth Feodorovna, e ela disse que veio com as instruções da grã-duquesa para dizer que a amava da mesma forma antiga, ela não mudou seu pensamento sobre Sandra de forma alguma, e que ela podia pelo antigo telefone perguntar à Grã-Duquesa se eu podia ir vê-la. Alexandra ficou indignado com esta comissão, mas não se deixou levar, disse que pensaria sobre isso e pediu a Catherine Nikolaevna que pedisse Vladimir Serg. Gadon e Vladimir F. Dzhunkovsky, ajudantes do grão-duque Sergei Alexandrovich para visitá-la. Quando eles chegaram no dia seguinte, Alexandra contou o que tinha acontecido e pedi-lhes que perguntassem à Grã-Duquesa: "Qual é a diferença entre a esposa do Grão-Duque e a esposa de um homem privado? Ela iria a uma casa onde a senhora não aceitou receber o marido e cumprimentar sua mãe? "Ambos ficaram indignados e disseram:" Isso não pode ser. É um engano de Kitty Kozlyaninova. "Alexandra disse que ficaria feliz se isso acabasse por ser um mal-entendido, mas se essa mensagem foi transmitida corretamente, ela pediu para dizerem à Grã-Duquesa que, no dia em que ela aceitar meu marido, ela pediria a ela que aceitá-la. Um dia depois os dois estavam com Alexandra e confessaram que a grã-duquesa havia dado a instrução que Kitty Kozlyaninova havia dito, mas que ela negou ter deliberadamente ignorado a mãe de Sandra, e que na verdade ela não teria reconhecido ela.

Alexandra com os irmãos e a mãe, recebendo os grão duques Sergei Alexandrovich e Paulo Alexandrovich, e a Grã Duquesa Elizabeth Feodorovna no Palácio Vorontsov em Alupka, década de 1880.

Tudo continuou assim até 1903. O Grão-Duque Sergei Alexandrovich viu o marido de Sandra, e a a Grã-Duquesa não o aceitou, e logo, Sandra também não pediu para ser recebida pela grã-duquesa. Em 25 de janeiro de 1903 gouve o casamento do um meio-irmão de Paulo Shuvalov, Alexandre Pavlovich com Elena Pavlova Demidova e Paulo e Sandra chegaram com antecedência, lá eles ficaram com o pai de Paulo. Um dia, quando Alexandra volteu para casa, a madrasta do seu marido disse-lhe que colocou o nome de Alexandra na lista de senhoras para serem recebidas pela Grã Duquesa Elizabeth. Imediatamente Sandra telefonou para a Condessa Alexandra Andreevna Olsufieva, pedindo-lhe para apagar o seu nome da lista daqueles que pretendem apresentar-se à Grã-Duquesa. Ela começou a convencê-la a não fazer isso dizendo que era hora de acabar com isso, ao que Sandra disse que não era para ela dar o primeiro passo, mas para a grã-duquesa, porque ela era a responsável. Após a recepção do casamento a Grã-Duquesa cumprimentou Alexandra e seu marido, mas Alexandra ficou longe dela e não houve reconciliação ainda. Logo após o casamento Alexandra soube que a grã-duquesa queria vê-la e perguntou se ela viria. Alexandra então respondeu que seus pais a criaram bem e que ela iria ao chamado da Grã-Duquesa, mas com a condição de falar sobre o mal-entendido que surgiu entre elas, e não sobre seus filhos e o clima. Dois dias depois, Alexandra Illarionovna foi convidada para visitar o Palácio Alexandrinsky, propriedade do grão-duque e da grã-duquesa. Ao entrar no palácio, no topo da escadaria Sandra era esperada por V.S Gadon e V.l. F. Dzhunkovsky, que disseam que o Grão-Duque Sergei Alexandrovich queria vê-la depois da sua conversa com a Grã-Duquesa, e que eles estariamesperando para avisar ao grão duque quando ela estivesse indo embora. A conversa com a grã duquesa durou uma hora e Alexandra disse a ela que sempre a estimou muito.A grã duquesa disse: "Sandra, agora tudo é esquecido e perdoado", ao que ela respondeu: "Não, madame, nada é esquecido e perdoado, até o dia em que você receberá meu marido. "Ela sorriu e disse:" Diga a ele para vir amanhã de manhã. "" Diga a ele para vir amanhã de manhã ". Então nós conversamos sobre as crianças e nos separamos. Ao descer a escadaria, o Grão Duque Sergei foi avisado sobre Sandra e foi ao seu encontro. Alexandra disse a ele que seu marido seria recebido pela grã-duquesa amanhã , e os dois se abraçaram.

