Welcome to EverybodyWiki ! Nuvola apps kgpg.png Sign in or create an account to improve, watchlist or create an article like a company page or a bio (yours ?)...

Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói

Fonte: EverybodyWiki Bios & Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou partes de seu texto podem pode não ser de natureza enciclopédica. (desde agosto de 2019)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 26 de setembro de 2019)
Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói
Local Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
Data 20 de agosto de 2019 (1 ano)
5h30, horário de Brasília (8h30 UTC)
Alvo(s) Coletivo 2520 (Galo Branco)
Arma(s) Pistola, faca, arma de choque, garrafa com gasolina
Mortes 1 (o próprio criminoso)
Feridos 0
Responsável(is) Willian Augusto da Silva
Motivo "Parar o estado [Rio de Janeiro]", Willian Augusto da Silva[1]

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

O sequestro de um ônibus na Ponte Rio-Niterói foi um episódio marcante da crônica policial do Rio de Janeiro, no Brasil, ocorrida em 20 de agosto de 2019. Às 6h30 da manhã, o sequestrador, Willian Augusto da Silva, mandou que o motorista atravessasse o ônibus na Ponte Rio-Niterói, fazendo com que o transito desta ponte no sentido Rio de Janeiro fosse completamente obstruído.

História[editar]

Sequestro[editar]

05h40 — As primeiras equipes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) são acionadas para acompanhar uma ocorrência em andamento de um sequestro a ônibus. Em poucos minutos, dezenas de homens da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros também ocupavam o trecho da ponte próximo ao Mocanguê, no sentido Rio.

6h08 — Ponte Rio Niterói é totalmente interditada no sentido Rio de Janeiro.

6h15 — Antes do isolamento da área, o fotógrafo de um jornal chega ao local e observa policiais militares agitados tentando localizar extintores de incêndio. Ele, que mora em São Gonçalo, chegou a passar pelo ônibus a caminho da redação, por volta das 5h20, mas achou que ele estava parado por falhas mecânicas. De dentro do ônibus, passageiros avisam a familiares e amigos que o sequestrador ameaça incendiar o coletivo com todos os reféns dentro. As primeiras informações indicam um homem com uma arma, uma faca e uma arma de choque.

6h21 — A primeira refém, uma mulher, é liberada pelo sequestrador.

6h30 — A PM informa que homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Batalhão de Ações com Cães (BAC) são acionados para o caso. Com a interdição total, algumas pessoas começam a voltar a pé pela ponte, retornando a Niterói.

6h43 — A segunda refém é liberada. O sequestrador pede à polícia que afaste as equipes de imprensa do local. A PRF confirma ameaça de incêndio feita por Willian.

6h53 — 16 Homens do Grupo de Retomada e Resgate (GRR), chegam no local do sequestro e assumem a negociação com o criminoso. A Viação Galo Branco informa que soube do sequestro por outro motorista, que seguia atrás do ônibus que carregava os reféns. Ele ligou para a empresa avisando que viu quando o homem armado rendeu o colega de profissão.

7h04 — Mais um refém é liberado, um homem. Assim, são três pessoas liberadas.

7h21 — A terceira mulher é solta, totalizando quatro passageiros liberados.

7h26 — Passageiros de ônibus que seguiam para o Rio desistiram da viagem e voltaram a pé para Niterói.

7h37 — O Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura, informa que o sentido Niterói da ponte também é interditado por causa da ocorrência policial.

7h38 — Três atiradores de elite começam a se posicionar em pontos estratégicos. Em cima de um dos carros dos Bombeiros, um dos atiradores fica deitado a cerca de 120 metros do ônibus. Antes de se posicionar, ele conta com a ajuda de um bombeiro, que senta à sua frente e obstrui a visão do sequestrador até ele definir sua posição. Já alocado, o militar do Bope fica com o campo de visão livre. Ele ainda usa um pano vermelho por cima do corpo, para se camuflar. Em alguns momentos, o atirador de elite conversa com outros militares, como se tivesse passando instruções sobre o que via. Lá, permaneceu por cerca de uma hora e 20 minutos. A equipe do Bope tinha ainda dois negociadores, um psicólogo, um médico e um gerente de crise

7h40 — Com o trânsito interditado em ambos os sentidos, muitos motoristas estão presos no engarrafamento que se forma na via. No entanto, uma dessas pessoas tem do que se lamentar a mais. Ana Passos, de 26 anos, ia para São Cristóvão deixar a irmã no colégio. Mas errou o caminho e acabou pegando a ponte.

