You can edit almost every page by Creating an account. Otherwise, see the FAQ.

Jesus

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki

 Nota: Para outros significados, veja Jesus (desambiguação).
Jesus
ישוע, Yeshua
 Edit this InfoBox
Jesus
O mais antigo painel iconográfico do Cristo Pantocrator.
século VI. Mosteiro de Santa Catarina, Egito
Nome completo Jesus de Nazaré
Nascimento 7-2 a.C[nota 1]
Judeia, Império Romano[5]
Morte 30-33 d.C[nota 2]
Jerusalém, Judeia, Império Romano
Nacionalidade
Progenitores Mãe: Maria
Pai: José[nota 3]
Alma mater
Ocupação Carpinteiro, profeta itinerante e rabino
Causa da morte Crucificação[nota 4]
Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

Jesus (em aramaico: ישוע/ יֵשׁוּעַ; transl.: Yeshua; em grego: ησοῦς; transl.: Iesous), também chamado Jesus de Nazaré (n. 7–2 a.C.[nota 1]m. 30–33 d.C.[nota 2]) foi um pregador e líder religioso judeu do primeiro século.[11] Ele é a figura central do cristianismo e aquele que os ensinamentos de maior parte das denominações cristãs, além dos judeus messiânicos, consideram ser o Filho de Deus. O cristianismo e o judaísmo messiânico consideram Jesus como o Messias aguardado no Antigo Testamento e referem-se a ele como Jesus Cristo, um nome também usado fora do contexto cristão.

Cronologia[editar]

Ver artigo principal: Cronologia de Jesus
Judeia, Galileia e regiões próximas no tempo de Jesus

A maior parte dos académicos concorda que Jesus foi um judeu da Galileia, nascido por volta do início do primeiro século,[nota 1] e que morreu entre os anos 30 e 36 d.C.[nota 2] na Judeia.[12][13] O consenso académico é que Jesus foi contemporâneo de João Batista e foi crucificado por ordem do governador romano Pôncio Pilatos, que governou entre 26 e 36 d.C..[14] Grande parte dos académicos sustentam que Jesus viveu na Galileia e na Judeia e que não pregou ou estudou em qualquer outro local.[15]

Os evangelhos oferecem diversas pistas no que diz respeito ao ano de nascimento de Jesus. Mateus 2:1 associa o nascimento de Jesus ao reinado de Herodes, o Grande, que morreu cerca de 4 a.C., enquanto que Lucas 1:5 menciona que Herodes reinava pouco antes do nascimento de Jesus,[16][17] embora este evangelho também associe o nascimento com o censo de Quirino, que decorreu dez anos mais tarde.[18][19] Lucas 3:23 declara que Jesus tinha cerca de trinta anos de idade no início do seu ministério; ministério esse que, de acordo com Atos 10:37, foi precedido pelo ministério de João, que Lucas 3:1 afirma ter começado no 15º ano do reinado de Tibério (28 ou 29 d.C.).[17][20] Ao comparar os relatos do evangelho com dados históricos e usando vários outros métodos, a maior parte dos académicos determina a data de nascimento de Jesus entre 6 e 4 a.C..[20][21]

Os anos do ministério de Jesus foram estimados usando diversas abordagens diferentes.[22][23] Uma delas aplica as referências em Lucas 3:1, Atos 10:37 e as datas do reinado de Tibério, que são conhecidas com precisão, para determinar a data de início em 28-29 d.C..[24] Outra abordagem usa a declaração em João 2:13-20, que afirma que no início do ministério de Jesus o Templo de Jerusalém se encontrava no seu 46º ano de construção; sabendo que a reconstrução do templo foi iniciada por Herodes no 18º ano do seu reino, estima-se que a data seja 27-29 d.C..[22][25] Outro método usa a data da morte de João Batista e o casamento de Herodes Antipas com Herodíade, com base no testemunho de Josefo, relacionando-os com Mateus 14:4 e Marcos 6:18.[26][27] Dado que a maior parte dos investigadores data o casamento em 28-35 d.C., isto determina a data do ministério entre 28 e 29 d.C..[23]

Têm sido usadas várias abordagens diferentes para estimar o ano da crucificação de Jesus. A maior parte dos académicos concorda que ele morreu entre os anos 30 e 33 d.C..[6][28] Os evangelhos declaram que o evento ocorreu durante o governo de Pilatos, que governou a Judeia entre 26 e 36 d.C.[29][30][31] A data para a conversão de Paulo (estimada entre 33 e 36 d.C.) é o limite superior para a data de crucificação. As datas da conversão de Paulo e do ministério podem ser determinadas através da análise das epístolas de Paulo e do Livro dos Atos.[32][33] Desde Isaac Newton que os astrónomos tentam estimar a data precisa da crucificação através da análise do movimento lunar e do cálculo das datas históricas do Pessach, um festival com base no calendário hebraico lunissolar. As datas mais aceites a partir deste método são 7 de abril de 30 d.C. e 3 de abril de 33 d.C. (ambas julianas).[34]

Vida e ensinamentos no Novo Testamento[editar]

Os quatro evangelhos canónicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) são as principais fontes para a biografia de Jesus. No entanto, outras partes do Novo Testamento, como as epístolas paulinas, escritas provavelmente décadas antes dos evangelhos, incluem também referências a episódios chave da sua vida, como a Última Ceia em Coríntios 11:23-26.[35][36] [37] Os Atos dos Apóstolos (Atos 10:37-38 e Atos 19:4) referem-se ao início do ministério de Jesus e ao do seu antecessor João Batista.[38][39] Os Atos 1:1-11 revelam mais acerca da Ascensão de Jesus do que os evangelhos canónicos.[40] Alguns dos primeiros grupos cristãos e gnósticos tinham descrições distintas da vida e ensinamentos de Jesus que não estão incluídas no Novo Testamento. Entre elas estão o Evangelho de Tomé, o Evangelho de Pedro e o Apócrifo de Tiago, entre várias outras narrativas apócrifas. A maior parte dos académicos considera-as fontes muito posteriores e muito menos confiáveis do que os evangelhos canónicos.[41][42]

Descrição nos evangelhos canónicos[editar]

Genealogia e Natividade[editar]

Ver artigos principais: Genealogia de Jesus e Nascimento de Jesus
Adoração dos Pastores por Gerard van Honthorst, 1622

As narrativas da genealogia e da natividade de Jesus no Novo Testamento só aparecem nos evangelhos de Lucas e Mateus, sendo estas as principais fontes de informação sobre o tema. Fora do Novo Testamento, existem documentos mais ou menos contemporâneos de Jesus e dos evangelhos, mas poucos são os que esclarecem detalhes biográficos da sua vida.[43] Mateus começa o seu evangelho com a genealogia de Jesus (Mateus 1:1), antes de narrar o seu nascimento. Identifica a ascendência de Jesus até Abraão através de David. Lucas 3:22 discute a genealogia depois de descrever o batismo de Jesus, no qual uma voz celestial se dirige a Jesus e o identifica como o Filho de Deus. Mateus 3:23 determina a ascendência de Jesus desde "José, filho de Eli", até "Adão, filho de Deus".[44]

