Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Jorge Fernando dos Santos

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki


Jorge Fernando dos Santos (Belo Horizonte, 23 de abril de 1956) é um jornalista, escritor e compositor brasileiro. Colaborou em vários veículos de imprensa, como o Suplemento Literário do Minas Gerais e o jornal Estado de Minas, no qual trabalhou por quase duas décadas como repórter, articulista, cronista e editor de cultura, suplementos e revistas. Editou a revista "Passo a passo", do Sebrae-MG, e prestou vários serviços como assessor de comunicação. Seu nome é verbete no "Dicionário biográfico imprensa mineira", de André Carvalho e Waldemar Barbosa (Editora Armazém de Ideias, 1994); no "Dicionário bibliográfico de escritores mineiros", organizado por Constância Lima Duarte (Editora Autêntica, 2010); e no site do "Dicionário Cravo Albin da MPB". Integrou o grupo de escritores denominado Coletivo 21 e mantém um blog no seu site pessoal. Escreve nas revistas "Sagarana" e "Dom total" (virtual).

Obra literária[editar]

Jorge Fernando dos Santos tem 44 livros publicados, entre eles o romance "Palmeira seca" (Prêmio Guimarães Rosa em 1989), adaptado para teatro e minissérie de TV, sendo traduzido na Itália, onde foi tese de mestrado de Eleonora Casani. Num artigo publicado em 1991 na revista World Literature Today, o brasilianista Malcolm Silverman descreveu o livro como "um extraordinário pedaço de saga condensada". Em 1994, numa edição dos Cadernos de Pesquisa da UFMG, a professora de literatura Letícia Malard destacou que esse romance "busca construir uma parcela da memória rural com uma força de linguagem incomum em escritor jovem". Seu livro "O rei da rua" também foi adaptado para TV e esgotou mais de 20 edições pela Atual Editora. Lançou em 2005, pela Paulus Editora, o "ABC da MPB", que inclui um CD com músicas de sua autoria. A publicação recebeu o selo de Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) e integrou o catálogo da Feira de Livros de Bolonha, na Itália. Estreou na Editora Paulinas em 2006 com o livro de haicais "Pó de palavra", que traz encartado um CD no qual fala os poemas tendo ao fundo músicas do compositor Kristoff Silva. No ano seguinte publicou pela mesma editora o "Cordel das lendas bovinas". Esses dois trabalhos também integraram o catálogo brasileiro para a Feira de Bolonha. Em 2010 lançou quatro livros infantis pelo selo Pruminho da Editora Prumo e, em 2011, estreou no selo Positivo relançando "O menino e a rolinha" e publicando "O menino que perdeu a sombra", que integrou o catálogo brasileiro da Feira de Livros de Frankfurt, Alemanha. Ficou em segundo lugar no 7º Prêmio Barco a Vapor com a novela "Alguém tem que ficar no gol", livro finalista do Prêmio Jabuti, em 2014. Em 2012, ajudou a editar "Coletivo 21" e organizou a antologia de contos "Adolescência & cia" para a Editora Miguilim - ambos adotados pelo PNBE. Nesse mesmo ano, foi finalista e ganhou menção honrosa no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte com o romance "Condomínio solidão", posteriormente publicado pela Amazon/Kindle. Seu livro "Alguém tem que ficar no gol" foi finalista do Prêmio Jabuti 2014, na categoria juvenil. "Vandré - o homem que disse não" ficou entre os quatro finalistas do Prêmio APCA 2015, na categoria memória.

Obra musical[editar]