Palácio Alexandrinsky, propriedade do Grão Duque Serge e da Grã Duquesa Ella.

Sandra e Paulo e Paulo ficaram junto do pai dele por um tempo, em sua mansão. Seus amigos de sua vida anterior em Moscou, deram festas e eles não foram convidados, exceto por D.F Trepov , que pessoalmente os convidou. Alexandra lhe falou sobre as suas relações com o Grão-Duque e a Grã-Duquesa, e ele respondeu que sabia sobre elas e que isso não lhe dizia respeito. Seu baile coincidiu com o dia em que Paulo Shuvalov foi visitar a grã-duquesa, ninguém em Moscou sabia do que havia acontecido. Alexandra escreveu que foi engraçado ver como os velhos amigos se afastavam deles. Ela dançou a mazurca com Gadon e Djunkovsky e sentaram na primeira fila. Assim que as flores começaram a ser distribuídas, o grão-duque trouxe o primeiro buquê para Sandra e Paulo Shuvalov levou o primeiro buquê para a grã-duquesa. Trepov, que a seguia, aproximou-se e perguntou: "Quando ocorreu a reconciliação?" E ela respondeu: "Esta manhã". Quando o Grão-Duque Sergei Alexandrovich foi morto, Sandra e seu marido foram a Moscou e estiveram em todas as cerimônias, e quando Paulo Shuvalov foi assassinado, a grã-duquesa veio de Ilinskoye e passou todos os dias com Sandra (exceto 29 de junho, pois precisou passar este dia "com as crianças" - a grã-duquesa Maria Pavlovna e o Grão-Duque Dmitri Pavlovich, como este é o dia do aniversário de seu pai), e ela acompanhou Sandra no dia de sua partida para Vartemiagi com o corpo do meu marido.

Odessa[editar | editar código-fonte]

Colunata em frente ao Palácio Vorontsov em Odessa.

No início de 1898, o marido de Alexandra foi nomeado governador em exercício de Odessa. E em março a família se mudou para lá, a princípio sem os filhos, e moraram em um hotel. Em Odessa tinha o Palácio Vorontsov , construído pelo bisavô de Sandra (pelo lado da mãe), o mais brilhante Príncipe Miguel Semenovich Vorontsov, e que na época pertencia ao irmão da minha mãe, que com o legado do avô, herdou o título de o mais brilhante príncipe Vorontsov e foi chamado '' o mais brilhante príncipe Vorontsov, o conde Shuvalov''. A conselho de sua mãe, Alexandra pediu ao tio que lhes cedesse o palácio, ele não concordou de início, mas desde de que faria grandes reparos, e eles fariam o resto. O palácio tinha sido desabitado há muito tempo, os quadros apodreceram, o suprimento de água estava corrompido, etc. Tendo acertado tudo, quando a reforma terminou e a mobília foi arrumada, Sandra foi buscar as crianças em Vartemiagi e os levou para Odessa. O palácio fica em um penhasco acima do porto com uma vista maravilhosa do mar e um pequeno jardim que costumava descer ao mar, mas parte dele foi alienada para o porto. Nos jardim, mendigos estavam constantemente dormindo, e a polícia os dispersou, e um posto de vigilância permanente foi estabelecido. Alexandra pediu ao chefe de polícia, com o consentimento do seu marido, que tirasse o posto de vigilância, pois confiava nos mendigos e, alguns dias depois, recebeu uma carta de agradecimento dos deles pelo correio, na qual eles a agradeceram e deram uma palavra honesta de laços que ela não perderia nada, que poderia deixar tudo no jardim e nos terraços que ela queria, e não fechar as portas da casa para a noite, pois anda iria desaparecer. E durante os cinco anos que viveram em Odessa, nada, nunca foi perdido, não houve tentativas de entrar na casa, embora não houvesse proteção, e quando deixaram Odessa, recebemos em uma pasta simples um endereço de agradecimento dos mendigos por uma atitude amável em relação a eles e uma expressão de tristeza pela sua partida. Para o endereço foram anexadas folhas, cobertas com numerosas assinaturas.

