Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Brigido Ibanhes

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki

Brígido Ibanhes (Bela Vista, Mato Grosso do Sul, 8 de outubro de 1947) é um escritor brasileiro. Em 1992 foi o primeiro presidente eleito da Academia Douradense de Letras (ADL).

Biografia[editar]

Nascido em Bella Vista Norte/Paraguai,[1] na Rua Jatayty Corá e por ser filho de família brasileira foi registrado no distrito Nunca-te-vi - Bela Vista/MS - Brasil.Filho de Aniceto Ibanhes e Affonsa Christaldo de Ibanhes, naturais da Vila de Porteiras, no antigo Mato Grosso. Em Bella Vista Norte cursou o “grado´í” (equivalente ao pré escolar nos dias de hoje) e o 1º ano primário, absorvendo a cultura guarani, a raça dos seus antepassados. Em 1956, no Brasil, estudou no colégio Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e de Santo Afonso, ocasião em que aprendeu a língua portuguesa, pois até então só falava o espanhol e o guarani.

Em 1959, em Ponta Grossa, no Seminário do Santíssimo Redentor, cursou o ginásio e parte do científico. Aprendeu, então, o latim, o grego, o inglês, o francês, química, física, os princípios de teologia, e conhece os clássicos nacionais e internacionais da literatura.

Em 1962, num concurso interno do Seminário, foi premiado pelo poema “Noite Cigana”. Saiu do Seminário ao final de 1964 e foi para São Paulo, capital. Serviu ao Exército Brasileiro em 1966, no 10º Regimento de Cavalaria em Bela Vista. De volta a São Paulo, trabalhou até o final de 1969. Escreveu, então, contos ingênuos e sonetos românticos.

Em 1970 retornou para Bela Vista/MS em virtude de um acidente ocorrido com o pai. Aprovado em concurso assumiu a Tesouraria da Prefeitura Municipal de Bela Vista, e depois o cargo de Encarregado-Geral do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), subordinado à Fundação SESP. Em 1973 ingressou por concurso, no Banco do Brasil.

Em 1978 se transferiu para Patrocínio (MG), e depois para Santa Cruz do Capibaribe (PE), com o propósito de aumentar sua bagagem cultural. Transferiu-se para Bataguassu/MS e depois para Sidrolândia/MS. Nesta cidade, em 31 de maio de 1986, sob ameaças de familiares e políticos que não desejavam a publicação da obra, lançou o livro “Silvino Jacques, o Último dos Bandoleiros”, que ganhou a primeira menção honrosa no I Salão de Livros de Autores de Funcionários do Banco do Brasil. Por determinação judicial a obra é apreendida. Depois de seis anos de pendenga judicial é liberada sua divulgação pelo Tribunal de Justiça do Estado.

Em 1991, em Dourados/MS, funda o Movimento de Moralização e Ética no Trato da Coisa Pública (METRA) para combater a corrupção política. Como coordenador do Movimento, ajuíza várias ações contra autoridades públicas e prega uma nova conscientização política.

Em 1992 é eleito primeiro presidente eleito da Academia Douradense de Letras. Nesse ano foi-lhe enviado convite especial para participar do 58º Congresso Internacional de Escritores, promovido pelo Pen Club International, entidade ligada à ONU, realizado no Copacabana Palace, Rio de Janeiro/RJ. No evento foi adotado pela organização devido as perseguições sofridas pela divulgação da história do bandoleiro Silvino Jacques, e pela sua luta em prol da liberdade de expressão.

Em 2005 participou do Conselho Municipal de Cultura de Dourados, ocasião em que pediu afastamento para cuidar da mãe doente em Bela Vista. Na cidade natal, articulou a criação do Conselho Municipal de Cultura, e participou da I Conferência Nacional de Cultura em Brasília.

Em 2006 integrou a Secretaria-Executiva do Fórum Estadual de Cultura, e foi nomeado titular da Câmara Setorial de Literatura, Leitura e Livro, representando o Estado junto à Funarte. Na noite de 14 de maio de 2006 (Dia das Mães) sofreu, juntamente com sua esposa Elisângela dos Santos de Souza Ibanhes, violento atentado a bomba, tendo partes dos corpos queimados. Em função da sua luta em prol da liberdade de expressão, dos direitos humanos e da cidadania para as minorias, e em vista do atentado sofrido, foi indicado pela Federação das Academias de Letras e Artes do Mato Grosso do Sul para o Prêmio Nobel de Literatura.

Bibliografia do autor[editar]

·       Silvino Jacques: o último dos bandoleiros (1986 – 1ª Edição); (1995 – 2ª Edição); (1997 – 3ª Edição); (2003 – 4ª Edição); (2007 – 5ª Edição); (2012 – 6ª Edição); (201 6 – 7ª Edição).

·       Che Ru - o Pequeno Brasiguaio (1988)

·       A Morada do Arco-Íris – a história do maior tesouro das Américas (1993 – 1ª Edição);  (2006 – 2ª Edição).

·       Kyvy Mirim - a lenda do pé de tarumã e do pombero (1997)

·       Ética na Política: entre o sonho e a realidade (2001)

·       Marti - sem a luz do teu olhar (2007)

·       Chão do Apa – Contos e Memórias da Fronteira (2010)

·       Marangatu – dois mitos guaranis (2015)

·       O maior tesouro das Américas – em Volta Grande no Canyon do rio Uruguai (2017).

Referências

  1. author., Cardona Benítez, Sacha Aníbal, 1979-. Bella Vista Norte, la heroica : historia de sus orígenes, 1801-1902. [S.l.: s.n.] ISBN 9789996701849. OCLC 995168767 

Ligações externas[editar]

  1. Academia Douradense de Letras
  2. [1]



Outros artigos dos temas Literatura E BiografiasBaptista Caetano Almeida Nogueira, Juan Van Der Aa, Valter Bitencourt Júnior, Charles Bukowski, Alcione Sortica, Iacyr Anderson Freitas, Isaque de Borba Corrêa

Outros artigos do tema Literatura : Paola Giometti, David Coimbra, Raimundo Neto, Hugo Pontes, Minha Novela, Donos da Terra, a História do Primeiro Título Mundial do Santos, Autores de telenovela

Outros artigos do tema Biografias : Dyego Tarcisio Barbosa da Silva, Erivélton, Desportistas do Maranhão, João Goulart, Tony Harnell, Comunicadores da Bahia, Anderson Jesus


Este artigo "Brigido Ibanhes" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Brigido Ibanhes.