A natividade é um elemento proeminente no Evangelho de Lucas, correspondente a 10% do texto e três vezes mais longo do que o texto da Natividade de Mateus.[45] A narração de Lucas dá ênfase a acontecimentos anteriores ao nascimento de Jesus e foca-se em Maria, enquanto que Mateus narra acontecimentos posteriores ao nascimento e se foca em José.[46][47][48] Ambos os textos afirmam que Jesus é filho de José e da sua noiva Maria e que nasceu em Belém, e ambos apoiam a doutrina do nascimento virginal de Jesus, segundo a qual Jesus foi concebido de forma milagrosa pelo Espírito Santo no ventre de Maria enquanto ainda era virgem.[49][50][51]

Em Lucas 1:31, o arcanjo Gabriel diz a Maria que ela irá conceber e carregar uma criança chamada Jesus por obra do Espírito Santo.[47][49] Estando noivo de Maria, José fica preocupado com a sua gravidez (Mateus 1:19-20), mas no primeiro dos seus três sonhos, um anjo assegura-lhe que não tenha medo de casar com Maria, uma vez que a criança foi concebida pelo Espírito Santo.[52] Quando se aproxima o momento do parto, Maria e José viajam de Nazaré até à casa de José em Belém para se registarem no censo ordenado pelo imperador romano. É aí que Maria dá à luz Jesus. Uma vez que não encontraram vaga na estalagem, o recém-nascido é colocado numa manjedoura (Lucas 2:1-7). Um anjo anuncia o nascimento a alguns pastores, que se deslocam a Belém para ver Jesus e posteriormente divulgar a notícia (Lucas 2:8-20). Depois de apresentarem Jesus no Templo, a família regressa a Nazaré.[47][49] Em Mateus 1:1-12, três reis magos do Oriente levam ofertas ao recém-nascido como o Rei dos Judeus. Herodes toma conhecimento do nascimento de Jesus e, pretendendo vê-lo morto, ordena a execução de todas as crianças do sexo masculino de Belém. No entanto, um anjo avisa José no seu segundo sonho, o que leva a família a fugir para o Egito, de onde mais tarde regressaria para se fixar em Nazaré.[52][53][54]

Infância[editar]

Jesus entre os doutores aos doze anos, por James Tissot, no Brooklyn Museum

Os evangelhos de Lucas e Mateus situam a casa de infância de Jesus na cidade de Nazaré na Galileia. José, o marido de Maria, está presente na descrição dos episódios da infância de Jesus, embora posteriormente não lhe seja feita qualquer referência.[55] Os livros do Novo Testamento de Mateus e Marcos e a epístola aos Gálatas mencionam os irmãos e irmãs de Jesus. No entanto, a palavra grega "adelfos" nestes versos pode também ser traduzida por "parente", em vez do mais comum "irmão".[56] A contradição manifesta entre a existência de irmãos e a doutrina da virgindade perpétua de Maria levou a que alguns dos primeiros teólogos tivessem argumentado que se tratavam de filhos de José, fruto de um casamento anterior, ou que o texto se referia a primos, e não a irmãos. Estas interpretações encontram-se hoje em dia refutadas entre o meio académico contemporâneo.[57][58]

Originalmente escrito em grego helenístico, o Evangelho de Marcos refere em Marcos 6:3 que Jesus era um τέκτων (tekton), enquanto que Mateus 13:55 refere que ele próprio era filho de um tekton.[59] Embora tradicionalmente tekton seja traduzido por "carpinteiro", tekton é um termo bastante genérico, da mesma raiz que está na origem de "técnico" e "tecnologia", e que pode ser aplicado a construtores de objetos nos mais diversos materiais e até mesmo a construtores.[60][61] Para além das narrações do Novo Testamento, a associação de Jesus à carpintaria é constante em tradições dos séculos I e II. Justino (m. c. 165 d.C.) escreveu que Jesus fabricava arados e gadanhos.[62]

Batismo e Tentação[editar]

Ver artigos principais: Batismo de Jesus e Tentação de Cristo
Representação da cena batismal, na qual o céu se abre e o Espírito Santo desce na forma de uma pomba. Francesco Trevisani, 1723[63]

Todas as narrativas do batismo de Jesus nos evangelhos são antecedidas por informações sobre o ministério de João Batista.[64][65][66] Em todas, João é retratado a pregar a penitência e arrependimento para remissão dos pecados e a encorajar a oferta de esmolas aos pobres (Lucas 3:11) enquanto batiza os crentes no rio Jordão, nas proximidades de Pereia, por volta da época em que Jesus inicia o seu ministério. O Evangelho de João (João 1:28) refere inicialmente "Betânia" e posteriormente (João 3:23) na margem oposta.[67][68]

Nos evangelhos, refere-se que João tinha vindo a anunciar (Lucas 3:16) a chegada de alguém mais poderoso que ele,[69][70] o que também é referido por Paulo de Tarso (Atos 19:4).[38] Em Mateus 3:14, durante o encontro com Jesus, João afirma "Eu preciso de ser batizado por ti", embora seja persuadido por Jesus a ser ele a batizá-lo.[71] Depois de o fazer e de Jesus emergir das águas, o céu abre-se e ouve-se uma voz celestial: "Este é o meu Filho amado, de quem me agrado" (Mateus 3:17). O Espírito Santo desce então até Jesus na forma de uma pomba.[69][70][71] Este é um de dois eventos descritos nos evangelhos nos quais uma voz celestial chama a Jesus "Filho", sendo a outra a Transfiguração.[72][73]

Após o batismo, os evangelhos sinópticos descrevem a Tentação de Cristo, na qual Jesus resiste a tentações do Diabo enquanto jejua por quarenta dias e noites no deserto da Judeia.[74][75] O batismo e tentação de Jesus servem de preparação para o seu ministério público.[76] O Evangelho de João não menciona nenhum dos eventos, embora inclua um testemunho de João no qual ele vê o Espírito a descer sobre Jesus (João 1:32).[70] [77]

Ministério público[editar]

Ver artigo principal: Ministério de Jesus
Sermão da Montanha, por Carl Bloch, século XIX

Os evangelhos apresentam o ministério de João Batista enquanto precursor do ministério de Jesus. Iniciado com o seu batismo, Jesus dá início ao seu ministério nas áreas rurais da Judeia, perto do rio Jordão, com cerca de trinta anos de idade (Lucas 3:23). Jesus viaja, prega e realiza milagres, completando o ministério durante a Última Ceia com os seus discípulos em Jerusalém.[66]

