Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Ideologia de gênero

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki

Nos estudos de gênero, ideologia de gênero é a expressão usada para descrever as crenças normativas sobre os papéis sociais apropriados e as naturezas fundamentais de mulheres e homens, sejam essas pessoas cisgênero ou transgênero, nas sociedades humanas. A distinção entre sexo e gênero é central para o conceito, visto que as diferenças biológicas entre homens e mulheres, ou suas diferenças sexuais, são usadas como base para a atribuição de gênero e a construção cultural de identidades de gênero. As pessoas são atribuidas a um gênero em todas as sociedades, mas os sistemas de gênero e as ideologias de gênero que são pensados para ajudar a sustentá-los são culturalmente variáveis.[1][2] Por esta ótica, não existe apenas o gênero masculino e feminino, mas um espectro que pode ser muito mais amplo do que a identificação binária.[3]

Entre grupos religiosos e conservadores, desde o início do século XXI, o termo tem sido apropriado sem respaldo científico para distorcer aspectos dos estudos de gênero com o objetivo de criar um tipo de pânico moral e alimentar teorias conspiratórias sobre um conluio mundial para "destruir os valores familiares" e voltar a opinião pública contra políticas sociais direcionadas para as mulheres e a população LGBT, uma estratégia conhecida como falácia do espantalho.[4][5][6][7][8][9][10][11][12][13][14][15]

Definição[editar]

Vários símbolos de identidade de gênero estilizados como anéis olímpicos.

Em estudos de gênero, bom como na sociologia, antropologia, arqueologia e outros campos de investigação, a ideologia de gênero é o sistema de crenças pelas quais as pessoas explicam, responsabilizam e justificam seu comportamento e interpretam e avaliam o dos outros. Em suma, é o conjunto de crenças que governam a participação das pessoas na ordem de gênero e pelo qual explicam e justificam essa participação.[16] O conceito é frequentemente usado, mas raramente questionado, em contraste a outros, como a identidade de gênero. Suspeita-se que a flexibilidade das definições e os múltiplos significados associados à ideologia, em geral, sejam a fonte de seu uso comum e de sua desconsideração conceitual. Em “terminologia de reorganização” (Gerring 1997: 960), a ideologia de gênero é frequentemente usada como sinônimo de conceitos como atitudes de gênero, normas de gênero, poder de gênero, relações de gênero, estruturas de gênero e dinâmicas de gênero.[17]

Em arqueologia, o termo é usado para tentar explicar as dinâmicas de gênero das sociedades, por exemplo no livro In Pursuit of Gender: Worldwide Archaeological Approaches, a definição de Hays-Gilpin e Whitley é que a ideologia de gênero são os significados e valores atribuído às categorias de gênero em uma dada cultura e a atribuição de gênero a fenômenos ou ideias como sol/lua, terra/céu, macio/duro etc.[18]

O termo ideologia de gênero no significado literal é encontrado em publicações e estudos sobre vários temas:

  • Nos estudos de linguística, quando pesquisado as relações, as interseções e tensões entre linguagem e gênero.[19]
  • Em história, por exemplo as origens da desigualdade entre homens e mulheres que se estabeleceu na Era Vitoriana.[20] A manutenção dos papeis de gênero durante o comunismo na Europa nomeada como "ideologia de gênero neotradicional"[21]e também após o colapso do regime.[22]
  • Em sociologia, o termo é encontrado em discussões sobre a exclusão social baseada em gênero por exemplo no trabalho e esfera pública[23], no serviço militar[24], nos esportes[25] etc.
  • Em pedagogia, por exemplo ao estudar a associação entre a ideologia de gênero precoce e simultânea dos pais e os comportamentos de gênero e as atitudes de gênero dos filhos ,[26]
  • Em livros sobre religião, como sobre as demandas no programa de catolicismo nacional de Francisco Franco conflitantes com o desenvolvimento econômico patrocinado pelo Estado que pretendia uma sociedade de consumo moderna[27], estudo e publicação sobre uma "personalização" do catolicismo em Gana.[28] livro de Susan Starr Sered, Priestess, Mother, Sacred Sister: Religions Dominated by Women que descreve e analisa religiões, espalhadas por todo o mundo, em que as mulheres são a maioria dos líderes e a maioria dos participantes.[29]

Apropriação[editar]

Um texto de 1997 do então cardeal Joseph Ratzinger menciona "ideologia de gênero".[30]

