You can edit almost every page by Creating an account. Otherwise, see the FAQ.

RCC TV

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki

RCC TV
Fundação Ministério Comunidade Cristã
Avenida 4ª Radial, Quadra 4, lote 9, nº 847, Jardim das Esmeraldas
Cidade de concessão Goiânia, GO
Canais 📺
5 analógico
Outros canais TV a cabo:
4 (NET)
6 (Mais TV)
Rede SESC TV
Rede(s) anterior(es) STV
Proprietário Sistema Fonte de Comunicação
Fundação 25 de dezembro de 2005 (18 anos)
Extinção 25 de julho de 2006 (17 anos)
Sucessora Fonte TV
Prefixo ZYA 585
Cobertura Goiânia e Região Metropolitana de Goiânia

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

A RCC TV (sigla da Rede Cristã de Comunicação) foi uma emissora de televisão brasileira, instalada na cidade de Goiânia, capital do Estado de Goiás. A emissora era sintonizada no canal 5 VHF analógico e apesar operar como emissora independente, exibia programas da STV (hoje TV Senac).

Permaneceu no ar entre 25 de dezembro de 2005 a 25 de julho de 2006, quando a emissora mudou nome para Fonte TV. No momento da sua extinção, a emissora era transmitida apenas para Região Metropolitana de Goiânia além no canal 5 VHF analógico, era exibido nas operadoras de TV a cabo da NET (canal 4) e a Mais TV (canal 6).

A RCC TV pertencia à Fundação Ministério Comunidade Cristã-Goiás (FMCC) ligada à igreja evangélica brasileira Fonte da Vida.

Historia[editar]

A RCC TV entrou no ar em 25 de Dezembro de 2005, no dia de domingo, feriado cristão de Natal do nascimento de Jesus Cristo, como uma proposta de transmitir naquele dia, uma programação rica e saudável, regrada pelos princípios cristãos, exclusivamente aos evangélicos.

Às duas horas da tarde, o auto-intitulado apóstolo César Augusto apresentou o novo canal e comemorou o sonho nascido em Deus, planejado sobre a palavra que acaba de ser posto em execução. Logo depois, os coordenadores da IAFV, César e a bispa Rúbia de Sousa participaram de entrevista com Mirian Raquel, jornalista da RCC e com outra profissional convidada[quem?] especialmente para o debate. Todas as questões levantadas foram respondidas com autoridade, garantindo a transparência na gestão da emissora desde o início.

Em seguida, foi exibido o documentário, contando a história de lutas pela concessão do canal 5, recheado de depoimentos de parlamentares de expressão nacional. Desde o então deputado Aloísio Mercadante (PT-SP) ao senador Demóstenes Torres (na época, era PFL-GO, hoje DEM-GO), passando por vários congressistas à época da concessão à Fundação Ministério Comunidade Cristã, muitos deles parlamentares pertencentes à bancada evangélica do Congresso Nacional endossaram seu voto favorável, apoiando-se nas virtudes comprovadas da instituição, na responsabilidade social levada a sério e na biografia consistente do fundador da FMCC e presidente da IAFV, César Augusto.

Após o término do documentário, foram exibidos os clipes musicais, debates e entrevistas com personalidades, revelando a preocupação da RCC em consolidar-se como um canal educativo e democrático, contribuindo para a formação sócio-cultural de seus telespectadores.

Antes de a emissora encerrar as transmissões do dia de Natal, a emissora cristã deu espaço às pregações de culto de domingo à palavra de Deus, por ser Dia Santo.

Parceria com SESC TV (STV)[editar]

Após os primeiros dias de transmissões locais no final de 2005, a RCC firmou parceria com o canal da educação e da cidadania, a SESC TV, mais conhecida como STV, para a exibição de programas e divisão da grade de programação com a STV. A SESC TV só é sintonizada em canais por assinatura e com isso, a RCC de cristão evangélico passou ser TV educativa, já que em Goiânia era sintonizada apenas pelo canal 30 da NET e com a parceria, a RCC exibia programas da STV gratuitamente.

A RCC TV iniciou as transmissões da SESC TV (Rede Sesc-Senac de Televisão) em 1º de janeiro de 2006, com os programas da STV, que tem a missão de educar para a cidadania, que amplia o nível de conhecimento e contribui para o desenvolvimento do indivíduo e da coletividade.

A programação da STV é voltada à qualidade de vida, ao aperfeiçoamento profissional, à elevação da auto-estima, à importância da ética no dia-a-dia, ao apoio a iniciativas sociais e à valorização de manifestações artístico-culturais em todo o Brasil. O princípio de responsabilidade social se mantém nos intervalos da programação, com a veiculação de campanhas sócio-educativas que estimulam o exercício da cidadania.

A programação da SESC TV é transmitida 24 horas diárias e disponível em território nacional via NET, Vivax, DirecTV (extinta), SKY (que comprou e realizou a fusão com a DirecTV), TecSat (extinta em 2007) e por alguns canais que retransmitem o sinal em aberto, que é o caso da DTV e da RCC, além de operadoras independentes de TV a cabo que operam em várias regiões do país.

