Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Marcelo Costa Carvalho

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki


Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2020).
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marcelo Costa Carvalho
Dados pessoais
Nascimento 6 de janeiro de 1981 (40 anos)
Juiz de Fora, MG
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Ator, músico, produtor cultural, diretor de teatro e pedagogo

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

Marcelo Costa Carvalho (Juiz de Fora, 6 de Janeiro de 1981) é um ator, músico, produtor cultural, diretor de teatro e pedagogo brasileiro.

Biografia[editar]

Marcelo Costa Carvalho começou sua carreira artística cedo. No ensino fundamental experimentou os palcos pela primeira vez. Participava de todas as peças e shows montados no auditório da escola. Aos 18 anos prestou o Exame de Capacitação Profissional do SATED/MG, com avaliações teóricas e práticas obtendo, assim, o DRT para atuar em “espetáculos de diversões” como ator e diretor de teatro.

Formado em Pedagogia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e em “Canto e Técnica Vocal” pela BITUCA Universidade de Música Popular, Marcelo sempre buscou entrelaçar suas duas grandes paixões: a arte e a educação. Passou a trabalhar como professor de teatro e música em cursos, workshops, oficinas de arte, espaços e escolas das redes pública e privada em Minas Gerais e no Rio de Janeiro.[1][2]

Em 2011 criou sua própria produtora, a MCostaCarvalho. É bastante presente em Juiz de Fora (MG) e realizou diversos projetos e produções de arte, cultura e educação em várias cidades brasileiras. Seu trabalho abrange diferentes linguagens artísticas e de ensino como teatro, música, dança, vídeos, espetáculos, casting de atores, cursos de arte, publicidade, dentre outros. Além disso, atua em cursos de capacitação, feiras de negócios, incentivo à pesquisa para o campo cultural, participação em eventos e seminários.[3][4]

Em 2020, com o impacto causado pela pandemia de covid-19 no setor das artes e entretenimento, Marcelo passou a enfrentar sérias dificuldades - cancelamento de contratos de show, apresentações e demais serviços de produção, assessoria e casting. O socorro veio com a Lei Aldir Blanc, sancionada em junho do mesmo ano, que garantiu uma renda emergencial a profissionais do setor cultural. A lei foi fundamental para que ele continuasse seu trabalho de produzir artistas da região.[5][6]

Projetos[editar]

Banda Trupicada (2011 - 2020, como produtor cultural)[editar]

A Banda de Música Infantil Trupicada foi criada em 2007, passando a ser produzida pela MCostaCarvalho a partir de 2011. Apostando em um espetáculo que integra música, teatro, brincadeiras e contação de histórias a Trupi, composta por nove artistas da cidade de Juiz de Fora (MG), vem excursionando por várias cidades do Brasil com um repertório de canções autorais. As composições do grupo são fruto de um processo constante de trabalho e pesquisa sobre a cena brasileira da produção musical infantil e da vivência com crianças em escolas da educação infantil e ensino fundamental, onde os integrantes atuam como professores de musicalização e de instrumentos.

O show é embalado por diversas canções criadas pelos artistas da Trupicada e por compositores do cenário musical juiz-forano. A releitura da canção “Chuva, Chuvisco, Chuvarada”, do compositor Hélio Ziskind, uma das principais influências do grupo, é indispensável em todas as apresentações. Cantigas e brincadeiras de tradição oral, também presentes, valorizam e consolidam o vínculo e a interação entre a banda e o público. O espetáculo abrange diversos estilos musicais como frevo, choro, moda de viola, rock, aliados a arranjos e letras que ampliam as referências da criança em relação à música, permitindo contato direto com artistas, instrumentos e instrumentistas, ampliando e fortalecendo laços significativos para a formação de um público atuante no que diz respeito ao saudável consumo cultural.[7]

Álbum "Trupicada" (2011)[editar]

Um universo de inspirações, sonoridades e muita paixão pela música e pela cultura infantil. Tudo isso representa essa seleção especial de canções autorais que fazem parte do primeiro CD, que também leva o nome da banda: Trupicada. Lançado em 2011,[8] o CD “TRUPICADA” registra o encontro, a criatividade, a originalidade e a consolidação da trupe de artistas. Contando com a participação especial de várias crianças que acompanharam os shows em Juiz de Fora, além da parceria com o MC Paloso, que colaborou na criação dos versos para o “Rap do Poti”, o CD “TRUPICADA” teve a direção musical de Fabrício Conde e os arranjos foram todos elaborados pela própria banda.