A Igreja Católica tem usado o termo pelo menos desde 1998, após uma nota da Conferência Episcopal do Peru, intitulada “A ideologia de gênero: seus perigos e alcances".[30] Registra-se em 1997 um longo documento de Ratzinger intitulado "O Sal da Terra",[31] no qual ele faz diversas críticas às questões relacionadas aos estudos de gênero, ao feminismo e aos aspectos ideológicos que orbitam tais questões.[32] Depois de eleito papa, o cardeal Ratzinger publicou documentos análogos, como a "Carta aos bispos da Igreja Católica sobre a colaboração do homem e a mulher na Igreja e no mundo", preparado pela Congregação para a Doutrina da Fé, ainda criticando o feminismo e a homossexualidade.[33][5][4][13]

Em 10 de junho de 2019, a Congregação para a Educação Católica, um organismo da Cúria Romana publicou um documento intitulado "Homem e Mulher os criou" cujo subtítulo é “Sim ao diálogo sobre estudos, não à ideologia”[34] para recordar a incompatibilidade entre a ideologia de género e a "antropologia cristã".[35]

Brasil[editar]

O padre Paulo Ricardo e o pastor neopentescostal Silas Malafaia.

Desde 2014, vários projetos de lei têm sido apresentados, no Congresso Nacional e nos poderes legislativos estaduais, com o objetivo de evitar uma alegada “doutrinação ideológica” nas instituições de ensino. Eles ecoam as propostas da organização “Escola Sem Partido”, que no mesmo período adquiriu grande visibilidae no debate público. A principal meta é suprimir a reflexão crítica sobre questões de gênero, estigmatizada como “ideologia de gênero”. Pelas propostas, qualquer questionamento aos papéis convencionais atribuídos a mulheres e homens estaria vetado.[36]

Líderes religiosos católicos, como o padre Paulo Ricardo, e neopentecostais, como o pastor Silas Malafaia, utilizam a ideologia de gênero na propagação do pânico moral.[37][38][5]

No ano de 2019, para a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o governo Bolsonaro preparava uma inspeção no banco de questões para excluir da prova uma suposta "ideologia de gênero". De acordo com o então presidente do Inep, Marcus Vinicius Rodrigues, questões relacionadas à "ideologia de gênero" não estão de acordo com os "valores da sociedade" e serão, portanto, excluídas do banco de dados.[39]

Damares Alves, Ministra dos Direitos Humanos classifica o ensino de diversidade de gênero como violência contra as crianças.

No mês de junho de 2019, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro orientou seus diplomatas a reiterar em discussões multilaterais internacionais a posição do governo brasileiro de que gênero é apenas sexo biológico.[40]

Em 10 de agosto de 2019, o presidente Jair Bolsonaro na Marcha para Jesus em Brasília, classificou a ideologia de gênero como "coisa do Capeta", explicou que não acolheria políticas de apoio aos homossexuais sem uma emenda à constituição brasileira e, sendo impossível escrever emendas à Bíblia, seguiria defendendo que a família é constituída de homens e mulheres.[41] [42]

Em 29 de agosto de 2019, a pastora e Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves em evento na Assembleia Legislativa de Santa Catarina declarou que "Ideologia de gênero é violência contra a criança. Não é diversidade sexual, não são os homossexuais, as lésbicas e os travestis. É além disso. Escolheram o Brasil como laboratório dessa teoria, mas estamos mandando um recado que acabou a brincadeira, nossas crianças não são cobaias.". A declarou fazia eco ao anúncio do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), de retirar a expressão “identidade de gênero” dos currículos escolares do Estado. [43]

No dia 3 de setembro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro tornou público sua determinação ao Ministério da Educação que edite um projeto de lei com o objetivo de proibir "a ideologia de gênero em sala de aula". Bolsonaro estaria baseada em parecer ao Supremo Tribunal Federal de Renato de Lima França, Advocagado-Geral da União substituto sugerindo proibir "a aplicação da ideologia de gênero ou do conceito de gênero estipulado pelos Princípios de Yogyakarta".[15][44][45]

O governador do estado de São Paulo, João Doria, ordenou o recolhimento no dia 3 de setembro de 2019 de material didático de ciências que trata de diversidade de gênero e destinado a alunos do oitavo ano. Declarou que não aceitaria "apologia à ideologia de gênero", classificando como um "erro inaceitável" e que apuraria os responsáveis. A apostila versa sobre sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual, trazendo também orientações sobre gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. [46][47]

Ver também[editar]

  • Estereótipo de gênero
  • Igualitarismo
  • Papel de gênero
  • Sexismo
  • Teoria queer