7h44 — O sequestrador sai novamente do ônibus e volta segundo depois.

7h56 — Polícia pede o fim das transmissões ao vivo, já que todas as movimentações eram acompanhadas pelo sequestrador, e era preciso fazer "movimentações táticas" de aproximação e posicionamento.

7h59 — Mais um refém do sexo masculino é liberado, totalizando cinco passageiros.

8h15 — A sexta refém é libertada e desmaia assim que deixa o ônibus. Militares fazem o atendimento, e ela é levada em uma maca para uma ambulância de resgate.

08h21 — Cinco vítimas liberadas

08h41 — Por questões de segurança, imprensa é afastada cerca de 100 metros.

08h42 — O governador do Rio comenta numa rede social: "Estou acompanhando desde cedo, com atenção, o sequestro do ônibus na Ponte Rio Niterói. Estou em contato direto com o comando da Polícia Militar, que trabalha para encerrar o caso da melhor maneira possível. A prioridade absoluta é a proteção dos reféns".

08h58 — O sequestrador sai do ônibus com uma refém. Ele aponta a arma para a cabeça dela e retorna na sequência.

09h — Sons de tiros são escutados. Pelas contas, seis disparos foram efetuados. A primeira reação de todos os jornalistas e curiosos que acompanham a ação é tentar se proteger. Todos se abaixam na pista. Não havia como identificar a origem dos tiros.

9h02 — É confirmada a morte de Willian Augusto da Silva. Antes de ser atingido pelo atirador de elite, ele deixa o coletivo com um casaco nas mãos e o joga em direção à frente do coletivo. Além disso, aponta o dedo do meio em direção aos policiais. Ao retornar, Willian foi baleado por um 'sniper' e tombou na escada da porta de entrada do coletivo. As pessoas ao redor comemoraram muito, aplaudindo.

9h13 — Uma ambulância da Ecoponte deixa o local levando o sequestrador.

9h37 — Willian chega ao Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio.

Morte[editar]

Um dos reféns no ônibus, o passageiro Hans Miller Moreno, disse que o sequestrador "pediu para o motorista parar o ônibus, as pessoas começaram a estender seus pertences. Depois, ele avisou para o pessoal: 'Olha, o ônibus está sendo sequestrado, mas não quero os pertences de vocês, não quero machucar vocês (…) Ele tinha coerência, estava muito calmo, muito tranquilo. Falava que estava com uma garrafa de gasolina, mas não falou que ia tacar fogo no ônibus em nenhum momento."[2] Porém, segundo policiais militares do local, o sequestrador parecia desorientado.[2] Cerca de 3h30 depois, um atirador do BOPE matou o sequestrador do ônibus durante a ação.[3]

Autoria[editar]

Willian Augusto da Silva, 20, estaria portando uma arma de brinquedo (pistola), uma faca, uma arma de choque e uma garrafa de plástico com gasolina, quando obtestou contra o modelo da Viação Galo Branco.[4] "Estava pronto para incendiar", mencionou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), fazendo alusão à exibição de um isqueiro na faixa de atordoamento do criminoso.[4] Segundo autoridades, o indivíduo faleceu ao chegar a um hospital, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória.[5]

Repercussão[editar]

O episódio foi reportado em diversos veículos de comunicação: Grupo RBS,[6] Correio Braziliense,[7] IstoÉ,[8] Metro Jornal,[9] Estado de Minas,[10] O Dia,[11] El País,[12] Gazeta do Povo,[13] O Estado de S. Paulo,[14] O Globo, O Popular,[15] O Povo,[16] Correio do Povo,[17] BBC,[18] Folha de S.Paulo,[19] O Tempo,[20] Folha de Pernambuco,[21] Tribuna do Paraná[22] e Jornal do Tocantins.[23]

Ver também[editar]

