MOGAI

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki


MOGAI, às vezes conhecido como IMOGA e MOGII, em inglês, é uma abreviação alternativa para substituir GLS, SAGA (aliança ou aceitação de gênero e sexualidade),[1][2] minoria sexual, RASGKL,[3] DNN,[4] QUILTBAG[5] e LGBTQIAPN+,[6] representando orientações e alinhamentos ou identidades de gênero marginalizadas e, adicionalmente, intersexo (em inglês: marginalized orientations and gender identities, or alignments, and intersex).[7][8][9][10][11][12] Orientação marginalizada, nesse caso, refere-se e inclui tanto orientações românticas quanto sexuais.[13]

Muitas vezes isso conota linguagem artificial, neologismos, jargões, neo- e microrrótulos, aplicados a gênero e outros termos de identidade e identificação, que são recentes, inéditos ou incomuns para a maioria das pessoas.[14][15] Contudo, o acrônimo denota identidades minoritárias e termos marginalizados, referente a sexualidade humana e diversidade sexual junto a variância de gênero, sexo biológico e questionamento identitário. Raramente, alguns paleologismos (arcaísmos) também são aplicáveis, como por exemplo a epicenidade.[16][17]

No Brasil, há siglas propostas como NHINCQ+, que significa não hétero, intersexo, não-cisgênero, queer e mais.[18][19][20][21][22] As siglas MOGAI e MOGII podem ser traduzidas como OAGMI (orientações e alinhamentos de gênero marginalizades e intersexo), AGOMI, IAGOM, IOAGM, IIGOM, OIGMI e IGOMI. MOGMI usa modalidade de gênero invés de alinhamento ou identidade de gênero.[23][24][25][26][27][13][28] MOGII pode ser precursor de MaGens ou MaGes (em inglês: marginalized genders).[29][30]

Micro-identidades[editar]

Micro-identidade pode se referir a identidades ou rótulos, de gênero ou sexuais, que são microcomunitárias ou micro-demográficas, que são usadas por uma comunidade ou demografia pequena.[31]

Alguns separatistas LGBT alegam que a micro rotulação hiper-específica, como o modelo dividido de atração, é causa de fobia internalizada e heterossexualidade compulsória.[32][33][34] Ainda, há outros que, alegadamente, são contra rótulos, especialmente quando o assunto chega a classificação da complexidade individual alheia, e que rótulos aprisionam as pessoas em "caixinhas", logo deveriam ser evitadas. Mas é evidente que, esse anti-rotulismo, é seletivo, muitas vezes monossexista e retórica anti-LGBT de apagamento queer.[35][36][37]

Onissexualidade, ceterossexualidade e polissexualidade já foram consideradas micro-rótulos MOGAI,[38][39] por serem incomuns e terem um número pequeno de usuários. Além disso, certos ativistas também alegam que elas são fruto de bifobia internalizada. Pansexualidade, por exemplo, já foi considerada uma identidade MOGAI, porém ela ganhou popularidade suficiente, para que artistas famosas, como Demi Lovato e Miley Cyrus, saíssem do armário como pansexuais.[40][41]

Há diversos termos que são pouco conhecidos das correntes dominantes e transversalização de gênero. Pode-se citar que trigênero, demigênero e neutrois, não sejam conhecidos pela maioria da população, sendo chamados de gênero de bolso (do inglês, pocket genders).[42] Porém, certas identidades deixaram de ser apenas de bolso, por haverem ainda mais néo-rótulos emergindo, como por plataformas do Tumblr, Reddit, Wikia, Instagram e Twitter. Mesmo assim, trols também criaram rótulos para deslegitimar a comunidade LGBT, desenhando-a como fruto de políticas identitárias e pós-modernismo, tentando associá-la ao movimento pedófilo, necrofilia e a zoofilia.[43][44]

Despatologização e ramificações[editar]

Algumas micro-identidades poderiam ser consideradas versões despatologizadas de parafilias, como animessexualidade e fictossexualidade, chamadas de esquediaphilia e fictofilia.[45] Robossexualidade, ecossexualidade e objectum, que seriam fetiches, eco- sendo dendrofilia, também podem ser encaradas como uma sexualidades genuínas, ou ainda, romanticidades ou formas de afetividades platônicas,[46][47][48] podendo ser abarcadas pela proculsexualidade,[49][50] que também inclui a celessexualidade.[51] Vale ressaltar que, por mais que sejam aderentemente parafilias, elas não são essencialmente transtornos parafílicos, pois elas não necessariamente requerem ou justificam tratamento psiquiátrico, visto que desordens parafílicas geram angústia ou sofrimento e impedimento ou sofrimento, implicando anomia e disfunção.[52] Certas comunidades reivindicam elas tanto como kinks quanto como orientações sexuais, que as formas que as pessoas experienciam suas atrações deveriam ser respeitadas e aceitas, mas não normalizadas.[53] Algumas dessas identidades podem ser vistas como parte do espectro assexual.[54] Mesmo sendo consideradas anormalidades perante a sociedade, não sendo assim normofilias, vale lembrar que transexualidade e travestilidade já foram abordadas como travestismo e transexualismo,[55] homossexualidade como homofilia ou homossexualismo, lesbianidade como tribadismo, pansexualidade como pansexualismo e bissexualidade como bissexualismo ou ambifilia.[56]