São Petersburgo[editar | editar código-fonte]

Edifício onde Alexandra e sua família moravam e São Petersburgo, no Cais de Kutuzov.

Em 1903 a família foi morar em São Petersburgo devido a um novo cargo de Paulo Pavlovich e no mesmo ano, Sandra, seu marido e seus filhos passaram 2 meses de férias no exterior. Enquanto estavam em São Petersburgo, Alexandra e sua família passavam o inverno na cidade, onde viviam na mansão no número 28 do Cais Francês (atual Cais de Kutuzov), e no verão a família ia para a propriedade da família de Vartemiagi situado nas margens do Rio Okhta, 20 km ao norte de São Petersburgo.

Alexandra e Paulo criaram seus filhos com uma educação rigorosa , as crianças acordavam as 7:30 da manhã independente de que goras tinham ido dormir na noite anterior, passavam as manhãs nos estudos ,ao longo do dia tinham aulas de equitação e falavam além de russo, alemão, inglês e francês.

Viuvez[editar | editar código-fonte]

Alexandra no famoso baile imperial de 1903
Alexandra Illarionovna no último grande baile imperial da Rússia, em 1903
Alexandra e paulo com seus filhos em Vartemiagi, em 1904.

Em 1905 quando Alexandra estava grávida de 7 meses o Grão-Duque Sergei Alexandrovich foi assassinado em Moscou no dia 4 de fevereiro, em seu lugar foi nomeado Alexandre Alexandrovich Kozlov, e quando o czar convocou-o e disse-lhe de seu desejo de nomeá-lo, Kozlov disse que ele iria apenas se o marido de Alexandra concordasse em ir também. Paulo Shuvalov disse que em tal momento não se pode recusar, mas que ele pediu para nomeá-lo como prefeito, e não o chefe policial de Moscou. Alexandra foi contra, implorou ao seu marido que recusasse, o pressentimento de algo terrível estava a atormentando, mas seu marido respondeu a todos os seus pedidos que, em um momento tão conturbado, você não tem o direito de recusar, em março, juntos, sem filhos, o casal foi para Moscou. A casa do chefe policial na Tverskoy Boulevard, onde deveriam morar, foi completamente reformada. Logo Alexandra retornou para Vartemiagi e começou a pensar onde ela poderia se ajeitar com as crianças antes de terminar a reforma. Ela decidiu falar com o Príncipe Nicolau Dmitrievich Obolensky , pedindo-me que a ajudasse a encontrar um refúgio e, de acordo com seu relatório, o soberano lhe deu o andar inferior do Palácio Petrovsky. Então ela transferi as crianças para Moscou - A.A Kozlov a encontrou na estação, dizendo que seu marido estava muito ocupado, e mais tarde ela soube que seu marido recebeu cartas ameaçadoras, a última disse que ele seria morto junto com seus filhos, e o governador-geral persuadiu-o a não contar para Alexandra. Todos os dias Sandra ia tomar café da manhã com seu marido, às vezes com um dos filhos, e ele muitas vezes vinha ao Palácio Petrovsky à noite ou à tarde. Em 28 de junho, como sempre, Alexandra tomou café da manhã com seu marido na Tverskoy Boulevard e ficou com ele depois do café da manhã. A Princesa Vera Vladimirovna Orbelyani nascida Condessa Kleinmichel foi visitar Alexandra e Paulo Pavlovich disse que ele iria jantar com ela, mas que ele iria mais cedo. Sandra se ofereceu para esperar por ele, mas ele disse: "Vá com a princesa, eu irei em breve", e ela estava de saída quando o oficial de atribuições especiais de Paulo, Nicolau Nikolaevich Schneider lhe disse : "tudo está pronto", e marido de Alexandra foi receber os visitantes. Posteriormente, soube-se que o assassino do marido de Alexandra havia fugido pouco antes da prisão e que "tudo está pronto" significava que ele não estava entre os peticionários. No entanto, o ele estava, mas havia raspado a barba e Schneider, que tinha sua fotografia, não o reconheceu.

No Palácio Petrovsky, Alexandra e a Princesa Orbelyani não tiveram tempo de tomar o chá servido antes de A.A Kozlov

O Palácio Petrovsky em Moscou.

entrar na sala e dizer que seu marido tinha sido ferido. Alexandra foi colocar seu chapéu e ele disse a sua convidada que Paulo foi morto. Alexandra andou com esperança e com o pensamento de que nem tudo havia acabado, que seu marido podia ser curado, ela perguntou a Kozlov sobre a ferida, e mesmo quando ela entrou na casa e viu seu marido deitado no sofá no corredor, ela não acreditou que ele tinha sido morto. Alexandra recebeu uma cadeira e sentou-me.

