Welcome to EverybodyWiki 😃 ! Nuvola apps kgpg.png Log in or ➕👤 create an account to improve, watchlist or create an article like a 🏭 company page or a 👨👩 bio (yours ?)...

Nítida - fotografia e feminismo

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki
Logo da Nítida - fotografia e feminismo

Nítida - fotografia e feminismo é um coletivo de fotógrafas brasileiras que desenvolve pesquisa para o resgate de trabalhos de fotógrafas e imagens ocultadas da história, além de divulgar artistas contemporâneas[1]. Atualmente, o coletivo é formado por Camila Domingues, Desirée Ferreira, Leli Baldissera, Lívia Auler e Ursula Jahn.

História[editar]

A Nítida foi criada em 2015 a partir da associação de fotógrafas gaúchas que compartilhavam as problemáticas referentes à falta de visibilidade das mulheres no âmbito da fotografia, da arte e dos espaços acadêmicos[2]. O coletivo iniciou as atividades através da divulgação de perfis de fotógrafas e textos críticos no site Nítida - fotografia e feminismo e no Facebook. Ao longo dos últimos anos, tem desenvolvido encontros e oficinas presenciais, exposições, e também colabora com outras iniciativas feministas. Em 2016, o coletivo foi convidado para participar da Semana de Fotografia da Escola de Comunicação, Artes e Design - Famecos[3]. No ano seguinte, também foi convidado para o debate “Fotografia e Feminismo: a insustentável leveza da imagem”, na ESPM[4]. Em 2019, integrou a programação “Efervescência: Mulheres, Arte e Cultura” na Fundação Iberê Camargo[5] com a palestra “A imagem do corpo das mulheres na fotografia”.

Em 8 de março de 2018, a Nítida realizou sua primeira exposição coletiva na Casa Baka, em Porto Alegre, intitulada “Qual o nosso lugar agora, se não é o mesmo de antes?”. A exposição esteve aberta ao público por dois meses e apresentou parte da pesquisa desenvolvida pelo coletivo e também o trabalho fotográfico de cada uma das integrantes (na ocasião, Camila Domingues, Deb Dorneles, Desirée Ferreira, Leli Baldissera e Lívia Auler).

Em 2019, Ursula Jahn passou a integrar o coletivo. No mesmo ano, em parceria com a Casa Baka, o coletivo organizou a chamada “Mulheres que Fotografam”. A proposta da ação foi dialogar e conhecer as mulheres que trabalham com fotografia em Porto Alegre e região. A intenção do projeto foi mostrar o rosto das fotógrafas e questioná-las sobre seus trabalhos e sobre o fato de serem mulheres na fotografia, abrindo um espaço de diálogo em um ambiente seguro.

Referências

  1. Coelho, Priscilla Ceolin (2019). «Nítida fotografia : um coletivo de fotógrafas feministas» 
  2. Soares, Maria Thereza Gomes de Figueiredo; Feitosa, Márcia Manir Miguel; Ferreira Junior, José (11 de outubro de 2018). «Um olhar sobre a fotografia feminista brasileira contemporânea». Revista Estudos Feministas. 26 (3). ISSN 1806-9584. doi:10.1590/1806-9584-2018v26n346645 
  3. http://portal.eusoufamecos.net/semana-da-fotografia-tem-ultimas-atividades/
  4. «ESPM-Sul incentiva debate sobre espaço da mulher na fotografia e nas artes». Coletiva.net - Tá todo mundo aqui. 6 de junho de 2017. Consultado em 29 de maio de 2020 
  5. «Efervescência: Mulheres, Arte e Cultura». iberecamargo.org.br. Consultado em 29 de maio de 2020 

Ligações externas[editar]

"Arte é uma Palavra Feminina: as imagens que elas criam", de Tina Borba e Renata Simmi


Este artigo "Nítida - fotografia e feminismo" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Nítida - fotografia e feminismo.