Vegansexuais também poderiam ser classificados subjetivamente dentro da comunidade MOGAI, inclusive pelo anti-especismo como ativismo, pois têm preferência sexual ou falta de vontade de se envolverem sexualmente com onívoros,[57] contudo, termos que são sufixados em -sexual não são necessariamente uma "orientação" e preferências, por veganos no caso, não tornam ninguém variante (ou não-conformante), mas há quem discorde.[58]

Enquanto há sexualidades cujas as atrações são direcionadas por seres animados ou inanimados, há aquelas que expressam um sentimento relacionado a experiência de alguém perante a sexualidade dela, como a apotissexualidade, que seria uma assexualidade caracterizada pela repulsão ao sexo.[59] Além de apotissexual, há litossexual,[60] demissexual,[61] aegossexual,[62][63][64][65] frayssexual,[66][67][68] quoissexual,[69] assexual fluido (aceflux),[70][71][72] assexual estrito,[73][74] requiessexual[75] e caligossexual.[50][76]

Problematização[editar]

Algumas micro-identidades são vistas como problemáticas ou nocivas, muitas vezes reivindicadas por grupos que não querem se associar com MOGAI, ou que pessoas dentro dessa comunidade alegam não pertencer dentro da sigla, como por exemplo, a sapiossexualidade, considerada capacitista e elitista.[77][78][79][80][81][82][83][84][85][86] Certas microidentidades reacionárias, como super-hétero, podem ter surgido por influência da liberdade de expressão que a comunidade MOGAI promove, muito embora elas não sejam reconhecidas como legítimas ou parte da comunidade.[87][88][89][90][91][92][93][94][95] G0y também pode ser considerado problemático, pois deriva de gói e contribui à homofobia e a heterossexualidade compulsória.[96][97][98][99][100] Semelhantemente, heteroflexível, highsexual, bi-curioso, homoflexível, bromance, HsH e MsM também já foram problematizados.[101][102][103][104][105][106][107] Há microidentidade que se popularizou como meme, muitas vezes tida sem ironia, como rabiossexual.[108] Outra que é totalmente ofensiva e pejorativa, como ammosexual.[109][110] "Sexualidades" satíricas, como semibissexual, também já foram tidas como sérias ou ainda ressignificadas e reivindicadas.[111][112]

Ainda que identidades sexuais como metrossexual, espornossexual, tecnossexual e retrossexual sejam neologismos, são também consideradas controversas ou conformantes (no sentido de não serem variantes ou diversas), pois estão relacionadas a moda e vestuário, descrevendo heterossexuais cisgêneros endossexos. Mesmo assim, há como elas sejam contempladas pela pomossexualidade ou heterossexualidade queer.[113][114][115][116]

Neologismo de gênero[editar]

Identidades xenogênero, também chamadas de xeninas ou xênicas, e neogênero, compõem boa parte das experiências associadas com identidades microdemográficas, que seriam de uso minoritário referente a demografia da população mundial.[117] Xeno- e neo-gêneros são subcategorias e termos guarda-chuvas, abarcativos de outras identidades e experiências de gênero, que são associadas a coisas não-humanas ou não convencionais.[118]

Metagênero é um dos gêneros microidentitários ou microcomunitários com mais polissemia, que seria grande quantidade de definições e significados, alguns culturais e históricos, como para descrever bissu.[119][120][121][122]

Movimento[editar]

Símbolo do espectro MOGAI

Assim como o movimento do Seapunk originou-se pela Internet, pode-se atribuir a subcultura on-line de microcomunidades uma forma movimento, nomeando-a e se destacando pelos neorrótulos.

Alguns integrantes da comunidade MOGAI fazem uso do orgulho louco, projetando bandeiras de conscientização sobre a neurodiversidade e das pessoas com deficiência, bem como identidades neurogênero, gênero-vago[123] e adfectussexual (ou neurossexual), que são termos para demonstrar que a sua condição natural está interligada ou influencia ou afeta a forma como alguém vivencia sua identidade de gênero ou sexual.[124][49][125][126] Mas reconhece-se que, diversidade sexual ou orgulho LGBT+ e diversidade funcional não são a mesma coisa, e que, pessoas psicodiversas e neurodiversas não são LGBT ou MOGAI simplesmente por serem neurodivergentes ou terem alguma deficiência.[127][128] Mesmo assim, esses termos tendem a ser vistos como piada ou romantização e glorificação de doenças mentais.[129]

A sigla MOGAI surge, principalmente, diante da variedade de micro-identidades e como elas se encaixariam em acrônimos e inicialismos similares às variações LGBTQIA+. Também, pela sensação de não-exclusão de assexuais, pansexuais, polissexuais, agêneros, arromânticos, entre outros.[130][131][132][133]

O movimento pode muitas vezes incluir poliamor como uma orientação relacional divergente e queer, assim como ambiamor, agamia e outras formas de não-monogamia. Trabalhadores sexuais muitas vezes podem ser incluídos por estarem a margem da sociedade sexualmente, especialmente quando são MsM ou HsH. O combate ao monogamismo, a amato-normatividade, a psicofobia, a sexo-normatividade e a putafobia podem ser pautas interseccionais do movimento aliado a sexo-positividade, o antimanicomialismo e a revolução sexual.[134][135][136][137][138]