Funeral do marido de Alexandra em 1905.

Nas cabeças de seu manobrista estava Nikita Belov, perguntei-lhe: sem uma memória se meu marido ou dormindo, e quando ele me disse que ele tinha morrido, levantei-me, fui para Kozlov e disse que Belov disse que meu marido não estava "vivo", e isso era verdade? Tendo recebido uma resposta afirmativa, entendi meu pesar. Alexandra mandou chamar os cinco filhos mais velhos, mas disse para não lhes dizer que o pai deles havia morrido, mas estava apenas ferido. Quando eles chegaram, Alexandra foi ao encontro deles e, em silêncio, tentando não chorar, contou a verdade. Muito em breve, a grã-duquesa Elizabeth Feodorovna veio de Ilinskoye e, em seguida, sua cunhada condessa Olsufyeva, de Ershov, e seu genro, o conde A.P Shuvalov. No dia seguinte vieram suas irmãs Maria Musina-Pushkina e Irina Illarionovna Sheremetev , sua tia Elena Shuvalova, sua cunhada Meyendorff, sua cunhada ,Condessa Varvara Davydovna Vorontsova-Dashkova e Irina Vasilievna Vorontsov, seus dois irmãos, seu genro, o conde Sheremetev, que junto com ela e os cinco anciãos em 30 de junho, saíram com sua cunhada de São Petersburgo, junto com o caixão do seu marido para Vartemiagi. Lá encontraram o sogro de Alexandra, Conde Paulo Andreyevich Shuvalov, com sua esposa, Maria Alexandrovna, que havia saído no dia anterior, seu genro Shuvalov e sua cunhada Olsufyeva com o marido.

Alexandra, já viúva, com seu irmão Alexandre Illarionovich, no início do séc.XX.

A morte trágica de seu marido foi o golpe muito duro para Alexandra Illarionovna, que ficou viúva aos 35 anos, grávida e com 7 filhos para criar. De Moscou, Alexandra escreveu para seu pai, que estava em Tbilisi naquela época: "Não há ninguém com quem minha vida fosse clara e brilhante. Você dirá que ele é invisível para mim e ora por mim e pelas crianças, eu não só sei disso, mas eu sinto constantemente isso. Mas depois de tudo, querido, amado, nunca o verei nesta vida ... " .

Cerca de um ano depois da morte de seu marido, Alexandra recebeu de Genebra uma carta do Comitê Executivo Revolucionário, que afirmava que embora seu marido tivesse visões e princípios políticos completamente diferentes, eles acreditavam que seu assassinato foi um erro político, já que ele era um homem decente, honesto e gentil.

Em 1906, por insistência dos médicos Alexandra Illarionovna foi para um resort de férias na França, e após o tratamento a família foi para a Itália. Após o seu regresso à Rússia, ela morou em São Petersburgo, primeiro com seus pais, na Mansão Vorontsov Dashkov no cais inglês, a partir de 1910 ela morou em um apartamento do edifício n º 6 na rua Kirochnaya, e mais tarde morou no n º 10 na rua Bolshaya Morskaya. Gradualmente Alexandra conseguiu lidar com a dor. Em 1908, após a morte de seu sogro, Paulo Andreyevich Shuvalov, ela se tornou dona de Vartemiagi e cuidou da propriedade, da igreja local e da escola. Seus filhos mais velhos começaram a se estabelecer na vida: depois de se formar no Corpo de Pagens, Paulo Pavlovich estudou na universidade e trabalhou como assistente do líder do distrito de São Petersburgo; Nicolau Pavlovich entrou no Imperial Tsarskoye Selo Alexander Lyceum; Elizabeth Pavlovna e

Edifício onde Alexandra e sua família foram morar em 1910, rua Kirochnaya em São Petersburgo.