Faixas[9]

1. “Sapo da Lagoa” (Daniel Lovisi) [3:55]

2. “Chuva, Chuvisco, Chuvarada” (Hélio Ziskind) [3:23]

3. “A Gelatina e o Pudim” (Felipe Tavares) [5:52]

4. “Centopeia” (Felipe Tavares, Lucas Soares) [3:20]

5. “Acordei Banguela” (Felipe Tavares) [5:02]

6. “O Furo” (Felipe Tavares) [4:38]

7. “Borboletinha” (domínio público) [2:03]

8. “Bem Querer” (Antônio Tico, Lucas Soares) [5:01]

9. “Rapa de Angu” (Felipe Tavares, Kadu Mauad, Lucas Soares) [3:14]

10. “Vaca Amarela” (Amanda Martins, Lucas Soares) [3:10]

11. “Bloco da Farinha” (Felipe Tavares) [3:49]

12. “Trupicada” (Felipe Tavares) [1:35]

Ficha Técnica

  • Artista: Banda Trupicada
  • Gênero: Música Infantil
  • Lançamento: 11 de novembro de 2011
  • Produção: MCostaCarvalho
  • Distribuição: Tratore

Álbum "Trupifolia" (2016)[editar]

Em 2016 a banda lançou seu segundo álbum, o "TrupiFolia",[10] um álbum divertido, com ritmos animados, criado especialmente para crianças. Possui um repertório permeado por sambas, chorinhos, frevos e marchinhas. Esse álbum, com participação especial e produção do Lúdica Música!, conta com 11 canções compostas pela própria banda e também com músicas de uma geração de compositores que são referência para o grupo e que têm seu trabalho voltado especificamente para o público infantil e infanto-juvenil, como Hélio Ziskind e Bia Bedran, além de compositores que marcaram a história musical brasileira, como Noel Rosa e Braguinha.

Faixas[11]

1. “Trupifolia” (Felipe Tavares) [2:44]

2. “Pira Pirata” (Felipe Tavares) [4:58]

3. “Desengonçada” (Bia Bedran) [3:13]

4. “João e o Pé de Feijão” (Felipe Tavares) [3:31]

5. “Tem Gato na Tuba” (Braguinha) [3:41]

6. “Picolé” (Daniel Lovisi, Felipe Tavares) [3:51]

7. “Raios e Trovões” (Hélio Ziskind) [3:07]

8. “Batata Quente” (Felipe Tavares, Lucas Soares) [3:39]

9. “Com que Roupa” (Noel Rosa) [3:52]

10. “Festerê” (Felipe Tavares) [4:20]

11. “Bloco da Farinha” (Felipe Tavares) [2:08]

Ficha Técnica

  • Artista: Banda Trupicada
  • Gênero: Música Infantil
  • Lançamento: 30 de janeiro de 2016
  • Produção: Lúdica Música![12][13]
  • Distribuição: Tratore

Eventos e espetáculos[editar]

UNIMED Juiz de Fora 40 anos: para celebrar seus 40 anos a empresa escolheu a Trupicada como protagonista de sua campanha. O filme publicitário com a banda foi exibido na TV em horário nobre.[14]

Carnaval 2016 Juiz de Fora: entre os mais de 80 eventos a Trupicada foi escalada para fazer o carnaval infantil da cidade comandando o bloco “Trupifolia”.[15] O festejo foi escolhido também para o lançamento de seu 2o álbum, todo voltado para os ritmos carnavalescos.[16]

Carnaval 2017 Projeto Bem Comum Lazer: a banda novamente foi escolhida para arrastar os foliões mirins. A Trupicada levou seu show “Trupifolia” para animar o carnaval da região.[17]

Trupicada Aniversário de 10 anos: no final de 2017 a banda comemorou seus 10 anos de existência com um espetáculo realizado no Cine-Theatro Central que revisitou os sucessos da 1a década.[18]

FliMinas Edição Fernando Sabino: a Festa Literária de Minas Gerais de 2018 homenageou o escritor belo-horizontino Fernando Sabino.[19] A Trupicada participou da festa literária com apresentação em Rio Novo (MG).[20]

Diversão em Cena ArcelorMittal Online: em 2020, devido à pandemia do novo coronavírus e do necessário distanciamento social, a Fundação ArcelorMittal, com apoio da ArcelorMittal Tubarão, promoveu o projeto “Diversão em Cena” para levar cultura e edução de forma lúdica por meio de apresentações teatrais. As performances artísticas foram transmitidas através dos canais digitais da entidade. A banda Trupicada migrou para a cena online participando do projeto da ArcelorMittal, pelo qual realizou lives para o público infantil.[21]