No início do ministério, Jesus designa doze apóstolos. Em Mateus e Marcos, apesar de Jesus ser breve no pedido, descreve-se que os primeiros quatro apóstolos, que eram pescadores, imediatamente consentiram e abandonaram as suas redes e embarcações (Mateus 4:18-22, Marcos 1:16-20). Em João, os primeiros dois apóstolos de Jesus são descritos como tendo sido discípulos de João Batista. Ao ver Jesus, João denomina-o Cordeiro de Deus. Ao ouvir isto, os dois apóstolos seguem Jesus.[78][79] Para além dos Doze Apóstolos, o início da passagem do Sermão da Planície identifica como discípulos um grupo muito maior de pessoas (Lucas 6:17). Ainda em Lucas 10:1-16, Jesus envia setenta ou setenta e dois discípulos em pares para preparar cidades para a sua visita. São-lhes dadas instruções para aceitar hospitalidade, curar os doentes e espalhar a palavra de que se aproxima o Reino de Deus.[80]

Os académicos dividem o ministério de Jesus em diferentes períodos. O ministério da Galileia começa quando Jesus regressa à Galileia vindo do deserto da Judeia, depois de rejeitar a tentação de Satanás. Jesus prega na Galileia, e em Mateus 4:18-20 encontra-se com os seus primeiros discípulos, que o passam a acompanhar.[66][81] Este período inclui o Sermão da Montanha, um dos principais discursos de Jesus,[81][82] a calma da tempestade, a multiplicação dos pães e peixes, a caminhada sobre as águas e diversos milagres e parábolas.[83] Termina com a Confissão de Pedro e a Transfiguração.[84][85]

À medida que Jesus viaja em direção e Jerusalém, durante o ministério de Pereia, regressa ao local onde foi batizado, a cerca de um terço do caminho do mar da Galileia, ao longo do Jordão (João 10:40-42).[86][87] O último ministério em Jerusalém tem início com a sua entrada triunfal na cidade durante o Domingo de Ramos.[88] Nos evangelhos sinópticos, durante essa semana afasta os cambistas do Templo e Judas negocia a sua traição. Este período culmina na Última Ceia e no Discurso de despedida.[64][88][89]

Ensinamentos, sermões e milagres[editar]

Jesus e o jovem rico, por Heinrich Hofmann, 1889

Os ensinamentos de Jesus são muitas vezes analisados em termos de palavras e obras.[90][91] As palavras incluem uma série de sermões, assim como parábolas que aparecem ao longo de toda a narrativa dos evangelhos sinópticos (o Evangelho de João não inclui parábolas). As obras contemplam os milagres e outras ações realizadas durante o ministério de Jesus.[90] Embora os evangelhos canónicos sejam a principal fonte dos ensinamentos de Jesus, as epístolas paulinas oferecem alguns dos primeiros registos escritos.[35]

O Evangelho de João apresenta os ensinamentos de Jesus não apenas enquanto sermões, mas também como revelação divina. João Batista, por exemplo, afirma em João 3:34: "Porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus; pois não lhe dá Deus o Espírito por medida." Em João 7:16 Jesus afirma: "A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou", o que confirma em João 14:10: "Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras".[92]

O Reino de Deus é um dos elementos chave dos ensinamentos de Jesus no Novo Testamento.[93] Jesus promete a inclusão no reino de todos aqueles que aceitarem a sua mensagem. Chama as pessoas a renegar os seus pecados e a dedicarem-se completamente a Deus.[94] Jesus pede aos seus seguidores que não descartem a Lei, embora haja quem considere que ele próprio a tenha infringido, por exemplo na questão do sabath[94] (veja Críticas aos fariseus). Por isso, quando questionado sobre qual seria o principal mandamento, Jesus responde: «Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento (Mateus 22:37-38); continuando: «E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a lei e os profetas.» (Mateus 22:39-40). Entre os diversos ensinamentos de Jesus sobre ética estão amar os inimigos, reprimir o ódio e a luxúria, e oferecer a outra face (Mateus 5:21-44).[95]

Jesus cura um leprosomosaico medieval na Catedral de Monreale

As cerca de trinta parábolas dos evangelhos correspondem a cerca de um terço dos ensinamentos escritos de Jesus.[96][97] As parábolas na narrativa aparecem com sermões mais longos e em locais diferentes.[98] Muitas vezes apresentam elementos simbólicos e fazem a ponte entre os universos físico e espiritual.[99][100] Entre os temas mais comuns das parábolas estão a bondade e generosidade de Deus e os riscos da transgressão.[101] Algumas das parábolas, como a do Filho Pródigo (Lucas 15:11), são relativamente simples, enquanto outras, como a Parábola da Semente (Marcos 4:26-29), são de difícil compreensão.[102]

Nos textos dos evangelhos, Jesus dedica grande parte do seu ministério à realização de milagres, especialmente curas.[103] O conjunto dos quatro textos regista cerca de 35 ou 36 milagres.[104] Os milagres podem ser classificados em duas categorias principais: milagres de cura e milagres de natureza.[105] Os milagres de cura englobam curas para doenças físicas, exorcismos e ressurreições dos mortos.[106] Os milagres de natureza demonstram o domínio de Jesus sobre a natureza, entre os quais a transformação de água em vinho, o caminhar sobre as águas e a acalmia de uma tempestade. Jesus afirma que os seus milagres têm origem divina. Quando os seus oponentes o acusam de praticar exorcismos com o poder de Satanás, príncipe dos demónios, Jesus responde que os pratica pelo "Espírito de Deus" (Mateus 12:28) ou "Dedo de Deus" (Lucas 11:20).[94][107]

Em João, os milagres de Jesus são descritos como sinais, realizados com o intuito de demonstrar a sua missão e divindade.[108][109] No entanto, nos sinópticos, quando lhe é pedido que dê alguns sinais miraculosos para demonstrar a sua autoridade, Jesus recusa.[108] Ainda nos evangelhos sinópticos, é frequente a multidão reagir com deslumbramento e pressioná-lo para curar os doentes. Pelo contrário, o Evangelho de João indica que Jesus nunca foi pressionado pela multidão, e que esta muitas vezes respondia aos milagres com confiança e fé.[110] Uma característica comum em todos os milagres de Jesus no texto dos evangelhos é que eram feitos de livre vontade e nunca por pedido ou a troco de qualquer forma de pagamento.[111] Os episódios que contemplam descrições dos milagres de Jesus muitas vezes também incluem ensinamentos, enquanto os próprios milagres envolvem determinado elemento de ensino.[90] [112] Muitos dos milagres ensinam a importância da fé. Na cura dos leprosos e na ressurreição da filha de Jairo, por exemplo, é dito aos beneficiários que a sua cura se deveu à sua fé.[113][114]

Proclamação de Cristo e Transfiguração[editar]

Transfiguração de Jesus por Caracci, 1594

A cerca de metade do texto de cada um dos três Evangelhos, dois episódios relacionados entre si marcam um ponto de charneira na narrativa: a confissão de São Pedro e a Transfiguração de Jesus.[85][115] Ambos têm lugar perto de Cesareia de Filipe, ligeiramente a norte do mar da Galileia, durante o início da viagem final para Jerusalém que termina na Paixão e Ressurreição de Jesus.[116] Estes eventos marcam o início da revelação progressiva da identidade de Jesus aos seus discípulos e a sua previsão do seu próprio sofrimento e morte.[72][73][85]