Alexandra Pavlovna se tornaram damas de companhia da Imperatriz Alexandra Feodorovna, respectivamente em 1910 e 1912. Seus filhos mais novos continuaram sua educação em casa e se preparavam para entrar no ginásio. Às vezes as crianças foram levadas para Tsarskoye Selo para que pudessem brincar com outras crianças. No início da década de 1910, Alexandra Illarionovna retornou à sociedade , aceitou convites, foi a apresentações e eventos de todos os tipos. Como antes, lia muito, estudava história, seguia eventos políticos e sociais. Além disso, Alexandra continuou seus trabalhos de caridades, após a morte do marido, ela tornou-se presidente da Sociedade para a Caridade dos Filhos de pessoas que morreram no cumprimento do dever. Ela também foi membro da liderança do comitê central da Sociedade para os Pobres, que estava sob patrocínio da Imperatriz Viúva Maria Feodorovna. Ela tinha um pressentimento do desastre iminente na Rússia e certa vez escreveu a seu pai no Cáucaso após voltar de uma viagem ao exterior : "O tempo é tão ruim na Rússia, todos de alguma forma esqueceram Deus, esqueceram o amor pelo vizinho. Tudo de ruim saiu, e reina o mal sobre todos, as mentes escureceram em tudo, ".

Primeira Guerra Mundial e Cruz Vermelha[editar | editar código-fonte]

Em 1914 a Primeira Guerra Mundial eclode e os filhos mais velhos de Alexandra Illarionovna partem para a frente de batalha, primeiro Nicolau, depois Paulo. Alexandra imediatamente recebeu um novo choque. No início da guerra, em 6 de agosto de 1914, no terceiro dia da ocorrência da Divisão de Cavalaria Life Guards na Prússia Oriental, Nicolau Pavlovich, afilhado do Imperador Nicolau II, foi mortalmente ferido em batalha com apenas 18 anos de idade. Por bravura no campo de batalha, Nicolau Pavlovich Shuvalov foi postumamente condecorado com a Ordem de 4 º grau de São Jorge e promovido a oficial não-comissionado. Graças aos esforços de Alexandra , o corpo de Nicolau foi trazido para Vartemiagi e enterrado perto do túmulo de seu pai, em uma tumba perto da Igreja Santa Sofia. Seu filho mais velho, Paulo, não foi sujeito ao chamado militar por causa de um machucado na perna que tinha desde a infância. Após a morte de seu irmão Nicolau, apesar da deficiência, Paulo decidiu entrar no exército e passou por todas as campanhas da Grande Guerra. Alexandra Illarionovna deu toda a sua força e capacidade para ajudar os soldados feridos. Durante toda a guerra, ela participou da transferência dos feridos da frente para a retaguarda. Desde 1915, ela, juntamente com as filhas mais velhas, Elizabeth e Alexandra liderou o 18º destacamento avançado da Cruz Vermelha, formado por médicos e enfermeiras particulares de misericórdia, que serviram a 2ª Divisão de Infantaria de Guardas. "Quantos oficiais feridos e soldados foram pela ajuda sacrificial da Condessa, médicos, irmãs de misericórdia e servos literalmente salvos da morte e do cativeiro", escreveu Khodnev sobre isso em um obituário publicado no jornal de Paris Russkaya.

Medalhas de São Jorge de todos os 4° graus
St George Medal I 4183.jpg
St George Medal II 1503.jpg
St George Medal III 6689.jpg
St George Medal IV 1515.jpg

Um desses casos é contado nas memórias do major-general Barão Klodt, comandante do Regimento de Guardas da Vida do Regimento da Finlândia. Na batalha de Kulik, em 19 e 20 de julho de 1915, graças à determinação de Alexandra Illarionovna e à atividade abnegada de todos os membros de seu destacamento, todos os feridos do campo de batalha foram apanhados sob o fogo do inimigo. "A evacuação foi difícil. Neste caso, uma grande ajuda foi a da Cruz Vermelha, onde a Condessa Alexandra Illarionovna Shuvalov enviou sua equipe com o pessoal e pegou todos os feridos restantes após a partida do regimento", - escreveu o Barão Klodt . Um total de 88 soldados seriamente feridos foram salvos naquele dia. Por seu trabalho na frente, a condessa foi premiada com medalhas de São Jorge de todos os quatro graus, que foi concedida a trabalhadores médicos. No outono de 1915, Sandra deixou o destacamento a pedido de seu pai e mudou-se com ele para o Palácio Vorontsov em Alupka. Em janeiro de 1916, ela estava ao lado de seu pai, que estava com a saúde muito debilitada, quando ele faleceu. A morte de Illarion Ivanovich foi um duro golpe para Sandra, ela amava fervorosamente seu pai e "esse amor era mútuo por toda a vida" . Após a morte de seu pai, ela ficou com sua mãe por algum tempo para apoiá-la. Mas logo Alexandra Illarionovna foi novamente para a frente, para a Galícia, e retomou seu trabalho anterior com o mesmo zelo no destacamento da Cruz Vermelha.