Inclusão intersexo[editar]

Muitas organizações e órgãos internacionais fazem a inclusão do I, de intersexo, como a ILGA Portugal, ONU e ABGLT, muitas vezes usando a sigla LGBTI.[139][140] Ativistas intersexo também advocam pela sigla MOGAI, por enfatizar que intersexualidade está inerentemente inclusa.[13] A sigla também subdivide sexo e gênero, desvencilhando-se do binômio, dando espaço para altersexo, que por sua vez, criado por furries.[141] O inclusionismo, muitas vezes, pode ser tido como ativismo performativo, token ou "gotcha".[142][143][144] Alguns intersexos reivindicam intergênero, e identidades microcomunitárias, como ipso gênero.[145][146][147][148]

Antagonismo e controvérsias[editar]

Antagonistas da sigla MOGAI, conhecidos como anti-MOGAI, mistura grupos heterogêneos, como transmedicalistas, TERFs e lésbicas separatistas. Os discursos inflamados e envenenados contra a sigla tentam associá-la a uma suposta ideologia de gênero, que seria advinda da teoria queer.[149][150][151][152] Ainda, há a busca por qual seria o acrônimo completo ou oficial, sendo excludentes de várias identidades incluídas na MOGAI, estabelecendo LGBT ou LGB como únicas siglas válidas para descrever pessoas com a mesma atração por sexo/gênero ou disforia de gênero, por exemplo.[153] O antagonismo tem raízes nas políticas de respeitabilidade e policiamento identitário dentro do movimento LGBT.[154]

A sigla também já foi muito associada com GSM (minorias sexuais e de gênero), que foi cunhado por Lars Ullerstam, e que nele incluí-se pedofilia, incestualidade e criminosos sexuais.[155][156] Quem cunhou a sigla MOGAI repudia a associação e é uma vítima de abuso sexual infantil.[15]

Fujoshis também são constantemente acusadas de serem fag hags (ver Girlfag und Guydyke), sendo incluídas por designers da bandeira genderqueer.[157][158][159] Elas podem ser conhecidas como marias purpurinas na lusofonia,[160] como aquelas que participam de LDRV[161] e se consideram "do vale",[162] porém fujoshi denota fandom de yaoi, junto a fujin e fudanshi.[163]

Em 2016, a bandeira incel foi publicada pelo blog Beyond-MOGAI-Pride-Flags,[164] porém com a intenção de usar o significado original de celibato involuntário, pois como a própria postagem diz, a definição está neutra em essência (em inglês: neutral in nature). Contudo, incel posteriormente veio a se popularizar mais como uma subcultura da manosfera.[165] Em 2018, Toronto vivenciou um ataque com veículo de van, levando tal movimento ser tido como terrorista.[166]

Cultura do boicote[editar]

Assim como na cultura do cancelamento e do call-out, muitos blogs foram de certa forma 'silenciados', no sentido de boicote, por causa dos tópicos gatilhantes (triggering), levantados ou apoiados pelos donos deles, ou ainda, foram levantadas as problemáticas por trás deles e expostas, para que assim fossem evitados, alguns desses blogs foram desativados e refeitos por pessoas alheias continuamente, o que levanta uma série de controvérsias por trás de quem está manipulando o conteúdo, especialmente por causa de perguntas anônimas e respostas por moderadores ou administrador(es) dos blogs.[19][167] Contudo, as identidades podem ser reivindicadas (reapropriadas) posteriormente, por quem realmente se identifica com o termo idealizado ou platonizado por esses blogs, para que assim sejam materializados em Wikis, mesmo que sejam totalmente controversos, ou nem tanto assim, como ceterossexualidade ou semibissexual.[168][111]

Ver também[editar]

  • Estímulo supranormal#Assexualidade
  • Uraniano#Taxonomia de Uranismus
  • Sistema de género
  • Codificação queer