A Confissão de Pedro começa com um diálogo entre Jesus e os seus discípulos em Mateus 16:13, Marcos 8:27 e Lucas 9:18. Em Mateus, Jesus pergunta aos discípulos: "E vós, quem dizeis que eu sou?". São Pedro responde "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo".[116][117][118] Jesus responde: "Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus." Com esta bênção, Jesus afirma que os títulos que Pedro lhe atribui são revelados de forma divina, desta forma declarando inequivocamente ser tanto Cristo como o Filho de Deus.[119][120]

O texto da Transfiguração aparece em Mateus 17:1-9, Marcos 9:2 e Lucas 9:28-36.[72][73][85] Jesus leva Pedro e dois apóstolos para uma montanha sem nome, onde se "transfigurou diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e os seus vestidos se tornaram brancos como a luz".[121] Uma nuvem brilhante aparece à sua volta, ouvindo-se uma voz celestial: "Este é o meu amado Filho, em quem me comprazo; escutai-o." (Mateus 17:1-9).[72] A Transfiguração confirma que Jesus é o Filho de Deus (tal como no seu batismo), e o pedido "escutai-o" identifica-o como mensageiro e porta-voz de Deus.[122]

Última semana: traição, prisão, julgamento e morte[editar]

A descrição da última semana de vida de Jesus, frequentemente chamada semana de Páscoa, ocupa cerca de um terço da narrativa nos evangelhos canónicos,[123] tendo início com a descrição da entrada triunfal em Jerusalém e terminando com a Crucificação.[64][88] A última semana em Jerusalém é a conclusão da jornada que Jesus iniciou na Galileia e que atravessou Pereia e a Judeia.[88] Pouco antes da entrada em Jerusalém, o Evangelho de João inclui a Ressurreição de Lázaro, a qual aumenta a tensão entre Jesus e as autoridades.[88]

Entrada final em Jerusalém[editar]

Entrada triunfal em Jerusalém de Jesus, por Jean-Léon Gérôme, 1897

Nos quatro evangelhos canónicos, a entrada final de Jesus em Jerusalém tem lugar durante o início da última semana da sua vida, poucos dias antes da Última Ceia, marcando o início da narrativa da Paixão.[124][125] Marcos e João identificam o dia da entrada em Jerusalém como sendo domingo, enquanto que Mateus indica que foi uma segunda; Lucas não indica o dia.[45][126][127] Depois de deixar Betânia, Jesus monta num burro em direção a Jerusalém. Pelo caminho, a população estende à sua frente capas e pequenos ramos, ao mesmo tempo que canta parte dos Salmos 118:25-26.[45][126][127] A multidão em ânimo que saudava Jesus ao entrar em Jerusalém ajudou a aumentar a animosidade contra ele por parte das instituições locais.[88]

Nos três evangelhos sinópticos, à entrada em Jerusalém segue-se a Purificação do Templo, durante a qual Jesus expulsa os cambistas do templo, acusando-os de o terem tornado um covil de ladrões através das suas atividades comerciais. Este é o único relato de todos os evangelhos em que Jesus recorre a força física.[128][129] João 2:13 inclui uma narração semelhante decorrida muito mais cedo, pelo que existe debate entre académicos sobre se a passagem se refere ao mesmo episódio.[128][129] Os sinópticos descrevem uma série de parábolas e sermões bastante conhecidos, como o Tostão da Viúva ou a Profecia da Segunda Vinda, que decorreram ao longo dessa semana.[45][127]

Os sinópticos registam episódios de conflitos entre Jesus e os anciãos judeus durante a Semana Santa, como o da autoridade de Jesus questionada e as críticas aos fariseus, nos quais Jesus os critica e acusa de hipocrisia.[45][127] Judas Iscariotes, um dos doze apóstolos, aborda os anciãos e negocia o pagamento de uma recompensa de trinta moedas de prata, pela qual se compromete a trair Jesus e a entregá-lo às autoridades.[130][131]

Última Ceia[editar]

Ver artigo principal: Última Ceia
Última Ceia, numa pintura de Juan de Juanes, século XVI

A Última Ceia é a última refeição que Jesus partilha com os seus doze apóstolos em Jerusalém antes da sua crucificação. A Última Ceia é mencionada nos quatro evangelhos canónicos, sendo também referida na Primeira Epístola aos Coríntios de Paulo (Coríntios 11:23).[36][37][132] Durante a refeição, Jesus prevê que um de seus apóstolos o trairá.[133] Apesar de cada apóstolo ter afirmado que não o iria trair, Jesus reitera que o traidor seria um dos presentes. Mateus 26:23-25 e João 13:26-27 identificam especificamente Judas como traidor.[36] [37][133]

Nos sinópticos, Jesus reparte o pão pelos discípulos ao mesmo tempo que diz: "Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim." Depois fá-los beber vinho por um cálice, dizendo: "Este cálix é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós." (Lucas 22:19-20).[36][134] O sacramento cristão da Eucaristia baseia-se neste evento.[135] Embora o Evangelho de João não inclua uma descrição do ritual do pão e do vinho durante a Última Ceia, a maior parte dos académicos concorda que o Discurso do Pão da Vida (João 6:58-59) possui um carácter eucarístico e se relaciona com as narrativas dos evangelhos sinópticos e com os textos de Paulo sobre a Última Ceia.[136]

Em todos os evangelhos, Jesus prevê que Pedro negará que o conhece por três vezes antes de o galo cantar na manhã seguinte.[137][138] Em Lucas e João, a profecia é feita durante a Ceia (Lucas 22:34, João 22:33). Em Mateus e Marcos, a profecia é feita após a Ceia, sendo também profetizado que Jesus será abandonado por todos os seus discípulos (Mateus 26:31-34, Marcos 14:27-30).[139] O Evangelho de João oferece o único relato de Jesus a lavar os pés dos discípulos antes da refeição.[53] João também inclui um longo sermão de Jesus, preparando os discípulos (agora sem Judas) para a sua partida. Os capítulos 14 a 17 do Evangelho de João são conhecidos por Discurso de despedida e são uma fonte significativa de conteúdos cristológicos.[140][141]

Agonia no jardim, traição e prisão[editar]

Beijo de Judas e da prisão de Jesus por Caravaggio, século XVII

Após a Última Ceia, Jesus dá um passeio para rezar, acompanhado pelos discípulos. Mateus e Marcos identificam o local como sendo o jardim do Getsémani, enquanto Lucas o identifica como sendo o Monte das Oliveiras.[139][142] Judas aparece no jardim acompanhado por uma multidão, entre a qual se encontram clérigos judaicos, anciãos e pessoas armadas. Judas beija Jesus para o identificar à multidão, que então o prende.[139][143] Tentando impedi-los, um dos discípulos de Jesus empunha uma espada para cortar a orelha de um homem.[139][143] Lucas afirma que Jesus cura a ferida por milagre, enquanto João e Mateus afirmam que Jesus critica o ato violento, ao mesmo tempo que incentiva os discípulos a não resistir à prisão. Em Mateus 26:52 Jesus afirma: "Todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão".[139][143] Após a prisão de Jesus, os seus discípulos escondem-se e Pedro, quando interrogado, por três vezes nega conhecer Jesus.[139] Após a terceira negação ouve-se o galo cantar e Pedro, ao se lembrar da profecia, chora em amargura.[137]