Revolução e Guerra Civil[editar | editar código-fonte]

Documento de autorização para Alexandra e seus 3 filhos mais novos deixarem Moscou.

Em 1917 ela soube da Revolução de Fevereiro nas trincheiras. Assim que tomou conhecimento dos tumultos na capital, ela imediatamente foi com a filha mais velha Elizabeth para a rebelde Petrogrado, onde seus filhos mais jovens viviam. No caminho, em algum lugar perto de Kiev, ela soube sobre a abdicação do soberano. Os eventos trágicos na capital afetaram sua família e em 2 de março, o marido de sua filha Asya (Alexandra), o príncipe Dmitry Leonidovich Vyazemsky, foi assassinado por uma bala perdida na estação ferroviária de Varsóvia.

Sob o Governo Provisório, Alexandra Illarionovna, junto com seus filhos mais jovens, deixou Petrogrado e se mudou para Moscou. Lá eles foram pegos pela insurreição armada de outubro, das janelas de seu apartamento, eles observam o alvoroço dos elementos revolucionários, tumultos de rua e batalhas entre os Junkers e os trabalhadores do Exército Vermelho. "Sem relação com a vida antiga, a vida de outra pessoa penetrou em nossa casa ... Então o frio veio quase sem carvão e eletricidade, as pessoas caíam nas calçadas de exaustão, havia rabos na frente dos bancos, constantemente presos" escreveu Ivan Pavlovich Shuvalov muitos anos depois sobre estes primeiros meses do governo bolchevique . A situação na cidade estava se tornando cada vez mais alarmante, então a família se mudou para algumas aldeias: primeiro para a vila de Veshnyaki, distrito de Moscou, e depois para a vila de Korenevo no mesmo distrito. "Sem dizer uma palavra, toda a nossa família, e como ela outras famílias começaram a deixar suas casas, sem saber exatamente aonde iam, com confiança aves migratórias, puxou para o sul" - lembrou Ivan Pavlovich Shuvalov.

O Palácio Vorontsov dos pais de Alexandra, onde ela e seus aprentes se reunirão após a revolução

Em setembro de 1918, Alexandra Illarionovna recebeu permissão para sair de Moscou. Ela foi para o sul com seus três filhos mais novos, Olga, Ivan e Pedro, para a Criméia via Gomel (onde foi seu último encontro com sua tia Paskevich) e Kiev. Eles milagrosamente chegaram a Alupka, onde sua irmã, Condessa Irina Illarionovna Sheremeteva e sua família já haviam encontrado abrigo. Logo Elizabeth Pavlovna se juntou a eles. Em abril de 1919, o governo britânico enviou um navio de guerra para retirar da Rússia membros da família imperial que se encontravam após a revolução na Crimeia. A Imperatriz Viúva Maria Feodorovna concordou em deixar a costa russa apenas com a condição de que todas as pessoas leais a ela, que queriam deixar a península da Crimeia, fossem evacuadas ao mesmo tempo. Então no HMS Marlborough, Alexandra e Irina Illarionovna partiram com seus filhos. Primeiro eles foram para Constantinopla, depois mudaram-se para a Grécia, ao encontro da irmã, Sofia Illarionovna Demidova, esposa do embaixador russo em Atenas, Elim Pavlovich Demidov , "No início da manhã nós afundamos para o cruzador, os bandidos cinzentos dos aliados, direcionando os tentáculos dos canhões para Sebastopol, guardando a baía" , Ivan Pavlovich Shuvalov, vendo pela última vez seu país, antes de deixar a Crimeia.

HMS Marlborough, o navio britânico que retirou a Alexandra, sua família e amigos da Rússia em 1919.