Referências

  1. «SAGA - Sexuality and Gender Alliance». ral-brssd-ca.schoolloop.com. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  2. «Sexuality and Gender Acceptance (SAGA) Squad». www.uh.edu (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  3. «👏RASGKL is not lgbt 👏 it is its own thing. Stop attempting to force every new term into the lgbt community». whisper.sh (em English). Consultado em 17 de setembro de 2020 
  4. Pires, Autor Erick (22 de outubro de 2017). «Pisa menos… Por favor.». Assexualidade Rexistêncial. Consultado em 17 de setembro de 2020 
  5. «the quiltbag». The QUILTBAG (em English). Consultado em 17 de setembro de 2020 
  6. «» O que significa LGBTQIAP+?». Consultado em 16 de setembro de 2020 
  7. Went, Katy. «MOGAI | LGBTIQ.XYZ» (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  8. «MOGAI». Gender, Sexuality and MOgai. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  9. «What does MOGAI stand for?». www.abbreviations.com (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  10. «The Definition of MOGAI». RACHEL SHARP (em English). 5 de outubro de 2016. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  11. «Urban Dictionary: MOGAI». Urban Dictionary (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  12. «MOGAI». LGBTA Wiki (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  13. 13,0 13,1 13,2 Marquez, Mx Anunnaki Ray (28 de janeiro de 2019). «I will now use MOGAI instead of LGBTQIA+». Mx. Anunnaki Ray Marquez (em English). Consultado em 31 de março de 2021 
  14. «Queer Time S2E9: MOGAI identities». News Break (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  15. 15,0 15,1 «MOGAI - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  16. Lowell, Shalen (2017). Leavy, Patricia, ed. «Transcending Gender Binarization». Rotterdam: SensePublishers. Personal/Public Scholarship (em English): 95–102. ISBN 978-94-6351-140-7. doi:10.1007/978-94-6351-140-7_14. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  17. «A gatekeeper final boss: An analysis of MOGAI representation in video games». archive.is. 16 de setembro de 2020. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  18. «Ume garote alternative: Siglas alternativas». Ume garote alternative. 3 de out. de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  19. 19,0 19,1 T (26 de fevereiro de 2018). «Uma análise séria sobre o blog Beyond MOGAI Pride Flags». Medium (em English). Consultado em 16 de setembro de 2020 
  20. «O que é NHINCQ+». Ajuda NHINCQ+. 3 de março de 2019. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  21. «Qual o significado de LGBTQQICAPF2K+ e outras siglas como LGBTQ+?». Razões para Acreditar. 27 de agosto de 2019. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  22. «Orgulho de Programação: Pioneiros LGBTQIAPN+ em Computação». PET Sistemas de Informação. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  23. «» O que significa LGBTQIAPN+?». Consultado em 31 de março de 2021 
  24. «Introduction to Orientation & Identity | LGBTQIA+». cincinnatilibrary.org (em English). Consultado em 31 de março de 2021 
  25. «MOGAI vs. LGBTQIAP+». The Student Room. Consultado em 31 de março de 2021 
  26. Nguyen, Miki, Queer Time S2E9: MOGAI identities, consultado em 31 de março de 2021 
  27. columnist, Julia Lattimer, regular. «GSM acronym better than LGBT alphabet soup». Collegiate Times (em English). Consultado em 31 de março de 2021 
  28. Cornet, Sophie. «LGBT ou LGBTQI ou MOGAI ou MOGII ? | Maison Arc-en-Ciel» (em français). Consultado em 31 de março de 2021 
  29. «Appendix». Women for Political Change (em English). Consultado em 29 de maio de 2021 
  30. «The Collective». Julep Town Collective (em English). Consultado em 29 de maio de 2021 
  31. «O que são "microcomunidades"». amplifi.casa. Consultado em 8 de abril de 2021 
  32. Editor, Kirat Walia, News. «Putting a name to the feeling: Microlabels in the LGBTQ2+ community». The Gazette • Western University's Student Newspaper (em English). Consultado em 31 de março de 2021 
  33. carolinianweb (28 de outubro de 2015). «MOGAI hates lesbians». THE CAROLINIAN (em English). Consultado em 31 de março de 2021 
  34. Weslo, Joey. «Have we become too dependent on superficial sexual labels?». The Courier. Consultado em 31 de março de 2021 
  35. Jac (23 de maio de 2010). «Rótulos». Flexões Lésbicas. Consultado em 1 de abril de 2021 
  36. «Sobre as diversas nuances da identidade assexual». ConversaCult. Consultado em 1 de abril de 2021 
  37. Reginato, Lívia (18 de setembro de 2016). «O Medo do "B" da Sigla LGBT - Estereótipos e Invisibilidade Bissexual na Mídia». Nó de Oito (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  38. «The New Springwells Practice - LGBTQIA». www.ruralmedical.co.uk. Consultado em 1 de abril de 2021 
  39. QueerParis. «MOGAI». QueerParis (em français). Consultado em 1 de abril de 2021 