  • Sequestro do ônibus 174

Referências

  1. Ferreira, Lola (20 de agosto de 2019). «"Vocês lembram do filme 174?", perguntou sequestrador aos reféns». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  2. 2,0 2,1 «Sequestro na Ponte: criminoso exigiu R$ 30 mil e avisou que não queria machucar ninguém, diz refém». Consultado em 21 de agosto de 2019 
  3. «Atirador do Bope mata sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói após mais de 3h de cerco». O Globo. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  4. 4,0 4,1 «Witzel diz que sequestrador estava com isqueiro na mão quando foi baleado». UOL. 20 de agosto de 2019. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  5. Gaier, Rodrigo (20 de agosto de 2019). «Homem é morto pela polícia após manter 37 reféns por quase quatro horas em ônibus na ponte Rio-Niterói». DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  6. «Sequestro no Rio lembra caso retratado no documentário Õnibus 174». Grupo RBS. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  7. «Após 3 horas, homem que sequestrou ônibus na ponte Rio-Niterói é morto». Correio Braziliense. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  8. «Tiros são disparados; atirador de elite comemora na Ponte Rio-Niterói». IstoÉ. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  9. «Ônibus é sequestrado na ponte Rio-Niterói por homem armado». Metro Jornal. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  10. «Acaba sequestro de ônibus na ponte Rio-Niterói: polícia mata criminoso; veja vídeo». Estado de Minas. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  11. «Passageiros são feitos reféns durante sequestro a ônibus na Ponte Rio-Niterói». O Dia. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  12. «Homem armado faz reféns em ônibus na ponte Rio-Niterói e é morto por snipers». El País. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  13. «5 pontos para entender o sequestro do ônibus na ponte Rio-Niterói». Gazeta do Povo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  14. «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». O Estado de S. Paulo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  15. «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». O Popular. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  16. «Atirador de elite do Bope mata sequestrador de ônibus na ponte Rio-Niterói». O Povo. 21 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  17. «Após quase quatro horas, termina sequestro de passageiros de ônibus no Rio». Correio do Povo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  18. «A cronologia do sequestro de 3h30 na ponte Rio-Niterói». BBC. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  19. «Homem armado ameaça passageiros na ponte Rio Niterói». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  20. «Sequestrador é baleado e morto por atirador de elite na ponte Rio-Niterói». O Tempo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  21. R7 e Agência Brasil (20 de agosto de 2019). «Sequestrador é baleado e morto por atirador de elite na ponte Rio-Niterói». Folha de Pernambuco. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  22. Redação (20 de agosto de 2019). «Ponte Rio-Niterói: após quatro horas de sequestro, suspeito é morto». Tribuna do Paraná. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  23. Redação (20 de agosto de 2019). «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». Consultado em 23 de agosto de 2019 

Erro Lua em Módulo:Categorização_AD_e_AB_de_outras_wikis na linha 173: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).

  • Portal do Rio de Janeiro
  • Portal da polícia



Outros artigos dos temas Rio de Janeiro E PolíciaGrupamento Especial de Policiamento em Estádios, Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, Companhia de Motociclistas do Batalhão de Polícia de Choque

Outros artigos do tema Rio de Janeiro : Sociedade do Rio de Janeiro, 39º Batalhão de Polícia Militar (PMERJ), Marrony, Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil, Posto de Policiamento Comunitário, Grupamento de Remoção Hospitalar, Cesarão

Outros artigos do tema Polícia : Lucas Gomes Arcanjo, Caso Victoria Natalini, Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, Grupamento Especial de Policiamento em Estádios, Companhia de Motociclistas do Batalhão de Polícia de Choque, Pia Nascimento


Erro Lua em Módulo:Controle_de_autoridade na linha 131: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).Erro Lua em Módulo:Taxonbar na linha 147: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).Erro Lua em Módulo:Medbar na linha 131: attempt to index field 'wikibase' (a nil value).


Este artigo "Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói" é da wikipedia The list of its authors can be seen in its historical and/or the page Edithistory:Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói.


Compte Twitter EverybodyWiki Follow us on https://twitter.com/EverybodyWiki !

Farm-Fresh comment add.png You have to Sign in or create an account to comment this article !<comment-streams/>