Com mais de 60 canções gravadas por vários intérpretes, a trajetória musical de Jorge Fernando dos Santos inclui a coprodução dos discos "Belôricéia" (1997), com parcerias com Angelo Pinho e Clésio Vargas na voz de Helena Penna, ganhadora do Prêmio Sharp como cantora revelação da MPB de 1995; "Palmeira seca" (2001), trilha sonora para a minissérie adaptada do seu livro homônimo, em parceria com o violeiro Chico Lobo e várias participações especiais; e "ABC da MPB" (2005), com canções que ilustram os dez capítulos do livro de mesmo nome nas vozes de Déa Trancoso, Kristoff Silva, Lígia Jacques e Henrique Santana, com Tabajara Belo nas cordas. Um de seus parceiros nesse disco, o compositor Valter Braga, ganhou o prêmio de melhor letrista no Festival da Nova Música Brasileira, realizado em 2005 pela TV Cultura de São Paulo. Kristoff ficou em terceiro lugar no Prêmio Visa de compositores, em 2006, e Déa recebeu quatro indicações para o Prêmio Tim, em 2007, com o CD solo "Tum tum tum". Tudo isso comprova a qualidade dos nomes envolvidos no projeto lítero-musical do escritor. Em 2009, Jorge produziu o disco "Choro cantado", na voz de Lígia Jacques, com violão, arranjos e direção musical de Rogério Leonel. Lançado em 2010, o CD elogiado no blog do jornalista Luis Nassif reúne cinco clássicos do choro e cinco músicas de sua autoria (três em parceria com Valter Braga, uma com Rogério e uma com Chiquinha Gonzaga). Com direção artística de Jairo de Lara e participações especiais de Ausier Vinícius (cavaquinho), Celso Adolfo (vocal) e Hudson Brasil (Bandolim), o trabalho foi dedicado à cantora Ademilde Fonseca, a rainha do choro. Em 2016, lançou a coletânea "Travessia no tempo", reunindo suas parcerias com Valter Braga.

Outras atividades[editar]

Jorge Fernando dos Santos colaborou em diversos órgãos de comunicação, entre eles o Jornal de Minas; Jornal de Casa; Diário de Minas; Diário da Tarde; Diário do Comércio; Suplemento Literário do Minas Gerais; Jornal de Letras, Artes e Ideias (em Portugal) e a Rede Globo, para a qual escreveu um episódio para o programa "Você decide" e um documentário sobre a arquitetura de Belo Horizonte por ocasião do centenário da cidade. Em 2001, Breno Milagres adaptou seu romance "Palmeira seca" para minissérie da Rede Minas. Em 2005, contracenou com Jackson Antunes na última cena de "Confronto final", longa-metragem de Alonso Gonçalves, e seu conto "Amor estranho" foi transformado em curta-metragem pelo cineasta Melquíades Lima de Almeida, com música de Rufo Herrera. Em 2008, foi pesquisador e redator do programa "Nos braços da viola", apresentado por Saulo Laranjeira na TV Brasil e emissoras educativas com os maiores violeiros do país. Atuou como curador da 1ª Literata, em Sete Lagoas, em 2010. Publica artigos, crônicas e contos em diversos sites de literatura e jornalismo, entre eles o Dom Total e Observatório da Imprensa, ministra oficinas e participa de feiras e salões de literatura em diferentes pontos do país.

Bibliografia[editar]