  40. Bowerman, Mary. «Pansexual: Where does it fall on the LGBTQ spectrum?». USA TODAY (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  41. «Demi Lovato Comes Out as Pansexual: 'I'm Part of the Alphabet Mafia and Proud'». Billboard (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  42. Davis, Meaghan. «Civic Nation BrandVoice: 5 Ways To Deconstruct The Gender Binary In Gender Equity». Forbes (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  43. Link, Devon. «Fact check: 'Clovergender' isn't part of the LGBTQ community». USA TODAY (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  44. «Kindergender?». 9GAG (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  45. Karhulahti, Veli-Matti; Välisalo, Tanja (2021). «Fictosexuality, Fictoromance, and Fictophilia: A Qualitative Study of Love and Desire for Fictional Characters». Frontiers in Psychology (em English). ISSN 1664-1078. doi:10.3389/fpsyg.2020.575427. Consultado em 1 de abril de 2021 
  46. Simner, Julia; Hughes, James E. A.; Sagiv, Noam (27 de dezembro de 2019). «Objectum sexuality: A sexual orientation linked with autism and synaesthesia». Scientific Reports (em English) (1). 19874 páginas. ISSN 2045-2322. doi:10.1038/s41598-019-56449-0. Consultado em 1 de abril de 2021 
  47. «Objectum-Sexuality Internationale - Homepage for Objectum-Sexuals & Objectum Sexuality info with Objectum sexual history». objectum-sexuality.org. Consultado em 1 de abril de 2021 
  48. Tramontana, Mary Katharine. «Ecosexuals Want to Use Sex to Save the Planet». Teen Vogue (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  49. 49,0 49,1 «Conheça Algumas Identidades e Orientações do Espectro Assexual». Consultado em 1 de abril de 2021 
  50. 50,0 50,1 miojosemgluten (11 de setembro de 2020). «Identidades Assexuais #1». aroaceiros. Consultado em 9 de maio de 2021 
  51. www.2i9.com.br, 2i9 multiagência-. «Celesexual: as pessoas que só querem saber de celebridades». Já é Notícia. Consultado em 27 de maio de 2021 
  52. Moran, Mark (3 de maio de 2013). «DSM to Distinguish Paraphilias From Paraphilic Disorders». Psychiatric News (em English). doi:10.1176/appi.pn.2013.5a19. Consultado em 1 de abril de 2021 
  53. Schrader, Summer; Jones, Nev; Shattell, Mona (2013-01). «Mad Pride: Reflections on Sociopolitical Identity and Mental Diversity in the Context of Culturally Competent Psychiatric Care». Issues in Mental Health Nursing (1): 62–64. ISSN 0161-2840. doi:10.3109/01612840.2012.740769. Consultado em 1 de abril de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  54. «What Does It Mean to Be on the Asexual Spectrum?». Verywell Health (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  55. «Transgender no longer recognised as 'disorder' by WHO». BBC News (em English). 29 de maio de 2019. Consultado em 1 de abril de 2021 
  56. «Homosexuality and Mental Health». psychology.ucdavis.edu. Consultado em 1 de abril de 2021 
  57. TEMPO, O. (3 de março de 2018). «Vegansexuais: sexo só com quem não come carne». Interessa. Consultado em 29 de maio de 2021 
  58. «'Vegansexual' is a thing and there's more than one reason why». Topics (em English). Consultado em 29 de maio de 2021 
  59. says, OnHax (25 de setembro de 2015). «Being An Apothisexual | Our Queer Stories | Queer & LGBT Stories». Our Queer Stories (em English). Consultado em 5 de abril de 2021 
  60. «Lithsexual | Pride Flags, Lapel Pins, Magnets & Buttons». www.rainbowdepot.com. Consultado em 5 de abril de 2021 
  61. «What is Asexuality? | Western Aces». wp.wwu.edu. Consultado em 5 de abril de 2021 
  62. «Aegosexuality - Iowa City Aces». sites.google.com. Consultado em 5 de abril de 2021 
  63. Winter-Gray, Thom; Hayfield, Nikki (10 de outubro de 2019). «'Can I be a kinky ace?': How asexual people negotiate their experiences of kinks and fetishes». Psychology & Sexuality (0): 1–17. ISSN 1941-9899. doi:10.1080/19419899.2019.1679866. Consultado em 5 de abril de 2021 
  64. Yule, Morag A.; Brotto, Lori A.; Gorzalka, Boris B. (2017-01). «Sexual Fantasy and Masturbation Among Asexual Individuals: An In-Depth Exploration». Archives of Sexual Behavior (1): 311–328. ISSN 1573-2800. PMID 27882477. doi:10.1007/s10508-016-0870-8. Consultado em 5 de abril de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  65. Vasey, Paul L. (2017-01). «Introduction to the Special Section: The Puzzle of Sexual Orientation: What Is It and How Does It Work?». Archives of Sexual Behavior (1): 59–61. ISSN 1573-2800. PMID 27987084. doi:10.1007/s10508-016-0913-1. Consultado em 5 de abril de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  66. «'I Prefer Having Sex With People I Don't Know Well—Here's How My Partner and I Are Making It Work'». Well+Good (em English). 16 de fevereiro de 2021. Consultado em 5 de abril de 2021 
  67. «What Is Fraysexuality?». Poly Land (em English). 29 de março de 2019. Consultado em 5 de abril de 2021 
  68. «What Are Fraysexuality And Frayromanticism? - SheThePeople TV». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 5 de abril de 2021 
  69. «QUOISEXUAL (adjective, noun) American English definition and synonyms | Macmillan Dictionary». www.macmillandictionary.com (em English). Consultado em 5 de abril de 2021 