Na Rússia, ficou apenas Paulo Pavlovich Shuvalov (Pavlik), que na primavera de 1917 se tornou membro da organização de oficiais secretos criada pelo general Pedro Nikolaevich Wrangel em Petrogrado e trouxe para a Finlândia a Princesa Paley (Olga von Pistol'kors nee Karnovich), mulher morganática do Grão-Duque Paulo Alexandrovich, assassinado pelos bolcheviques. Em 1919, na batalha contra o Exército Vermelho, Paulo Pavlovich Shuvalov foi seriamente ferido por estilhaços de granada na barriga, perto da aldeia de Perelesino, localizada no estrada entre Tsarskoe Selo e Gatchina. "A Rússia teria sido salva ..." - ele gemeu antes de perder a consciência. Não tendo se recuperando, ele morreu no dia seguinte. Suas cinzas foram enterradas em 23 de outubro, perto da Catedral de Santo Pavlovsky em Gatchina. A morte de Pavlik entristeceu profundamente toda a família, e muitos que o conheciam, a julgar pelas numerosas cartas que foram enviadas na ocasião para sua mãe. Naquela época, Alexandra Illarionovna, que havia retornado da Grécia para buscar sua mãe idosa e seus irmãos e levá-los para fora do país coberto pelo Terror Vermelho, estava longe - na linha de frente da frente sul da Guerra Civil. Ela soube da morte trágica de seu segundo filho na antiga propriedade do príncipe Svyatopolk-Mirsky Gievka, na aldeia de Lyubotin, perto de Kharkov, dos despachos de representantes diplomáticos que a enviaram de Atenas. Essa trágica mensagem foi, talvez, o choque mais terrível de sua vida. Elizabeth Andreevna, que encontrou abrigo no outono de 1918 no Palácio da família em Yessentuki, foi presa pelos bolcheviques e salva de alguma forma milagrosamente por um destacamento de tropas brancas. De um modo indireto, a condessa de 73 anos conseguiu chegar a Alupka. O caminho de Alexandra pelos territórios do sul, cobertos pela Guerra Civil, revelou-se complicado e confuso, passando por Odessa, Ekaterinodar, Kharkov, Rostov-on-Don, Taganrog, Novorossiysk. Depois de receber um visto das autoridades militares britânicas, no início de 1920, Alexandra Illarionovna, juntamente com a mãe e a família de seu irmão, Illarion Illarionovich, deixou seu país natal, desta vez para sempre.

Exílio[editar | editar código-fonte]

Em Atenas, Alexandra permaneceu um ano ou mais, seus filhos mais jovens continuaram a estudar em escolas estrangeiras, todas participaram da vida pública da comunidade de emigrantes russos na igreja russa local e na embaixada russa. Depois foram mais longe: primeiro para a Alemanha e depois para a França.Assim começou o período de emigrante na vida de Alexandra Illarionovna. Com o tempo, ela teve que se acostumar com a ideia de anos no exílio e teve que se virar modestamente em uma terra estrangeira. A princípio, Alexandra Illarionovna morou num pequeno apartamento no centro de Paris, depois no subúrbio a sudeste de Issy-les-Moulineaux. Apesar das dificuldades financeiras, Alexandra Illarionovna continuou ativamente engajada em atividades de caridade e ajudou crianças de refugiados. Nas décadas de 1920 e 1930, seu talento como organizadora era procurado entre emigrantes russos na França, ela organizava festas de chá, bailes e mostras de filmes em favor de várias instituições públicas, hospitais e abrigos, acampamentos infantis de verão, desempregados e pobres.

A Sociedade da Cruz Vermelha Russa, que foi dissolvida pelo governo soviético, foi reconstruída no exterior em 1920, e Alexandra Illarionovna logo foi eleita membro de seu conselho e, a partir de 1931, chefiava o comitê estabelecido para ajudá-lo com pacientes com tuberculose próximo ao coração: "Mais de dez anos, centenas de milhares de russos foram jogados em uma terra estrangeira. A cada ano o número de pacientes com tuberculose aumenta. Começamos a arrecadar fundos para a criação de um sanatório russo. <...> Mas, enquanto nós criamos um sanatório, a doença não espera, as pessoas estão morrendo e precisamos de grandes fundos para acomodação em sanatórios franceses e para a ajuda atual. Não tenha vergonha do tamanho das doações. ", - Sandra escreveu em um apelo em nome do comitê que ela presidia.

Alexandra, já no exílio, ao lado de parentes e amigos.