Entusiasmados com a realização dessa primeira etapa, já primeiros meses de 2006, o presidente da IAFV e a direção da RCC anunciaram novidades, com reforço dos programas locais, com programas infantis de qualidade, uma grade voltada especialmente para as mulheres e até um espaço para o sertanejo de raízes, o Viola, iniciando a segunda etapa da emissora.

Fim da Parceria com SENAC e SESC (STV)[editar]

Inaugurada em novembro de 1996 como TV Senac São Paulo e no ar desde maio de 1997 como TV Senac, o canal se transformou em STV - Rede SescSenac de Televisão, em janeiro de 2000, tendo ganhado primeira afiliada em Goiás, a parceria entre Sesc e a Senac, que mantinha a STV no ar de bons documentários e algum prestígio, mas de baixa audiência, acaba após quase 6 anos depois, em 4 de maio de 2006.

Segundo a imprensa televisiva brasileira, o motivo pelo fim da parceria, foi que Senac deixou o STV, depois que descobriu na internet, um meio mais eficiente de fazer educação à distância, já que por meio de TV era restrito nas operadoras de TV por assinatura e para ter o canal era feito o pagamento.

Desde dezembro de 2006, o STV não contratava produtoras (quase toda a sua produção é terceirizada) para novos programas, por conta disso, a programação era quase toda de reprise.

Com o fim da parceria entre Sesc e a Senac, a STV no ar desde 2000, deixou de existir, voltando o nome de TV Senac, que a RCC continua a exibir os programas.

Da RCC TV à Fonte TV[editar]

Em meados de junho de 2006, a direção da RCC TV decide mudar o nome da emissora, para Fonte TV, que até teve chamadas para nova emissora. Em 25 de julho, seis meses depois da inauguração da RCC TV, a emissora muda para Fonte TV, caracterizando a extinção da emissora e o fim da segunda etapa da emissora, iniciando a era da Fonte TV, nome da emissora em homenagem à Igreja Apostólica Fonte da Vida.

Controvérsias[editar]

Concessão[editar]

Sua instalação é considerada polêmica, pelo fato de que o canal estava sendo disputado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), desde o final dos anos 90, que foi desbancada pela Igreja Apostólica Fonte da Vida, tendo a sua concessão outorgada em 2002, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. No Senado Federal, houve uma tentativa de cassar a concessão, mas não foi adiante. A UFG posteriormente obteve a concessão do canal 14 UHF, que ficou sem transmitir por algum tempo por falta de recursos e que desde janeiro de 2010 está funcionando normalmente.

Programação[editar]

A programação da RCC TV era alvo de críticas por diversos segmentos cristãos em Goiânia e região metropolitana, que iniciaram campanha de boicote à nova emissora por não ser uma TV educativa esperada por muitos anos.

As críticas vêm desde os católicos (maioria na região metropolitana) a evangélicos por diversas igrejas contrárias às doutrinas da igreja Fonte da Vida mostrada constantemente na emissora de TV.

Políticos na RCC TV[editar]

Um documentário, contando a história de lutas pela concessão do canal 5 analógico, recheado de depoimentos de parlamentares de expressão nacional dando boas vindas à nova emissora, geraria polêmica anos depois.

Nesse documentário, aparecem diversos políticos, entre eles o então deputado Aloísio Mercadante (PT-SP), o então senador Demóstenes Torres (na época, era PFL-GO, hoje DEM-GO), passando por vários congressistas na época da concessão à Fundação Ministério Comunidade Cristã, muitos deles parlamentares pertencentes à bancada evangélica do Congresso Nacional endossaram seu voto favorável, apoiando-se nas virtudes comprovadas da instituição, na responsabilidade social levada a sério e na biografia consistente do fundador da FMCC e presidente da IAFV, César Augusto.

Alguns meses depois, parlamentares pertencentes à bancada evangélica eram acusados no envolvimento no Escândalo das Sanguessugas em 2006, que não chegaram a serem reeleitos no mesmo ano juntamente Mercadante (PT-SP) na tentativa ser governador de São Paulo. Em 2012, Demóstenes Torres foi acusado de envolvimento com a máfia dos caça-níquel em Goiás liderado por Carlinhos Cachoeira (pivô no primeiro escândalo no Governo Lula em 2004) e teve mandato cassado.

Programas da RCC[editar]

Precedido por
Emissora Inexistente
Canal 5 analógico VHF analógico em Goiânia
2005 a 2006
Sucedido por
Fonte TV

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).



Outros artigos dos temas Televisão E GoiásTV Planalto (Jataí), TV Capital (Goiânia), Televisão em Goiás, Rede Cerrado, TV Serra Azul (Barra do Garças), TV Girassol (Brazlândia)

Outros artigos do tema Televisão : Claude Drumm, TV Bandeirantes Imperatriz, RBS TV Blumenau, Bob and Margaret, Lista de participantes de The Voice Brasil, Marjorie Estiano, La Linea (animação)

Outros artigos do tema Goiás : Campeonato Goiano de Futebol de 2004 - Terceira Divisão, Antônio Bueno, Buraco das Araras (Goiás), GG Produções, TV Girassol (Brazlândia), Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, Secretaria da Educação do Estado de Goiás


Este artigo "RCC TV" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical.




Read or create/edit this page in another language[editar]