  70. Harner, Vern; Mendoza, Natasha; Holley, Lynn; Wolfersteig, Wendy; Arizona State University (2016). «Risk Factors, Unmet Needs, and Perceived Service Needs of Gender/Sexual Minority Emerging Adults in Phoenix». Arizona State University. Consultado em 5 de abril de 2021 
  71. «Emergent Identities: New Sexualities, Genders and Relationships in a Digital Era». Routledge & CRC Press (em English). Consultado em 5 de abril de 2021 
  72. Mardell, Ashley (8 de novembro de 2016). The ABC's of LGBT+ (em English). [S.l.]: Mango Media Inc. 
  73. «Assexualidade: "Não tenho vontade, simples assim" – Revista Babel». Consultado em 5 de abril de 2021 
  74. «Quem são os assexuais: relatos de brasileiros que não se interessam por sexo». BBC News Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  75. Behance. «Requiessexual and Requiessromantic». Behance (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  76. Hergesel, João Paulo (19 de dezembro de 2018). «ADOLESCENTES ASSEXUAIS: QUEM SÃO? O QUE SENTEM? COMO VIVEM?». Revista de Humanidades, Tecnologia e Cultura (1). ISSN 2238-3948. Consultado em 5 de abril de 2021 
  77. Sage, Jessie. «Sapiosexuality should not be viewed as a derisive term». Pittsburgh City Paper (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  78. «Sapiosexuality Is Offensive, Which Is Why I Identify As Noetisexual». YourTango (em English). 13 de abril de 2017. Consultado em 8 de abril de 2021 
  79. «You're Not a Sapiosexual, You're Just Arrogant». Study Breaks (em English). 15 de maio de 2017. Consultado em 8 de abril de 2021 
  80. Allen, Samantha (18 de abril de 2015). «Pretentious Is Not A Sexual Orientation». The Daily Beast (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  81. «Sapiosexuality: Is it an ableist concept or valid identity? » NeuroClastic». NeuroClastic (em English). 13 de janeiro de 2021. Consultado em 8 de abril de 2021 
  82. «What Is Sapiosexuality? It's the Worst New Dating Trend, and Here Are 5 Reasons Why». Bustle (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  83. «Sapiosexuality: The Bogus Orientation Where You Prefer Smarts Over Looks». culturacolectiva.com (em English). 27 de agosto de 2019. Consultado em 8 de abril de 2021 
  84. «Is Sapiosexuality A Real Thing: Doesn't Intelligence Matter To Everyone When Dating?». HuffPost UK (em English). 16 de agosto de 2019. Consultado em 8 de abril de 2021 
  85. «Mark Ronson apologises for sapiosexual comments». The Independent (em English). 27 de setembro de 2019. Consultado em 8 de abril de 2021 
  86. Swaddle, The (14 de outubro de 2019). «Sapiosexuals, It's Not Revolutionary to Be Attracted to Intelligence». The Swaddle (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  87. «Jovens criam gênero super-hétero para se proteger de acusações de homofobia». Relevante News. 13 de março de 2021. Consultado em 8 de abril de 2021 
  88. Perissé, João. «Tiktoker viraliza com "nova orientação sexual" transfóbica: "super hétero"; entenda». Consultado em 8 de abril de 2021 
  89. Asarch, Steven. «A social-media trend has people identifying as 'super straight.' The transphobic campaign was meant to divide LGBTQ people.». Insider. Consultado em 8 de abril de 2021 
  90. «Reddit bans 'SuperStraight' group for 'promoting hate'». BusinessInsider. Consultado em 8 de abril de 2021 
  91. Bollinger, Alex (9 de março de 2021). «"Superstraight" is the newest anti-LGBTQ insult. Here's what it means.». LGBTQ Nation. Consultado em 8 de abril de 2021 
  92. «Pathetic 'super straight' trolls have already moved on to a new transphobic trend». PinkNews - Gay news, reviews and comment from the world's most read lesbian, gay, bisexual, and trans news service (em English). 11 de março de 2021. Consultado em 8 de abril de 2021 
  93. Friedersdorf, Conor (7 de abril de 2021). «The Sexual Identity That Emerged on TikTok». The Atlantic (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  94. «TikTok Bans 'Super Straight' Movement And Its Creator For Being Transphobic». www.ladbible.com (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  95. Prevost, Alexander. «It's just a phase: The danger of the "Super Straight" trend». The Gonzaga Bulletin (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  96. Networks, Hornet (30 de março de 2021). «If You're Attracted to Men But Afraid of Effeminacy and Anal Sex, You Might Be a G0Y». Hornet. Consultado em 8 de abril de 2021 
  97. «g0y | Goy, g-cero-y, heterog0y, heteroflex, and bromance. The new male». Moscas de colores (em English). 1 de outubro de 2019. Consultado em 8 de abril de 2021 
  98. «Opinion: We need to talk about the way gay men are labelling themselves». Topics (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  99. «Representante g0y no Brasil afirma: 'Chamar um homoafetivo de homofóbico beira a insanidade'». Extra Online. Consultado em 8 de abril de 2021 
  100. «'É um modismo', diz ativista LGBT sobre o movimento dos 'g0ys'». O Globo. 17 de abril de 2014. Consultado em 8 de abril de 2021 
  101. «Highsexual, bromance e g0y: todas as formas de ser heterossexual». Metrópoles. 7 de junho de 2016. Consultado em 8 de abril de 2021 
