Lúcia Romano

Da wiki EverybodyWiki Bios & Wiki
Ir para: navegação, pesquisa


Lúcia Romano é o nome artístico da atriz e pesquisadora teatral Lúcia Regina Vieira Romano. Nascida em Taubaté, no estado de São Paulo e criada na capital paulista, tem formação artística diversificada, com múltiplas inserções na área das artes cênicas. Bacharel em Teoria do Teatro pela ECA-USP, especializou-se em Dança-Teatro pela ECA-USP e em Dance Studies, pelo Laban Centre London. Profissionalizou-se como atriz na EAD- USP e cursou mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC – SP e doutorado em Artes Cênicas na ECA – USP.

Trajetória profissional[editar | editar código-fonte]

Estreou profissionalmente com o grupo Barca de Dionisos, do qual é fundadora, juntamente com Cibele Forjaz. Atuou em espetáculos dirigidos por William Pereira (Leonce e Lena e O Burguês Fidalgo - B), Antônio Araújo (Alta Áustria), Cibele Forjaz (O Lamento de Ariadne, A Menor Dor e O Homem da Flor na Boca), Maria Thais (Sacromaquia e Tauromaquia), Gabriel Vilela (Vem Buscar-me Que Ainda Sou Teu e A Aurora da Minha Vida), Hélio Cícero (Atos de Violência), Yara de Novaes (Caminho Para Meca), Raquel Ornellas (Escada de Giz), Roberto Lage (Tamara), Iacov Hillel (Angels in America, O Lago dos Cisnes, As Polacas e O Enigma Blavatski), Mauro Rasi (Pérola), Vladimir Capella (Clarão nas Estrelas), Marco Antônio Brás (Geração Trianon) e Paulo Faria (O Índio e Um Certo Faroeste Caboclo), entre outros.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Atuou na telenovela As Pupilas do Sr. Reitor, nos seriados Mothern (HBO), Força Tarefa (Globo) e Motel (produção da Bossa Nova Filmes para a HBO) e foi apresentadora dos programas Telecurso 2000 e America On Line.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em sua identidade artística, carrega o DNA do teatro de grupo paulistano, com participação marcante nos coletivos Teatro da Vertigem (Oberösterreich e O Paraíso Perdido) e Cia. Teatro Balagan (Sacromaquia e Tauromaquia). Pela Barca de Dionisos, vem realizando pesquisa sobre a criação feminina, iniciada com os espetáculos Escada de Giz e Gato Sem Rabo e com o Projeto Mulheril - Ciclo de Leituras e Debates Sobre Criação Feminina. Desde 2006, atua na Cia Livre, onde participou dos espetáculos VEMVAI, O Caminho dos Mortos, Raptada pelo Raio, Raptada Pelo Raio 2.0, A Travessia da Calunga Grande, Cia Livre Conta Kaná Kawã e Maria que virou Jonas, ou a Força da Imaginação. Integra o núcleo criativo da premiada companhia paulistana, tendo participado também das criações dos projetos de pesquisa premiados pela Lei Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo (entre eles, “Mitos de Morte e Renascimento”, “Teatro e Ritual”, “Do Mato ao Asfalto” e “Revoltare: memórias de ilhas e revoluções”).

Suas parcerias artísticas envolvem ainda outras companhias teatrais. Atuou em O Idiota, adaptação do romance de Dostoievski, com direção de Cibele Forjaz, e em Tchekohv 4 e Pais e Filhos, ambos adaptados e dirigidos por Adolf Shapiro, com a mundana companhia. Com a atriz Denise Fraga, foi atriz em A Vida de Galileu Galilei, de Bertolt Brecht, com direção de Cibele Forjaz. Em 2017, estreou Dostoiévski Trip, do russo Vladímir Sorókin.

Projetos e publicações[editar | editar código-fonte]

Publicou o livro O Teatro do Corpo Manifesto: Teatro Físico e participou do Dicionário de Teatro Brasileiro, obras lançadas pela Editora Perspectiva. Colaborou ainda nos livros Pontes Móveis: modos de pensar a arte em suas relações com a contemporaneidade e O corpo cênico ente a dança e o teatro. É editora da coleção Caderno Livre Nóz (Caderno Livre Nóz – VEM VAI – O Caminho dos Mortos, Caderno Livre Nóz – Raptada Pelo Raio, Caderno Livre Nóz – Cia Livre: Experimentos e Processos 2000-2011 e Caderno Livre Nóz – Maria que virou Jonas, ou a força da imaginação), pela Cia. Livre. Editou e organizou a publicação da mundana companhia intitulada Diário de Atuação. Vem colaborando com revistas na área das artes cênicas, entre elas, Pesquisator, Urdimento, Alberto, Rebento, Mimus e Revista da USP. Edita a revista científica Rebento, do DACEFC – Departamento de Artes Cênicas, Educação e Fundamentos da Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Artes do Instituto de Artes da Unesp-SP.

Atualmente, é docente na Graduação e Pós-Graduação na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – UNESP, no Instituto de Artes (nos Cursos de Licenciatura em Artes Cênicas, Bacharelado em Teatro-Interpretação, Pós-Graduação Stricto Sensu em Artes Cênicas–Processos Artísticos e Pós-Graduação Lato Sensu Fundamentos da Cultura e das Artes).

Premiações[editar | editar código-fonte]

Por seus trabalhos, recebeu os prêmios:

  • Virtuose – MINC 1998,
  • Atriz Revelação - APCA 1987,
  • Melhor Atriz de Teatro Infantil - Mambembe 1989,
  • Melhor Pesquisa em Linguagem Cênica - APCA 1992
  • Melhor Atriz - Shell 2007,

além das indicações para os prêmios:

  • Shell – Melhor Atriz - 2012,
  • Qualidade Brasil 2008,
  • Melhor Atriz, APETESP 1998
  • Atriz Protagonista, APETESP 1989 - Melhor Atriz de Teatro Infantil.

Referências

Este artigo "Lúcia Romano" é da wikipedia