Referências

  1. S.U. Philips (2001). International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences, ed. «Gender Ideology: Cross-cultural Aspects». Consultado em 15 de junho de 2019 
  2. Sarah M. Nelson (2002). «In Pursuit of Gender: Worldwide Archaeological Approaches». Consultado em 15 de junho de 2019 
  3. Ideologia de gênero - esboço da palestra por Ewerton B. Tokashiki (2018)
  4. 4,0 4,1 Duque, Tiago (2018). «Ninguém nasce Inês Brasil, torna-se Inês Brasil: artefato cultural, pânico moral e "ideologia de gênero" em Campo Grande (MS)». Momento - Diálogos em Educação. 27 (3): 227–247. ISSN 2316-3100. doi:10.14295/momento.v27i3.7787 
  5. 5,0 5,1 5,2 Miskolci, Richard; Campana, Maximiliano (2017). «"Ideologia de gênero": notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo». Sociedade e Estado. 32 (3): 725–748. ISSN 1980-5462. doi:10.1590/s0102-69922017.3203008 
  6. Correa, Sonia; Prado, Marco Aurélio Maximo (2018). «Retratos transnacionais e nacionais das cruzadas antigênero». Revista Psicologia Política. 18 (43): 444–448. ISSN 1519-549X 
  7. Junqueira, Rogério Diniz (2018). «A invenção da "ideologia de gênero": a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero». Revista Psicologia Política. 18 (43): 449–502. ISSN 1519-549X 
  8. Lowenkron, Laura; Mora, Claudia (2017). «A GÊNESE DE UMA CATEGORIA». Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos. Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  9. Balieiro, Fernando de Figueiredo (13 de setembro de 2018). «"Não se meta com meus filhos": a construção do pânico moral da criança sob ameaça». Cadernos Pagu (53). ISSN 1809-4449 
  10. Miskolci, Richard; Miskolci, Richard (2018). «Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à "ideologia de gênero"». Cadernos Pagu (53). ISSN 0104-8333. doi:10.1590/18094449201800530002 
  11. Aguiar, Márcio Mucedula; Ferreira, Camila Camargo (2018). «"Ideologia de gênero": pânicos morais, silêncios tagarelas e a (re)produção de normas binárias de gênero». Revista Ñanduty. 6 (8): 114–143. ISSN 2317-8590. doi:10.30612/nty.v6i8.8838 
  12. Miskolci, Richard (2007). «Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay». Cadernos Pagu (28): 101–128. ISSN 0104-8333. doi:10.1590/S0104-83332007000100006 
  13. 13,0 13,1 Machado, Maria das Dores Campos (2018). «O discurso cristão sobre a "ideologia de gênero"». Revista Estudos Feministas. 26 (2). ISSN 0104-026X. doi:10.1590/1806-9584-2018v26n247463 
  14. Arribas, Célia da Graça (6 de maio de 2019). «O sexo dos espíritos». Revista USP (121): 97–108. ISSN 2316-9036. doi:10.11606/issn.2316-9036.v0i121p97-108 
  15. 15,0 15,1 «Bolsonaro pede ao MEC projeto de lei que proíba ideologia de gênero». Metrópoles. 3 de setembro de 2019. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  16. Penelope Eckert; Eckert Penelope; Sally McConnell-Ginet (9 de janeiro de 2003). Language and Gender (em English). [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 35–36. ISBN 978-0-521-65426-5 
  17. Duerst-Lahti, G. (2008). Gender ideology: Masculinism and feminalism. In G. Goertz & A. Mazur (Eds.), Politics, Gender, and Concepts: Theory and Methodology (pp. 159-192). Cambridge: Cambridge University Press. doi:10.1017/CBO9780511755910.008 (em inglês)
  18. Sarah M. Nelson; Myriam Rosen-Ayalon (2002). In Pursuit of Gender: Worldwide Archaeological Approaches (em English). [S.l.]: Rowman Altamira. p. 9. ISBN 978-0-7591-0087-9 
  19. Susan Ehrlich; Miriam Meyerhoff; Janet Holmes (19 de março de 2014). The Handbook of Language, Gender, and Sexuality. [S.l.]: Wiley. p. 517". ISBN 978-1-118-58433-0 
  20. Aşkın Haluk Yildirim (2015). Victorian Gender Ideology and Literature. [S.l.]: Nova Science Publishers, Incorporated. ISBN 978-1-63482-618-1. Na época, as mulheres foram forçadas a levar uma existência passiva ditada pelas normas da ideologia de gênero vitoriana. 
  21. Janet Elise Johnson; Jean C. Robinson (12 de dezembro de 2006). Living Gender after Communism. [S.l.]: Indiana University Press. p. 11. ISBN 0-253-11229-X 
  22. V. Nikolic-Ristanovic (17 de abril de 2013). Social Change, Gender and Violence: Post-communist and war affected societies. [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 174. ISBN 978-94-015-9872-9. (...)O estabelecimento de uma economia capitalista em sociedades pós-comunistas também contribuíram para o reforço do patriarcado. A privatização e a economia de mercado levaram ao desenvolvimento de ambas ideologias de gênero e re-tradicionalização das estruturas de gênero. 