Julgamentos pelo Sinédrio, Herodes e Pilatos[editar]

Depois de ser preso, Jesus é levado para o Sinédrio, um corpo jurídico judaico.[144] O texto dos evangelhos difere nos detalhes dos julgamentos.[145] Em Mateus 26:57, Marcos 14:53 e Lucas 22:54, Jesus é levado para a casa do sacerdote Caifás, onde é espancado durante a noite. De manhã cedo, os clérigos e escribas levam Jesus ao tribunal.[143][146][147] João 18:12-14 afirma que Jesus é levado primeiro a Anás, sogro de Caifás, e depois ao sumo sacerdote, sem menção ao Sinédrio.[143][146][147]

Representação de Pôncio Pilatos a apresentar Jesus ao público. Antonio Ciseri, 1871

Durante os julgamentos, Jesus pouco fala, não articula nenhuma defesa e responde de forma vaga às questões dos clérigos, o que leva um oficial a esbofeteá-lo. Em Mateus 26:62, a falta de resposta de Jesus leva a que Caifás lhe pergunte: "Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?"[143][146][147] Em Marcos 14:61 o sumo sacerdote pergunta a Jesus: "És Tu o Cristo, Filho do Deus Bendito?" Jesus responde "Eu o sou", e em seguida profetiza a vinda do Filho do Homem.[94] Esta provocação faz com que Caifás se irrite e rasgue a própria túnica, acusando Jesus de blasfémia. Em Mateus e Lucas, a resposta de Jesus é mais ambígua.[94] [148] Em Mateus 26:64 responde: "Tu o disseste", e em Lucas 22:70 diz: "Vós dizeis que eu sou".[149][150]

Ao levar Jesus para o tribunal de Pilatos, os anciãos pedem ao governador que julgue e condene Jesus, acusando-o de se proclamar o Rei dos Judeus.[147] O uso do termo "rei" é essencial na discussão entre Jesus e Pilatos. Em João 18:36 Jesus declara: "O meu reino não é deste mundo", mas não nega inequivocamente ser o Rei dos Judeus.[151][152] Em Lucas 23:7-15 Pilatos apercebe-se de que Jesus é um galileu, estando portanto na jurisdição de Herodes.[153][154] Pilatos envia Jesus a Herodes para ser julgado,[155] mas este mantém o silêncio face às perguntas de Herodes. Herodes e os seus soldados escarnecem Jesus, vestem-lhe um manto luxuoso para o fazer parecer um rei, e o levam de volta a Pilatos,[153] que reúne os anciãos e anuncia que não considera este homem culpado.[155]

De acordo com um costume da época, Pilatos permite que a multidão escolha um prisioneiro para ser libertado. Dá a escolher entre Jesus e um assassino chamado Barrabás. Persuadida pelos anciãos (Mateus 27:20), a multidão escolhe libertar Barrabás e crucificar Jesus.[156] Pilatos escreve um sinal onde se lê: "Jesus Nazareno Rei dos Judeus",[157] abreviado para INRI nas representações do tema, para ser afixado na cruz de Jesus (João 19:9),[158] e em seguida flagela e envia Jesus para ser crucificado. Os soldados colocam-lhe na cabeça uma coroa de espinhos, ridicularizando-o como Rei dos Judeus, e espancando-o antes de o levarem para o Calvário[159] para ser crucificado.[143][147][160]

Crucificação e deposição[editar]

Jesus na cruz de Pietro Perugino, 1482

A crucificação de Jesus é descrita nos quatro evangelhos canónicos. Depois dos julgamentos, Jesus é levado para o Calvário carregando a cruz. O caminho que se pensa ter sido usado é conhecido por Via Dolorosa. Os três evangelhos sinópticos indicam que Simão de Cirene foi obrigado pelos romanos a ajudar Jesus.[161][162] Em Lucas 23:27-28 Jesus diz às mulheres no meio da multidão que o segue para não chorarem por ele, mas por si próprias e pelas suas crianças.[161] No Calvário, oferecem a Jesus um preparado analgésico. De acordo com Mateus e Marcos, Jesus recusa.[161][162]

Os soldados crucificam Jesus e removem a sua roupa. Acima da sua cabeça na cruz estava a inscrição de Pilatos, "Jesus Nazareno Rei dos Judeus",[157] ridicularizado por soldados e pessoas que passavam a pé. Jesus é crucificado entre dois ladrões condenados, um dos quais ataca Jesus, enquanto outro o defende.[161][163] Os soldados romanos partem as pernas a ambos os ladrões, uma técnica usada para acelerar a morte na cruz, mas não chegam a partir as de Jesus, uma vez que este já se encontra morto. Em João 19:34, um soldado perfura Jesus com uma lança, de cuja ferida brota água.[163] Em Mateus 27:51-54, quando Jesus morre, a cortina pesada do Templo volve-se e um terramoto abre os túmulos. Aterrorizado pelo evento, um centurião romano afirma que Jesus era de facto o Filho de Deus.[161][164]

No mesmo dia, José de Arimateia, com a permissão de Pilatos e a ajuda de Nicodemus, remove o corpo de Jesus da cruz, envolve-o em roupas lavadas e enterra-o num túmulo de pedra talhada.[161] Em Mateus 27:62, no dia seguinte os judeus pedem a Pilatos para o túmulo ser selado com uma pedra e vigiado, de modo a assegurar que o corpo aí permaneça.[161][48]

Ressurreição e ascensão[editar]

Ascensão de Jesus ao Paraíso. John Singleton Copley, 1775

O texto do Novo Testamento sobre a ressurreição de Jesus afirma que no primeiro dia da semana após a crucificação (geralmente interpretado como sendo o domingo), o seu túmulo é descoberto vazio e que os seus discípulos o encontram ressuscitado dentre os mortos. Os discípulos chegam ao túmulo de manhã cedo e encontram um ou dois seres (homens ou anjos) vestidos com túnicas brancas. Marcos 16:9 e João 20:15 indicam que Jesus aparece primeiro a Maria Madalena, e Lucas 24:1 afirma que ela é uma dos mirróforos (na tradição oriental) ou das Três Marias (na ocidental).[40][165]

Depois de descobrirem o túmulo vazio, Jesus realiza uma série de aparições aos discípulos.[40] Entre elas está a Dúvida de Tomé e a aparição na estrada aos Emaús, em que Jesus encontra dois discípulos. A segunda pesca milagrosa é um milagre no mar da Galileia, após o qual Jesus encoraja Pedro a servir os seus seguidores.[40][165]