  102. Young, Rebecca M.; Meyer, Ilan H. (2005-7). «The Trouble With "MSM" and "WSW": Erasure of the Sexual-Minority Person in Public Health Discourse». American Journal of Public Health (7): 1144–1149. ISSN 0090-0036. PMC 1449332Acessível livremente. PMID 15961753. doi:10.2105/AJPH.2004.046714. Consultado em 8 de abril de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  103. «Conheça os Héteros flex, o novo termo que está gerando polêmica». observatoriog.bol.uol.com.br. Consultado em 8 de abril de 2021 
  104. «Hétero flex: a polêmica da vez entre os homens». Extra Online. Consultado em 8 de abril de 2021 
  105. «Quit Censoring My (And Others') Bi Identities». Bi.org (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  106. «Q&A not Q&A: "I've heard of heteroflexible and gayflexible which means..."». Queer As Cat (em English). 14 de fevereiro de 2016. Consultado em 8 de abril de 2021 
  107. «Why The Term 'Bi-curious' Is Hurting The Bisexual Community». YourTango (em English). 17 de março de 2021. Consultado em 8 de abril de 2021 
  108. «Rabiosexual». Know Your Meme. Consultado em 8 de abril de 2021 
  109. «Word of the Week: Ammosexual». Fritinancy. Consultado em 8 de abril de 2021 
  110. «Is the term "ammosexual" offensive?». Daily Kos. Consultado em 8 de abril de 2021 
  111. 111,0 111,1 Delas, iG (3 de dezembro de 2020). «'Semibissexual': termo viraliza e internet aponta para bifobia, veja os memes». Delas. Consultado em 8 de abril de 2021 
  112. Mustafa, Filiz (2 de junho de 2020). «Semibisexual meme revealed: People wonder if the term is a real thing». HITC (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  113. Williams, Alex (15 de junho de 2018). «'Metrosexuals' Were Just Straight Men Who Loved Self-Care. Right?». The New York Times (em English). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de maio de 2021 
  114. «Diversidade». Metrossexual, retrossexual e ubersexual: qual a diferença?. 28 de maio de 2014. Consultado em 16 de maio de 2021 
  115. Jan 24, CHETAN MALLIK | TNN |; 2004; Ist, 05:22. «Now, say hello to the pomosexual! | undefined News - Times of India». The Times of India (em English). Consultado em 16 de maio de 2021 
  116. «Beleza masculina: o novo homem». Vya Estelar. 1 de janeiro de 2016. Consultado em 16 de maio de 2021 
  117. Editor, Kirat Walia, News. «Putting a name to the feeling: Microlabels in the LGBTQ2+ community». The Gazette • Western University's Student Newspaper (em English). Consultado em 5 de abril de 2021 
  118. «Xenogender - RationalWiki». rationalwiki.org (em English). Consultado em 5 de abril de 2021 
  119. «Metagender - Wanna Learn More» (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  120. Scherer, Bee (2006). «Gender transformed and meta-gendered enlightenment: Reading Buddhist narratives as paradigms of inclusiveness». Revista de Estudos da Religião (em English) (3): 65–76. Consultado em 8 de abril de 2021 
  121. «GenderFlex, Vol. 4 Issue 23 (Oct/Nov/Dec, 1994) - Digital Transgender Archive». www.digitaltransgenderarchive.net. Consultado em 8 de abril de 2021 
  122. Aegaeum: Annales D'archéologie Égéenne de L'Université de Liège (em English). [S.l.]: L'Université. 1987 
  123. «Gendervague: At the Intersection of Autistic and Trans Experiences». The Asperger / Autism Network (AANE) (em English). 29 de julho de 2016. Consultado em 8 de abril de 2021 
  124. «What is the Connection Between Autism and Gender Dysphoria?» (em English). 6 de setembro de 2017. Consultado em 1 de abril de 2021 
  125. «Neurosexuality Needs to Be Better Addressed in Patients with Neurodisabilities | IOS Press» (em English). 21 de dezembro de 2017. Consultado em 1 de abril de 2021 
  126. «Neurogender». Nonbinary Wiki (em English). 24 de janeiro de 2021. Consultado em 1 de abril de 2021 
  127. Walker, Nick; Raymaker, Dora M. (17 de novembro de 2020). «Toward a Neuroqueer Future: An Interview with Nick Walker». Autism in Adulthood (1): 5–10. ISSN 2573-9581. doi:10.1089/aut.2020.29014.njw. Consultado em 1 de abril de 2021 
  128. «What is Disability Pride... And How to Display It». www.ameridisability.com. Consultado em 1 de abril de 2021 
  129. contributor, Jessie Yu, opinions. «Glorification of mental illness worsens cultural stigma». Collegiate Times (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  130. «What is an ace Inclusionist? | EveryThingWhat.com». everythingwhat.com. Consultado em 8 de abril de 2021 
  131. Lowder, Rumaan Alam, Christina Cauterucci, J. Bryan (22 de setembro de 2020). «Do Asexuals Belong Under the Queer Umbrella?». Slate Magazine (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  132. «The Discourse: An Online Debate» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 8 de abril de 2021 
  133. Peterson, David (2018) #Ace discourse: (Anti)Normativity, Queer Belonging, and the Messy Spaces of Online Forums & Blogs
  134. «Sex Work is an LGBTQ Issue». #SurvivorsAgainstSESTA (em English). 11 de março de 2018. Consultado em 1 de abril de 2021 
  135. «Sex Workers Are an Important Part of the Stonewall Story, But Their Role Has Been Forgotten». Time. Consultado em 1 de abril de 2021 
