Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Gira da Tabatinga

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki


Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gira da Tabatinga
Pronúncia:Cuete: "kuete": "cara", "sujeito".
Outros nomes:língua do negro da costa
Falado em: Cidade de Bom Despacho
Região: América do Sul
Total de falantes: 20 pessoas (aprox.)
Posição: 180° do Brasil
Família: Subsaariana
 Gira da Tabatinga
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

A gira da Tabatinga é uma língua afro-brasileira, de origem predominantemente banto. Em extinção, é falada em parte do município de Bom Despacho, estado de Minas Gerais, Brasil, por moradores residentes na periferia da cidade, no bairro chamado Ana Rosa (antigo Tabatinga).

A Gira (ou gíria) da Tabatinga é denominada "Língua do Negro da Costa", pela professora Sônia Queiroz, que publicou o livro Pé preto no barro branco (1998), talvez a principal obra de referência sobre esse dialeto, e também por outros estudiosos.

Segundo a professora, "o uso do dialeto se dava em função da necessidade de comunicação entre escravos que, vindos de pontos diferentes da África, eram misturados nas senzalas. Para sua sobrevivência, desenvolveram, então, um dialeto próprio, que lhes servia de instrumento para o diálogo e, ao mesmo tempo, de afronta aos patrões brancos”.

A gira ocorre sobretudo na forma oral. No entanto, além dos registros realizados em 1998, têm surgido alguns usos escritos do dialeto, entre eles o livro Sumidouro das Almas, de Jorge Fernando dos Santos, no qual o personagem Nonô Carvoeiro utiliza palavras e expressões da Tabatinga.

Até recentemente, sua maior falante chamava-se Maria Joaquina da Silva Dona Fiota, ou Fiotinha, tida pela comunidade como a grande representante da língua. Em 2006 foi criada a Associação Quilombola Quilombo dos Carrapatos, que desenvolve atividades para o registro e a preservação desse patrimônio linguístico ameaçado.

Dona Fiota faleceu em 3 de fevereiro de 2012. Seu maior falante atualmente, portanto, é Marquinhos Bacará, cujo pai, o Bacará, participou do livro Pé Preto no Barro Branco, de Sônia Queiroz, como um dos entrevistados.

Exemplo de poema em Gira da Tabatinga (Língua do Negro da Costa):

A koxypa das orygens nos deu vida. Fale bayxo prá não atrapalhar. O kuete e a okaya ali no mato. O kuete e a okaya rasta pro sengue prá curiá, prá curiá. Sou cuetyto da cydade. Vago entre as moças desnudas de Klimt. Queria as paisagens esfumaçadas de Turner. Queria ser Zeus, chuva de ouro! Se a imbera tá caxano. Não dá vontade de ynjyrar do esquife. Eu tenho saudades da minha mingüe avura. Tenho saudades do gato preto de Poe.

Autor: Lúcio Júnior Fonte: Usina de Letras

Ver também[editar]

  • Cupópia - Língua do Cafundó, língua quilombola do interior de São Paulo
  • Língua calunga de Patrocínio - MG

Ligações externas[editar]

Ícone de esboço Este sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  • Portal da linguística



Outros artigos do tema Linguística : Lista de línguas nacionais, Lista de inscrições e lemas em latim, Inglês, Língua e cultura, Mazi en Gondolando, Latim, Fosso semântico


Este artigo "Gira da Tabatinga" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Gira da Tabatinga.