Antes de ascender ao Céu, Jesus instrui os discípulos a espalhar a palavra sobre os seus ensinamentos em todas as nações do mundo. Lucas 24:51 afirma que Jesus é então levado ao Céu. O relato da ascensão é elaborado em Atos 1:1-11 e mencionado em Timóteo 3:16. Nos Atos, quarenta dias depois da Ressurreição, quando os discípulos olham para cima, encontram Jesus elevado, tendo sido levado por uma nuvem. Pedro 3:22 afirma que Jesus foi levado para o Céu e é agora a mão direita de Deus.[40]

Os Atos dos Apóstolos descrevem várias aparições de Jesus em visões após a sua Ascensão. Atos 7:55 descreve uma visão vivenciada por Santo Estêvão pouco antes de morrer.[166] Na estrada para Damasco, o apóstolo Paulo é convertido ao cristianismo depois da visão de uma luz ofuscante e de ter ouvido uma voz dizer: "Eu sou Jesus, a quem tu persegues" (Atos 9:5).[167][168] Em Atos 9:10-18, Jesus instrui Ananias de Damasco a curar Paulo. É o último diálogo com Jesus citado na Bíblia até ao Livro da Revelação,[167][168] no qual um homem chamado João vivencia uma revelação de Jesus sobre os últimos dias.[169]