Espetáculo "O caso da menina que perdeu a voz" (2014 - 2015, como ator e músico)[editar]

Marcelo Carvalho participou, como integrante do grupo de contadores de histórias da Casa de Cultura Estação Palco, de Juiz de Fora (MG), do projeto “Histórias Encantadas”, patrocinado pela CAIXA Cultural de Fortaleza. O grupo encenou a peça infantil “O caso da menina que perdeu a voz” na capital cearense em 2014.[22][23] No ano seguinte os mesmos contadores de histórias da Estação Palco levaram o espetáculo teatral para o sertão do Cariri. As apresentações foram realizadas no Centro Cultural Banco do Nordeste Cariri, em Juazeiro do Norte (CE).[24][25]

“O Caso da Menina que Perdeu a Voz” é uma adaptação do livro homônimo[26][27] do escritor mineiro Fernando Abritta.[28] Com recursos como intérprete de libras (língua brasileira de sinais), programas em braille (os símbolos são escritos em relevo e a leitura acontece por meio do tato) e letras ampliadas (para pessoas com baixa visão) o principal objetivo do projeto foi promover uma inclusão social que se realiza de fato ao permitir que jovens e adultos, com ou sem algum tipo de deficiência, compartilhem uma mesma atração cultural. Tendo como um dos públicos-alvo crianças a partir de oito anos de idade, o espetáculo também incentivou o interesse pela literatura e pela arte de contar histórias para alunos nas séries iniciais.

Espetáculo "Sala de Visitas - A morte é só o começo" (2018 - 2020, como ator, diretor e produtor cultural)[editar]

Baseada nas obras de Allan Kardec e Chico Xavier, o texto de Guaraci Silveira conta a história de uma família surpreendida pelo óbito de um de seus entes e convida o espectador a refletir sobre a temática da vida após a morte. A 1a montagem da peça “Sala de Visitas – A morte é só o começo” percorreu vários estados brasileiros entre os anos de 1995 e 2001.

Na 2a montagem Marcelo Carvalho atuou, dirigiu e produziu o espetáculo, realizando-o em cidades de Minas Gerais e do Rio de Janeiro entre 2018 e 2020 até a interrupção das apresentações previstas, ocasionada pelo início no Brasil, em meados de março, da pandemia de covid-19. Ainda assim, cidades mineiras como Astolfo Dutra[29] e Juiz de Fora[30][31][32], e fluminenses como Volta Redonda,[33] receberam o evento teatral.

Espetáculo "A Cigarra e a Formiga: uma história nunca dançada!" (2019, como divulgador)[editar]

A MCostaCarvalho organizou e divulgou o espetáculo “A Cigarra e a Formiga: uma história nunca dançada!”, realizado pelo Studio de Dança Vivian Mockdece em conjunto com o bailarino e coreógrafo Herbert Hischter. A arte reuniu um grupo de bailarinos para promover o diálogo da fábula com outras linguagens artísticas.[34]

A peça é baseada no conto “A Cigarra e a Formiga”. A obra narrada pelo grego Esopo em suas famosas fábulas é contada e recontada através dos tempos em diversas leituras e adaptações. Chegou ao Brasil como parte do livro “Fábulas”, do escritor Monteiro Lobato, e foi incorporada à “Coleção Disquinho”, que fez sucesso a partir dos anos 1960.[35][36]

Oficina de contação de histórias - 32º FESTIVALE (2015, como professor)[editar]

Marcelo Carvalho compartilhou a arte de contar histórias no 32° FESTIVALE (Festival de Cultura Popular do Vale do Jequitinhonha).[37] O festival, depois de 21 anos, voltou a ser realizado em Salto da Divisa (MG). Os eventos trataram da cultura, da música, da juventude, da mídia livre, educação, direitos humanos, dentre outros pontos-chave de articulação na região do Vale do Jequitinhonha.[38]

Referências[editar]