  23. Nanneke Redclift; M Thea Sinclair; M. Thea Sinclair (23 de setembro de 2005). Working Women: International Perspectives on Labour and Gender Ideology. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-134-97821-2 
  24. Saskia Stachowitsch (March 2013). Gender Ideologies and Military Labor Markets in the U.S. [S.l.]: Routledge. p. 25. ISBN 978-1-136-64235-7  Verifique data em: |data= (ajuda)
  25. Michael F. Collins; Tess Kay (2 de julho de 2003). Sport and Social Exclusion. [S.l.]: Routledge. p. 97. ISBN 978-1-134-51173-0 
  26. Hillary Paul Halpern (2014). Parents' Gender Ideology and Gendered Behavior as Predictors of Children's Gender-role Attitudes: A Longitudinal Exploration. [S.l.]: University of Massachusetts Amherst 
  27. Aurora G. Morcillo (May 2008). True Catholic Womanhood: Gender Ideology in Franco's Spain. [S.l.]: Northern Illinois University Press. ISBN 978-0-87580-997-7  Verifique data em: |data= (ajuda)
  28. Brigid M. Sackey (2006). New Directions in Gender and Religion: The Changing Status of Women in African Independent Churches. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-1058-4 
  29. Susan Starr Sered (1996). Priestess, Mother, Sacred Sister: Religions Dominated by Women. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 195–196. ISBN 978-0-19-510467-7. Capítulo intitulado "Ideologia de gênero" 
  30. 30,0 30,1 Saldaña, Paulo (2018). «Saiba como surgiu o termo 'ideologia de gênero'». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  31. Ratzinger, Joseph; Seewald, Peter (2005). La sal de la tierra: cristianismo e Iglesia Católica ante el nuevo milenio: una conversación con Peter Seewald 5a ed. Madrid: Ediciones Palabra. ISBN 8482399209. OCLC 60831718 
  32. Contreras, Diego (1997). «El cristianismo al final del milenio, según Ratzinger». www.aceprensa.com (em español). Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  33. «Vaticano se posiciona contra o feminismo e a ideologia de gênero». noticias.uol.com.br. 2004. Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  34. Vaticano publica documento sobre “gender”: "Homem e Mulher os criou", Canção Nova, 10/6/2019
  35. A ideologia de género não é ciência, é ideologia
  36. Miguel, Luis Felipe (2016). «Da "doutrinação marxista" à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro». Revista Direito e Práxis. 7 (15). ISSN 2179-8966. doi:10.12957/dep.2016.25163 
  37. Introvigne, Massimo (2015). «As origens sombrias da ideologia de gênero». padrepauloricardo.org. Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  38. Araújo, Bruna Lassé (2017). «"Ideologia de gênero" e a juventude assembleiana. Perspectivas Sociológicas». Caxambu. Anais do 41º Encontro Anual da ANPOCS 
  39. Mariz, Renata (2019). «Enem 2019: Governo prepara inspeção em banco de questões para excluir da prova suposta 'ideologia de gênero'». O Globo. Cópia arquivada em 15 de junho de 2019 
  40. «Itamaraty orienta diplomatas a frisar que gênero é apenas sexo biológico». Folha de S.Paulo. 26 de junho de 2019. Consultado em 4 de setembro de 2019 
  41. «Bolsonaro ataca de ideologia de gênero a radares diante de evangélicos». VEJA.com. Consultado em 10 de agosto de 2019 
  42. «Bolsonaro defende 'família tradicional' e chama 'ideologia de gênero' de 'coisa do capeta' - Política». Estadão. Consultado em 10 de agosto de 2019 
  43. «"Ideologia de gênero é violência contra a criança", diz Damares Alves durante evento em SC». www.nsctotal.com.br. Consultado em 4 de setembro de 2019 
  44. «Bolsonaro diz preparar PL que proíbe 'ideologia de gênero' no ensino fundamental - Educação». Estadão. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  45. «Bolsonaro pede a MEC projeto de lei para proibir 'ideologia de gênero'». Folha de S.Paulo. 3 de setembro de 2019. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  46. «Doria manda recolher apostila de ciência que fala sobre diversidade sexual: 'Não aceitamos apologia à ideologia de gênero'». G1. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  47. «Doria manda recolher material sobre identidade de gênero por suposta apologia». Folha de S.Paulo. 3 de setembro de 2019. Consultado em 3 de setembro de 2019 

Bibliografia[editar]

Ligações externas[editar]

Documentos da Igreja Católica Romana
  • Portal da religião
  • Portal da Sexualidade



Outros artigos do tema Religião : Jorge Pina Cabral, Antônio Plínio da Silva Alvim, Marcos Antônio (cantor), Wesley Ros, Aliança das Igrejas Cristãs Evangélicas do Brasil, Companheiras de Louvor, Rabino Avraham Franco


Este artigo "Ideologia de gênero" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Ideologia de gênero.