  1. Meier, John P. (1991). A Marginal Jew: The roots of the problem and the person. [S.l.]: Yale University Press. p. 407. ISBN 978-0-300-14018-7 
  2. Rahner 2004, p. 732.
  3. Sanders 1993, pp. 10–11.
  4. Finegan, Jack (1998). Handbook of Biblical Chronology, rev. ed. [S.l.]: Hendrickson Publishers. p. 319. ISBN 978-1-56563-143-4 
  5. Brown, Raymond E. (1977). The birth of the Messiah: a commentary on the infancy narratives in Matthew and Luke. [S.l.]: Doubleday. p. 513. ISBN 978-0-385-05907-7 
  6. 6,0 6,1 Humphreys, Colin J.; Waddington, W.G. (1992). «The Jewish Calendar, a Lunar Eclipse and the Date of Christ's Crucifixion» (PDF). Tyndale Bulletin. 43 (2): 340 
  7. Dunn 2003, p. 339.
  8. Ehrman 1999, p. 101.
  9. Crossan & Watts 1999, p. 96.
  10. Eddy & Boyd 2007, p. 173.
  11. Vermes 1981, pp. 20, 26, 27, 29.
  12. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, p. 114.
  13. Maier 1989, p. 124.
  14. Levine 2006, p. 4.
  15. Borg, Marcus J. (2006). «The Spirit-Filled Experience of Jesus». In: Dunn, James D.G.; McKnight, Scot. The Historical Jesus in Recent Research. Eisenbrauns. p. 303. ISBN 978-1-57506-100-9 
  16. Maier 1989, pp. 115–118.
  17. 17,0 17,1 Niswonger 1992, pp. 121–122.
  18. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, pp. 137–138.
  19. Niswonger 1992, pp. 122–124.
  20. 20,0 20,1 Vermes, Géza (2010). The Nativity: History and Legend. [S.l.]: Random House Digital. pp. 81–82. ISBN 978-0-307-49918-9 
  21. Dunn 2003, p. 324.
  22. 22,0 22,1 Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, p. 140.
  23. 23,0 23,1 Freedman 2000, p. 249.
  24. Maier 1989, pp. 120–121.
  25. Maier 1989, p. 123.
  26. Evans, Craig (2006). «Josephus on John the Baptist». In: Levine, Amy-Jill; Allison, Dale C.; Crossan, John D. The Historical Jesus in Context. Princeton University Press. pp. 55–58. ISBN 978-0-691-00992-6 
  27. Gillman, Florence M. (2003). Herodias: at home in that fox's den. [S.l.]: Liturgical Press. pp. 25–30. ISBN 978-0-8146-5108-7 
  28. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, p. 398.
  29. Theissen & Merz 1998, pp. 81–83.
  30. Green, Joel B. (1997). The gospel of Luke: New International Commentary on the New Testament Series. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 168. ISBN 978-0-8028-2315-1 
  31. Carter 2003, pp. 44–45.
  32. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, p. 398–400.
  33. Barnett, Paul (2002). Jesus & the Rise of Early Christianity: A History of New Testament Times. [S.l.]: InterVarsity Press. p. 21. ISBN 978-0-8308-2699-5 
  34. Pratt, J. P. (1991). «Newton's Date for the Crucifixion». Journal of the Royal Astronomical Society. 32: 301–304 
  35. 35,0 35,1 Blomberg 2009, pp. 441–442.
  36. 36,0 36,1 36,2 36,3 Fahlbusch, Erwin (2005). The Encyclopedia of Christianity. 4. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 53–56. ISBN 978-0-8028-2416-5 
  37. 37,0 37,1 37,2 Evans 2003, pp. 465–477.
  38. 38,0 38,1 Bruce, Frederick F. (1988). The Book of the Acts. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 362. ISBN 978-0-8028-2505-6 
  39. Rausch 2003, p. 77.
  40. 40,0 40,1 40,2 40,3 40,4 Evans 2003, pp. 521–530.
  41. Brown 1997, pp. 835–840.
  42. Chilton & Evans 1998, p. 482.
  43. Sanders 1993, p. 3.
  44. Brown, Raymond E. (1978). Mary in the New Testament. [S.l.]: Paulist Press. p. 163. ISBN 978-0-8091-2168-7 
  45. 45,0 45,1 45,2 45,3 45,4 Boring & Craddock 2004.
  46. Mills & Bullard 1998, p. 556.
  47. 47,0 47,1 47,2 Marsh, Clive; Moyise, Steve (2006). Jesus and the Gospels. [S.l.]: Clark International. p. 37. ISBN 978-0-567-04073-2 
  48. 48,0 48,1 Morris 1992.
  49. 49,0 49,1 49,2 Jeffrey, David L. (1992). A Dictionary of biblical tradition in English literature. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 538–540. ISBN 978-0-85244-224-1 
  50. Cox & Easley 2007, pp. 30–37.
  51. Brownrigg, Ronald (2002). Who's Who in the New Testament. [S.l.]: Taylor & Francis. pp. 96–100. ISBN 978-0-415-26036-7 
  52. 52,0 52,1 Talbert, Charles H. (2010). Matthew. [S.l.]: Baker Academic. pp. 29–30. ISBN 978-0-8010-3192-2 
  53. 53,0 53,1 Harris, Stephen L. (1985). Understanding the Bible. [S.l.]: maiofield. pp. 272–85. ISBN 978-0-07-296548-3 
  54. Schnackenburg, Rudolf (2002). The Gospel of Matthew. [S.l.]: Wm.B. Eerdmans Publishing. pp. 9–11. ISBN 978-0-8028-4438-5 
  55. Perrotta, Louise B. (2000). Saint Joseph: His Life and His Role in the Church Today. [S.l.]: Our Sunday Visitor Publishing. pp. 21, 110–112. ISBN 978-0-87973-573-9 
  56. Bromiley, Geoffrey W. (1995). International Standard Bible Encyclopedia: A–D. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 551. ISBN 978-0-8028-3781-3 
  57. John Painter (1 de abril de 2005). Just James: The Brother of Jesus in History and Tradition. [S.l.]: Continuum. pp. 2–4. ISBN 978-0-567-04191-3 
  58. David Gowler (23 de setembro de 2013). James Through the Centuries. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 30–34. ISBN 978-1-118-52788-7 
  59. Vine 1940, p. 170.
  60. Liddell, Henry G.; Scott, Robert (1889). An Intermediate Greek–English Lexicon: The Seventh Edition of Liddell and Scott's Greek–English Lexicon. [S.l.]: Clarendon Press. p. 797 
  61. Dickson 2008, pp. 68–69.
  62. Fiensy, David (2007). Jesus the Galilean. [S.l.]: Gorgias Press. p. 74. ISBN 978-1-59333-313-3 
  63. Ross, Leslie (1996). Medieval art: a topical dictionary. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 30. ISBN 978-0-313-29329-0 
  64. 64,0 64,1 64,2 Blomberg 2009, pp. 224–229.
  65. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, pp. 141–143.
  66. 66,0 66,1 66,2 McGrath 2006, pp. 16–22.
  67. Nichols, Lorna D. (2009). Big Picture of the Bible – New Testament. [S.l.]: WinePress Publishing. p. 12. ISBN 978-1-57921-928-4 
  68. Sloyan, Gerard S. (1987). John. [S.l.]: Westminster John Knox Press. p. 11. ISBN 978-0-664-23436-2 
  69. 69,0 69,1 Dunn, James D.G.; Rogerson, John W. (2003). Eerdmans commentary on the Bible. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 1010. ISBN 978-0-8028-3711-0 
  70. 70,0 70,1 70,2 Zanzig, Thomas (2000). Jesus of history, Christ of faith. [S.l.]: Saint Mary's Press. p. 118. ISBN 978-0-88489-530-5 
  71. 71,0 71,1 Majerník, Ponessa & Manhardt 2005, pp. 27–31.
  72. 72,0 72,1 72,2 72,3 Lee 2004, pp. 21–30.
  73. 73,0 73,1 73,2 Harding, Mark; Nobbs, Alanna (2010). The Content and the Setting of the Gospel Tradition. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 281–282. ISBN 978-0-8028-3318-1 
  74. Niswonger 1992, pp. 143–146.
  75. Redford 2007, pp. 95–98.
  76. Sheen, Fulton J. (2008). Life of Christ. [S.l.]: Random House. p. 65. ISBN 978-0-385-52699-9 
  77. Boring & Craddock 2004, p. 292.
  78. Brown 1988, pp. 25–27.
  79. Boring & Craddock 2004, pp. 292–293.
  80. Patella, Michael F. (2009). «The Gospel According to Luke». In: Durken, Daniel. New Collegeville Bible Commentary: New Testament. Liturgical Press. p. 255. ISBN 978-0-8146-3260-4 
  81. 81,0 81,1 Redford 2007, pp. 117–130.
  82. Vaught, Carl G. (2001). The Sermon on the mount: a theological investigation. [S.l.]: Baylor University Press. pp. xi–xiv. ISBN 978-0-918954-76-3 
  83. Redford 2007, pp. 143–160.
  84. Nash, Henry S. (1909). «Transfiguration, The». In: Jackson, Samuel M. The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Thought: Son of Man-Tremellius V11. Funk & Wagnalls Company. p. 493. ISBN 978-1-4286-3189-2 
  85. 85,0 85,1 85,2 85,3 Barton, Stephen C. The Cambridge companion to the Gospels. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 132–133. ISBN 978-0-521-80766-1 
  86. Cox & Easley 2007, p. 137.
  87. Redford 2007, pp. 211–229.
  88. 88,0 88,1 88,2 88,3 88,4 88,5 Cox & Easley 2007, pp. 155–170.