  • "Teatro mineiro – entrevistas & críticas" (Imprensa Oficial MG,1984)
  • "O pintinho pedrês" (Editora RHJ, 1990)
  • "O boi da cara branca" (Editora RHJ, 1991)
  • "O rei da rua" (Atual Editora, 1993, relançamento)
  • "O roubo do vinho" (Editora Lê, 1994)
  • "O menor espetáculo da Terra" (Formato Editorial, 1994)
  • "Chuvas de abril" (Editora Mercado Aberto, 1994)
  • "BH em cena" (Livraria Del Rey Editora, 1995)
  • "Morte à meia-noite" (Editora Lê, 1996)
  • "E a Terra parou novamente" (Atual Editora, 1998)
  • "Álbum de retratos" (Formato Editorial, 1998)
  • "Fábrica de notícias" (Editora Miguilim, 2000)
  • "Crônicas do Brazyl" (Mazza Edições, 2000)
  • "Todo mundo é filho da mãe" (Editora Ciência Moderna, 2003)
  • "Palmeira seca" (Atual Editora, 2003, relançamento)
  • "Como escrever - literatura, jornalismo, teatro e cinema" (Editora Ciência Moderna, 2003)
  • "No clarão das águas" (Paulus Editora, 2004)
  • "ABC da MPB" (Paulus Editora, 2005)
  • "Pó de palavra" (Editora Paulinas, 2006)
  • "Cordel das lendas bovinas" (Editora Paulinas, 2007)
  • "O camaleão azul" (Atual Editora, 2007, relançamento)
  • "A medalha cigana" (Paulus Editora, 2008, relançamento)
  • "Caiçara" (Conceito editorial, 2008)
  • "Procura-se um fantasma" (Atual Editora, 2009)
  • "Alice no país da natureza" (Paulus Editora, 2009)
  • "As cores no mundo de Lúcia" (Paulus Editora, 2010)
  • "Coleção natureza viva", quatro volumes: "Feira de aves", "Lindo jardim", "Passeio no zoo" e "Vida no mar" (Selo Pruminho, Editora Prumo, 2010)
  • "Caminhante noturno"(Selo Terceira Margem, Editora Multifoco, 2010)
  • "Sumidouro das almas" (Atual Editora, 2010, relançamento)
  • "Reportagem mortal" (Editora Saraiva, 2010, relançamento)
  • "Primavera dos mortos" (Atual Editora, 2011)
  • "O menino e a rolinha" (Editora Positivo, 2011, relançamento)
  • "O menino que perdeu a sombra" (Editora Positivo, 2011)
  • "Ave viola - cordel da viola caipira" (Paulus Editora, 2012)
  • "Alguém tem que ficar no gol" (Edições SM, 2013)
  • "Cordel da bola que rol a - a história e as lendas do futebol" (Paulus Editora, 2013)
  • "Vandré - o homem que disse não" (Geração Editorial, 2015)
  • "Cordel do Rio Chico" (Paulus Editora, 2016)
  • "Condomínio solidão" (Amazon/Kindle, 2016)
  • "A turma da Savassi" (Editora Quixote, 2018)
Em colaboração
  • "Cachaças Minas Gerais" (Sebrae-MG, 2010)
  • "A mágica da música - introdução ao ensino musical", com Eugênio Britto (Mazza Editora, 2015)
  • "Jaceguai, 27", em parceria com Leilla Afonso (Mundo Produções, 2017)
Em antologias
  • "Momentos de Minas - fotos e textos" (Editora Ática/Rede Globo, 1984)
  • "Novos contistas mineiros" (Editora Mercado Aberto, 1988)
  • "Flor de vidro – contos" (Editora Arte Quintal, 1990)
  • "Vereda literária – entrevistas" (UNI-BH, 1997)
  • "Zero, zero, zero – Contos 2000" (Editora Komedi, 2000)
  • "Poesia" (A Tela e o Texto/UFMG, 2005)
  • "Belo Horizonte em verso e prosa" (A tela e o texto/UFMG, 2008)
  • "Coletivo 21" (Autêntica Editora, 2011)
  • "Adolescência & cia" (Editora Miguilim, 2012)
  • "Todo livro ama as crianças" (Editora Aletria, 2012)
  • "Porcós, pulgos e fogo-apagous" (Imprensa Oficial MG, 2013)
  • "Mulheres" (Mazza Editora, 2014)
  • "O Gigante do Ar - A história da Rádio Inconfidência narrada por Ricardo Parreiras e convidados" (2014)

Dramaturgia[editar]

  • "Garimpo - lugar ao sol" (texto premiado em concurso do Palácio das Artes, encenado em 1981 e 1987 pelo Teatro Universitário da UFMG)
  • "Chico Viola" (com Angelo Pinho, 1985, Troféu João Ceschiatti de melhor texto estreante)
  • "O avesso da terra" (texto inédito premiado em concurso e publicado pelo Inacen em 1987)
  • "Crápula - O Diabólico Sedutor" (1988)
  • "A rebelião dos poetas" (texto escrito para a Fundação Clóvis Salgado em 1989, Troféu Fundacen de melhor texto estreante)
  • "Álbum rasgado" (leitura dramática em 1995 e montagem em 2003)
  • "Pérolas do Tejo" (com Carlos Nunes, 1998; várias vezes reencenado)
  • "Palmeira seca" (adaptação de Ricardo Figueiredo e Sérgio Abritta, 1998)
  • "De bambolê no andaime" (com Valter Braga, 2003)
  • "ABC da MPB" (texto para o projeto Música na Escola, 2007)

Discografia[editar]

Coproduziu os discos com músicas de sua autoria:

  • "Belôricéia", Helena Penna, 1997 - CD independente
  • "Chico Lobo e convidados - Palmeira seca", 2001 - CD distribuído pelo selo Karmim
  • "ABC da MPB", Déa Trancoso, Kristoff Silva e outros, 2005 - CD encarte do livro publicado pela Paulus Editora
  • "50", coletânea com vários intérpretes, 2006 - CD independente com tiragem limitada
  • "Choro cantado", Lígia Jacques, 2010 - CD independente dedicado a Ademilde Fonseca
  • "Coletânea Helena Penna", 2012 - CD independente
  • "Travessia no tempo", 2016 - CD coletânea independente
  • Tem músicas gravadas em mais de 30 CDs de outros artistas

Ligações externas[editar]


Este artigo "Jorge Fernando dos Santos" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Jorge Fernando dos Santos.