  1. Festival de Teatro - Funalfa oferece curso de capacitação para artistas. Portal G1. Consultado em 08 de fevereiro de 2021.
  2. Show e projeto de leitura acontecem neste domingo na UFJF. Portal G1. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  3. Curso preparatório para atores é oferecido em Juiz de Fora. Portal G1. Consultado em 08 de fevereiro de 2021.
  4. Coluna do César Romero – Curso preparatório para a avaliação do Sindicato dos Artistas – Sated/MG. Tribuna de Minas. Consultado em 08 de fevereiro de 2021.
  5. Como a Lei Aldir Blanc ajudou Marcelo Costa Carvalho. Tablóide Brasil. Consultado em 08 de fevereiro de 2021.
  6. Arte em tempos de pandemia. Gossip Brazil. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  7. Abra as orelhas: 20 bandas para ampliar o repertório das crianças. Lunetas. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  8. «Tarde Divertida – Grupo Trupicada lança CD no La Rocca» . Funalfa. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  9. Álbum "Trupicada". Tratore. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  10. A TRUPICADA – Banda de Música Infantil lançará seu 2o álbum 'Trupifolia'. AbaquarCult. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  11. Álbum "Trupifolia". Tratore. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  12. Lúdica Música!. ShowMúsica. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  13. Trupicada no lançamento do CD TrupiFolia. ZineCultural. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  14. Filme mostra o que é importante para a Unimed e convida público a compartilhar felicidade. Portal Unimed. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  15. Carnaval 2016 de JF terá mais de 80 eventos. Funalfa. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  16. Lei Murilo Mendes: Trupicada lança segundo CD com show no Pró-Música. Funalfa. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  17. Trupifolia para a criançada no domingo. Tribuna de Minas. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  18. Trupicada faz show no Central para comemorar seus dez anos. Tribuna de Minas. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  19. Festa Literária de Minas Gerais 2018 em Rio Novo homenageia Fernando Sabino. Portal G1. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  20. Com espetáculo artístico e lúdico, Trupicada é atração confirmada na FliMinas. Cavaleiros da Cultura. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  21. Show Trupicada diverte a criançada no final de semana. ESHoje. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  22. Caixa Cultural Fortaleza apresenta 'O caso da menina que perdeu a voz'. Portal G1. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  23. Caixa Cultural Fortaleza apresenta espetáculo adaptado para deficientes físicos, visuais e auditivos. PapoCult. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  24. Teatro, show e festa religiosa. Diário do Nordeste. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  25. CCBNB Cariri recebe espetáculo O Caso da Menina que Perdeu a Voz. PapoCult. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  26. Histórias bem mineiras. Tribuna de Minas. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  27. Audiolivro utiliza ponto cruz para ilustrar história. Acessa. Consultado em 18 de fevereiro de 2021.
  28. Fernando Abritta. Antônio Miranda. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  29. SALA DE VISITAS em Astolfo Dutra MG Peça de Teatro.Sympla. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  30. Espetáculo SALA DE VISITAS, contemplado pelo Projeto Luz da Terra, tem apresentação inédita no Central. Cine-Theatro Central. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  31. Teatro “Paschoal” recebe peça inspirada nas obras de Allan Kardec e Chico Xavier. Funalfa. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  32. Campanha de Popularização Teatro & Dança começa nesta semana em Juiz de Fora. Portal G1. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  33. Teatro Gacemss recebe espetáculo 'Sala de Visitas'. A Voz da Cidade. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  34. A cigarra e a formiga: uma história nunca dançada!. Tribuna de Minas. Consultado em 19 de fevereiro de 2021.
  35. Encantando gerações, Coleção Disquinho chega às plataformas de streaming. GaúchaZH. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  36. Voltando à infância em 3, 2, 1! A Coleção Disquinho agora está disponível em plataformas digitais. São Paulo para crianças. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  37. 32o Festivale. Blog do 32o Festivale. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.
  38. 32o Festivale. BH Eventos. Consultado em 20 de fevereiro de 2021.

Ligações externas[editar]



Outros artigos dos temas Biografias E BrasilLêda Boechat Rodrigues, Cecil Thiré (professor), Gedeão de Freitas, Martiniano Eliseu do Bonfim, Fabrício José Carlos de Queiroz, Henrique Eduardo Alves, Peu Cavalcante

Outros artigos do tema Biografias : Yuri Antônio Costa da Silva, Higor Vinicius Nogueira Jorge, Josualdo Alves da Silva Oliveira, Cecil Thiré (professor), Regilson Saboya Monteiro Júnior, Diogo de Brito Silva, José Sarney

Outros artigos do tema Brasil : Rede Minas, Macapá, Julia Olliver, Conflitos no Brasil, Agreste in Rock, André Kfouri, Sou UFRJ



Este artigo "Marcelo Costa Carvalho" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Marcelo Costa Carvalho.