  89. Redford 2007, pp. 257–274.
  90. 90,0 90,1 90,2 Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome WPent212
  91. Walvoord & Zuck 1983, p. 346.
  92. Köstenberger, Andreas J. (1998). The missions of Jesus and the disciples according to the Fourth Gospel. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 108–109. ISBN 978-0-8028-4255-8 
  93. France 2007, p. 102.
  94. 94,0 94,1 94,2 94,3 94,4 Sanders, Ed P.; Pelikan, Jaroslav J. «Jesus Christ». Encyclopædia Britannica. Consultado em 13 de abril de 2013 
  95. Stassen, Glen H.; Gushee, David P. (2003). Kingdom Ethics: Following Jesus in Contemporary Context. [S.l.]: InterVarsity Press. pp. 102–103, 138–140, 197–198, 295–298. ISBN 978-0-8308-2668-1 
  96. Osborn, Eric F. (1993). The emergence of Christian theology. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 98. ISBN 978-0-521-43078-4 
  97. Pentecost, J. Dwight (1998). The parables of Jesus: lessons in life from the Master Teacher. [S.l.]: Kregel Publications. p. 10. ISBN 978-0-8254-9715-5 
  98. Howick, E. Keith (2003). The Sermons of Jesus the Messiah. [S.l.]: WindRiver Publishing. pp. 7–9. ISBN 978-1-886249-02-8 
  99. Lisco, Friedrich G. (1850). The Parables of Jesus. [S.l.]: Daniels and Smith Publishers. pp. 9–11 
  100. Oxenden, Ashton (1864). The parables of our Lord?. [S.l.]: William Macintosh Publishers. p. 6 
  101. Blomberg, Craig L. (2012). Interpreting the Parables. [S.l.]: InterVarsity Press. p. 448. ISBN 978-0-8308-3967-4 
  102. Boucher, Madeleine I. «The Parables». BBC. Consultado em 3 de junho de 2013 
  103. Green, McKnight & Marshall 1992, p. 299.
  104. Phillips, John (2007). Jesus Our Lord: 24 Portraits of Christ Throughout Scripture. [S.l.]: Kregel Publications. p. 102. ISBN 978-0-8254-9617-2 
  105. Twelftree 1999, p. 350.
  106. Green, McKnight & Marshall 1992, p. 300.
  107. Hindson, Edward E.; Mitchell, Daniel R. (2010). Zondervan King James Version Commentary: New Testament. [S.l.]: Zondervan. p. 100. ISBN 978-0-310-25150-7 
  108. 108,0 108,1 Achtemeier, Paul J.; Green, Joel B.; Thompson, Marianne M. (2001). Introducing the New Testament: Its Literature and Theology. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 198. ISBN 978-0-8028-3717-2 
  109. Ehrman, Bart D. (2009). Jesus, Interrupted: Revealing the Hidden Contradictions in the Bible (And Why We Don't Know About Them). [S.l.]: HarperCollins. p. 84. ISBN 978-0-06-186328-8 
  110. Twelftree 1999, p. 236.
  111. van der Loos, Hendrik (1965). The Miracles Of Jesus. [S.l.]: Brill. p. 197 
  112. Twelftree 1999, p. 95.
  113. Donahue & Harrington 2002, p. 182.
  114. Lockyer, Herbert (1988). All the Miracles of the Bible. [S.l.]: Zondervan. p. 235. ISBN 978-0-310-28101-6 
  115. Kingsbury, Jack D. (1983). The Christology of Mark's Gospel. [S.l.]: Fortress Press. pp. 91–95. ISBN 978-1-4514-1007-5 
  116. 116,0 116,1 Karris, Robert J. (1992). The Collegeville Bible Commentary: New Testament. [S.l.]: Liturgical Press. pp. 885–886. ISBN 978-0-8146-2211-7 
  117. Kingsbury, Jack D.; Powell, Mark A.; Bauer, David R. (1999). Who do you say that I am? Essays on Christology. [S.l.]: Westminster John Knox Press. p. xvi. ISBN 978-0-664-25752-1 
  118. Donahue & Harrington 2002, p. 336.
  119. Yieh, John Y. H. (2004). One teacher: Jesus' teaching role in Matthew's gospel. [S.l.]: Walter de Gruyter. pp. 240–241. ISBN 978-3-11-018151-7 
  120. Pannenberg 1968, pp. 53–54.
  121. Lee 2004, pp. 72–76.
  122. Andreopoulos, Andreas (2005). Metamorphosis: the Transfiguration in Byzantine theology and iconography. [S.l.]: St Vladimir's Seminary Press. pp. 47–49. ISBN 978-0-88141-295-6 
  123. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Turner613
  124. Boring & Craddock 2004, pp. 256–258.
  125. Evans 2005, pp. 114–118.
  126. 126,0 126,1 Majerník, Ponessa & Manhardt 2005, pp. 133–134.
  127. 127,0 127,1 127,2 127,3 Evans 2003, pp. 381–395.
  128. 128,0 128,1 Evans 2005, p. 49.
  129. 129,0 129,1 Anderson, Paul N. (2006). The Fourth Gospel And the Quest for Jesus. [S.l.]: Continuum. p. 158. ISBN 978-0-567-04394-8 
  130. Lockyer, Herbert (1988). All the Apostles of the Bible. [S.l.]: Zondervan. pp. 106–111. ISBN 978-0-310-28011-8 
  131. Hayes, Doremus A. (2009). The Synoptic Gospels and the Book of Acts. [S.l.]: HardPress. p. 88. ISBN 978-1-313-53490-1 
  132. Cox & Easley 2007, pp. 180–191.
  133. 133,0 133,1 Cox & Easley 2007, p. 182.
  134. Cross, F. L.; Livingstone, E. A. (2005). «Eucharist». Oxford Dictionary of the Christian Church. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-280290-3 
  135.  Pohle, Joseph (1913). «The Blessed Eucharist as a Sacrament». In: Herbermann, Charles. Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  136. Freedman 2000, p. 792.
  137. 137,0 137,1 Perkins, Pheme (2000). Peter: apostle for the whole church. [S.l.]: Fortress Press. p. 85. ISBN 978-1-4514-1598-8 
  138. Lange, Johann P. (1865). The Gospel according to Matthew, Volume 1. [S.l.]: Charles Scribner Co. p. 499 
  139. 139,0 139,1 139,2 139,3 139,4 139,5 Walvoord & Zuck 1983, pp. 83–85.
  140. O'Day, Gail R.; Hylen, Susan (2006). John. [S.l.]: Westminster John Knox Press. pp. 142–168. ISBN 978-0-664-25260-1 
  141. Ridderbos, Herman (1997). The Gospel according to John. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 546–576. ISBN 978-0-8028-0453-2 
  142. Majerník, Ponessa & Manhardt 2005, p. 169.
  143. 143,0 143,1 143,2 143,3 143,4 143,5 143,6 Evans 2003, pp. 487–500.
  144. Brown 1997, p. 146.
  145. Bromiley, Geoffrey W. (1988). International Standard Bible Encyclopedia: E–J. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. pp. 1050–1052. ISBN 978-0-8028-3782-0 
  146. 146,0 146,1 146,2 Blomberg 2009, pp. 396–400.
  147. 147,0 147,1 147,2 147,3 147,4 Holman Concise Bible Dictionary. [S.l.]: B&H Publishing Group. 2011. pp. 608–609. ISBN 978-0-8054-9548-5 
  148. Evans 2003, p. 495.
  149. Blomberg 2009, pp. 396–398.
  150. O'Toole, Robert F. (2004). Luke's presentation of Jesus: a christology. [S.l.]: Editrice Pontificio Istituto Biblico. p. 166. ISBN 978-88-7653-625-0 
  151. Binz, Stephen J. (2004). The Names of Jesus. [S.l.]: Twenty-Third Publications. pp. 81–82. ISBN 978-1-58595-315-8 
  152. Ironside, H. A. (2006). John. [S.l.]: Kregel Academic. p. 454. ISBN 978-0-8254-9619-6 
  153. 153,0 153,1 Niswonger 1992, p. 172.
  154. Majerník, Ponessa & Manhardt 2005, p. 181.
  155. 155,0 155,1 Carter 2003, pp. 120–121.
  156. Blomberg 2009, pp. 400–401.
  157. 157,0 157,1 «A Bíblia» 
  158. Brown 1988, p. 93.
  159. Senior, Donald (1985). The Passion of Jesus in the Gospel of Matthew. [S.l.]: Liturgical Press. p. 124. ISBN 978-0-8146-5460-6 
  160. Blomberg 2009, p. 402.
  161. 161,0 161,1 161,2 161,3 161,4 161,5 161,6 Evans 2003, pp. 509–520.
  162. 162,0 162,1 Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, pp. 211–214.
  163. 163,0 163,1 Doninger 1999, p. 271.
  164. Köstenberger, Kellum & Quarles 2009, pp. 213–214.
  165. 165,0 165,1 Cox & Easley 2007, pp. 216–226.
  166. Frederick F., Bruce (1990). The Acts of the Apostles. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. p. 210. ISBN 978-0-8028-0966-7 
  167. 167,0 167,1 Wiersbe, Warren W. (2007). The Wiersbe Bible Commentary: The Complete New Testament. [S.l.]: David C Cook. pp. 350–352. ISBN 978-0-7814-4539-9 
  168. 168,0 168,1 Johnson, Luke T.; Harrington, Daniel J. (1992). The Acts of the Apostles. [S.l.]: Liturgical Press. pp. 164–167. ISBN 978-0-8146-5807-9 
  169.  Van den Biesen, Christian (1913). «Apocalypse». In: Herbermann, Charles. Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "nota", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="nota"/> correspondente



Read or create/edit this page in another language[editar]