Em 1945, foi eleita camarada do chefe da Direção Geral da Sociedade da Cruz Vermelha Russa e, em 1948, tornou-se presidente do conselho. Nos últimos anos de sua vida, ela estava ocupada em encontrar os meios necessários para construir um lar para emigrantes russos idosos que precisavam de cuidados e cuidados médicos constantes. Graças a sua energia, autoridade e conexões pessoais, esta casa no subúrbio de Shel, perto de Paris, recebeu seus primeiros habitantes na primavera de 1959, poucas semanas antes da morte de Alexandra. Alexandra Illarionovna também participou do trabalho de outras organizações públicas e de caridade: como presidente honorário do Comitê de Assistência aos Pacientes Russos e da União de Inválidos Militares Russos, membro da União dos Zelotes em Memória do Imperador Nicolau II, da União da Nobreza Russa, membro do Conselho da

Sociedade Musical Russa no Estrangeiro (desde 1934), Camarada do Presidente do Conselho do Centro de Música Russa (desde 1935), membro da Sociedade de Assistência aos Refugiados Russos (nos anos 1930) , amigo do Presidente do Conselho do Centro de Assistência a Pacientes Russos (desde 1949), membro da Sociedade das Damas em memória da Imperatriz Maria Feodorovna (desde 1946). Quando criança, Alexandea Illarionovna recebeu educação religiosa e não podia imaginar sua vida fora da Igreja Ortodoxa. Em uma terra estrangeira, ela participou ativamente da complexa vida eclesiástica e social da emigração. Ela também estava interessada em arte russa, em particular, apoiou o pintor e escultor Dmitry Semenovich Stelletsky, que ela conheceu enquanto o artista estava pintando o iconóstase no templo da fazenda Sergievsky em Paris, e depois de sua partida para o sul da França ela se correspondia com ele. Algumas de suas cartas e obras - ícones, esculturas, gráficos e pinturas, foram preservadas por sua neta. Alexandra Illarionovna Shuvalova morreu em silêncio em seu apartamento em Issy-les-Moulinea no nonagésimo ano de sua vida em 11 de julho de 1959, exatamente 54 anos depois da morte de seu marido. Este longo caminho de vida foi marcado por três perdas trágicas, mas Alexandra Illarionovna aceitou sua cruz de vida sem resmungar, e muitas vezes disse: "Quero provar que tenho uma fortaleza de espírito e que não me curvei sob o peso da minha cruz ... Fico feliz que Deus tenha me dado tais filhos ... posso ter orgulho de meus filhos". Seu funeral foi realizado na Catedral de Santo Alexandre Nevsky, em Paris, na presença de todos os seus filhos sobreviventes, exceto Pedro, que morava na América. Ela foi enterrada no cemitério russo de Sainte-Geneviève-des-Bois. "Uma mente clara e brilhante, uma visão ampla, um coração gentilmente simpático, um tato inato - a capacidade de" lidar "com as pessoas - e a brilhante memória que o Senhor concedeu a ela e que reteve até os últimos dias da vida terrena. - atraiu e conquistou todos aqueles que a conheciam - escreveu sobre ela Voyeikov no jornal emigrante parisiense Russkoye

Alexandra Illarionovna co seus filhos mais velhos, Paulo e Elizabeth em Vartemiagi.

Voskresenie.

Descendência[editar | editar código-fonte]

  • Olga Pavlovna Shuvalova (1902-1992)
  • Ivan Pavlovich Shuvalov (1903-1980)
  • Pedro Pavlovich Shuvalov (1906-1978)

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. ↑ Ismail-Zadeh, 2005 , p. 98.
  2. ↑ Ismail-Zadeh, 2005 , p. 96.
  3. ↑ 1 2Ir para: Ismail-Zadeh, 2005 , p. 191.
  4. ↑ a Russa no Exterior em França (1919 - 2000). dicionário biográfico em três volumes, editado por L. Mnukhin, Avril M., V. Lossky . Retirado 19 de abril de 2014.

Referências

  1. Ismail-Zadeh, 2005 , p. 98.
  2. Ismail-Zadeh, 2005 , p. 96.
  • Alekseev VN Contagem Vorontsov e Vorontsov-Dashkov na história da Rússia. - Empresa Tsentrpoligraf, 2002. - 477 p.
  • Ismail-Zadeh DI Conde II Vorontsov-Dashkov. vice-rei caucasiano. - Tsentrpoligraf Company, 2005. - 511 p.


Este artigo "Alexandra Illarionovna Shuvalova" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Alexandra Illarionovna Shuvalova.



Compte Twitter EverybodyWiki Follow us on https://twitter.com/EverybodyWiki !