  136. Ferguson, Sian (25 de outubro de 2015). «3 Ways Polyamorous People Are Excluded in Queer Communities – And Why It's Wrong». Everyday Feminism (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  137. «Queer, Poly, and Platonic: Two Partners Discuss Their Unconventional Love». www.vice.com (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  138. «Why People Are Fighting to Get Polyamory Recognized as a Sexual Orientation». www.vice.com (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  139. «Intersex: o que você precisa saber sobre o I em LGBTI+ no Dia da Visibilidade Intersexual». Grupo Dignidade. 26 de outubro de 2019. Consultado em 1 de abril de 2021 
  140. «FAQ: Intersex, Gender, and LGBTQIA+». interACT: Advocates for Intersex Youth (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  141. «Crítica do binômio "sexo/gênero"». Transfeminismo. 10 de julho de 2016. Consultado em 1 de abril de 2021 
  142. Lewis, Sarah (1 de janeiro de 2011). «Gendering the Body: Exploring the Construction of the Sexually Dimorphic Body». Dissertations and Theses. doi:10.15760/etd.152. Consultado em 8 de abril de 2021 
  143. «Intersex Initiative: Adding the "I" to LGBT». www.intersexinitiative.org. Consultado em 16 de maio de 2021 
  144. «I officially discovered that I am intersex when I was 21 years old». GAY TIMES (em English). 16 de setembro de 2019. Consultado em 8 de abril de 2021 
  145. «An intersex perspective on the trans, intersex and TERF communities». TransAdvocate (em English). 15 de setembro de 2014. Consultado em 8 de abril de 2021 
  146. «Opinion | Transgender Lives: Your Stories: Cary Gabriel Costello». The New York Times (em English). 13 de setembro de 2018. ISSN 0362-4331. Consultado em 8 de abril de 2021 
  147. February 11, tobyiceblueeyes; 2014 (9 de fevereiro de 2007). «Intergender and intersex». OII Intersex Network (em English). Consultado em 8 de abril de 2021 
  148. «Intersex Terminology Masterpost». Trans Express (em English). Consultado em 30 de maio de 2021 
  149. «What Does the ContraPoints Controversy Say About the Way We Criticize?». www.pride.com (em English). 21 de outubro de 2019. Consultado em 1 de abril de 2021 
  150. «Ethnography of online LGBT+ discourse». digital.auraria.edu (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  151. «Transtrending: What It Means and How It Harms | Be You Network». www.beyounetwork.org. Consultado em 1 de abril de 2021 
  152. brunabenevides (24 de abril de 2019). «O Mito da Disforia de gênero de Início Rápido e de Contágio Social mencionada por Alexandre Saadeh». Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Consultado em 1 de abril de 2021 
  153. Schulman, Michael (9 de janeiro de 2013). «Generation LGBTQIA». The New York Times (em English). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de maio de 2021 
  154. Story, Kaila Adia (16 de setembro de 2016). «On the Cusp of Deviance: Respectability Politics and the Cultural Marketplace of Sameness» (em English). doi:10.1215/9780822373711-019. Consultado em 1 de abril de 2021 
  155. columnist, Julia Lattimer, regular. «GSM acronym better than LGBT alphabet soup». Collegiate Times (em English). Consultado em 1 de abril de 2021 
  156. «Queering the language of 'sexual minorities' in Canada | Federation for the Humanities and Social Sciences». web.archive.org. 12 de junho de 2015. Consultado em 1 de abril de 2021 
  157. «Girlfags/Guydykes, and how it ties in with a Genderqueer identity». Asexual Visibility and Education Network (em English). Consultado em 25 de maio de 2021 
  158. «GENDERQUEER AND NON-BINARY IDENTITIES». GENDERQUEER AND NON-BINARY IDENTITIES. Consultado em 25 de maio de 2021 
  159. «request (fujoshi, fujin and fudanshi) flags». Beyond MOGAI Pride Flags (em English). 3 de agosto de 2018. Consultado em 25 de maio de 2021 
  160. Radical, Arquivista (13 de dezembro de 2018). «O mito da 'Maria purpurina' e os segredos sujos da subcultura gay masculina». Medium (em English). Consultado em 29 de maio de 2021 
  161. «Como o LDRV se tornou a espinha dorsal do Brasil memético». www.vice.com. Consultado em 29 de maio de 2021 
  162. «Diego Hypolito foi acolhido no Vale pelos homossexuais, mas o que é isso?». www.uol.com.br. Consultado em 29 de maio de 2021 
  163. @dandirous (4 de agosto de 2020). «O QUE SIGNIFICA FUJOSHI, FUDANSHI E FUJIN?». Yaoi Brasil. Consultado em 29 de maio de 2021 
  164. «Incel Flag». Beyond MOGAI Pride Flags (em English). 14 de agosto de 2016. Consultado em 28 de maio de 2021 
  165. «″Incel″, a subcultura online dos homens que odeiam as mulheres». www.dn.pt. Consultado em 28 de maio de 2021 
  166. «Quem são os 'incels' – celibatários involuntários –, grupo do qual fazia parte o atropelador de Toronto». BBC News Brasil. Consultado em 28 de maio de 2021 
  167. «mogai-archive, mogai, & xenogenders». mogai-archive, mogai, & xenogenders (em English). Consultado em 30 de maio de 2021 
  168. «Recugender - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 30 de maio de 2021 


Este artigo "MOGAI" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:MOGAI.